18 de abril de 2014 às 9:03
Página Inicial  ⁄  Sociedade  ⁄  Crise aumenta tráfico e violência contra as mulheres

Crise aumenta tráfico e violência contra as mulheres

É o que os portugueses pensam e responderam no inquérito do Parlamento Europeu sobre "Mulheres e desigualdades de género no contexto da crise".
Mafalda Ganhão e Maria Romero

A violência contra as mulheres e o tráfico de mulheres e a prostituição são as desigualdades de género que os portugueses consideram ter-se agravado mais como consequência da crise.

As duas são as áreas em que as respostas portuguesas mais se afastam da das da União Europeia (UE) no seu todo, segundo o inquérito realizado pelo Parlamento Europeu a propósito do "Dia Internacional da Mulher", que se assinala sexta-feira, e cujo objectivo é avaliar como responderam as mulheres à crise.

Em primeiro lugar, num "empate", os cidadãos da União Europeia destacam as maiores dificuldades para as mulheres em conciliar a sua vida privada com a profissional e a disparidade salarial entre homens e mulheres, com o respetivo impacto no desenvolvimento da carreira.

Na avaliação de quais devem ser as prioridades considerando as próximas eleições europeias, em 2014, os portugueses voltam a destacar a violência contra as mulheres, enquanto na média europeia surge o combate à disparidade salarial entre homens e mulheres.

Já a persistência dos estereótipos sexistas é, para os portugueses e na média geral da UE, uma questão menos preocupante. Só 5% dos inquiridos a enumeram como prioridade.

Diferentes critérios de recrutamento para homens e mulheres


Embora com percentagens diferentes, a entrada tardia dos jovens licenciados no mercado de trabalho é considerada a pior consequência da crise para portugueses e demais parceiros europeus. . Em segundo lugar é referido o aumento do trabalho precário (ver percentagens exatas na infografia)

Na avaliação das diferenças nos critérios de recrutamento de homens e mulheres, os portugueses aproximam-se da média dos restantes parceiros europeus: o facto de ter, a flexibilidade em termos de horas de trabalho e a aparência física são citadas como os aspectos mais levados em conta quando se recruta uma mulher. A idade aparece em quarto lugar, praticamente a par com o nível de habilitações.

No caso dos homens, portugueses e UE também elencam os mesmos critérios: experiência profissional, nível de habilitações e flexibilidade em termos de horas de trabalho. Só 10% dos portugueses e 7% na média europeia consideram relevante, para o efeito, o facto de ter filhos.

Os portugueses voltam a estar de acordo com a média dos seus parceiros europeus quando em causa está a medida considerada mais eficaz para se sair da crise: promover a formação contínua para as pessoas no trabalho.
 

Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Esse inquérito
Deve ter sido respondido pelas sras da AR, porque o que se verifica neste país com tão miserável classe política é as mulheres de hoje em dia terem de andar a trabalhar para sustentarem a casa porque os maridos não conseguem trabalho.
Os tempos são outros!
Hoje mesmo na juventude é fácil ver um casal de namorados a agredirem-se verbalmente e até fisicamente como eu já vi! Não há diálogo, não há respeito.
Se um deles for mais explosivo e dado a violência, é certo e sabido que o filme vai terminar mal! Nos tempos dos nossos mais, não digo que não houvesse alguma violência, mas os casos problemáticos eram mais esporádicos! Hoje com " as amplas liberdades" dialogamos mais com os membros superiores e inferiores!
As mentes têm que mudar!
Discriminacao das mulheres
Mais uma vez, próximo do Dia da Mulher, e sómente para encher papel, relembra-se que as mulheres recebem metade dos salários para o mesmo trabalho feito pelos homens.
                                Além disso, teem sempre dois empregos: o trabalho fora de casa, e o trabalho em casa:como empregada doméstica e gestora da casa.
                                O terceiro emprego , é o de parir, para que a populacao portuguesa nao envelheca ainda mais. 9 meses de alteracoes físicas e psicológicas, nem sempre agradáveis, seguidos por um parto , cuja violencia nenhum homem aguentaria.
                                  Sem comentários
Nookie Ver comentário
Exploracao das mulheres Ver comentário
Também...! Ver comentário
Comentários 6 Comentar
Pub