18 de abril de 2014 às 22:01
Página Inicial  ⁄  Economia  ⁄  Crise aproxima Europa do federalismo

Crise aproxima Europa do federalismo

Mais uma semana de adiamento de decisões na zona euro. Mas o federalismo pode estar mais próximo.
Daniel do Rosário, correspondente em Bruxelas (www.expresso.pt)

Apesar de intensa diplomacia económica ao longo desta semana na zona euro, avolumam-se as dores de cabeça com a Grécia e com Portugal.

Nos bastidores do debate sobre o futuro grego avaliam-se uma segunda reestruturação de dívida ou uma opção de recompra no mercado secundário.

Para onde pender a posição da Alemanha até à cimeira de final deste mês será decisivo.

A situação portuguesa após setembro de 2013, quando o Tesouro terá de começar a financiar-se com emissão de dívida de médio e longo prazo continua a ser uma incógnita.

 


Escolha uma das opções para ler o artigo inteiro



Compre o Expresso na banca
Assine o Expresso no site
Aceda ao Expresso no iPad

Comentários 42 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Como proteger a humanidade
As crises são inevitáveis na medida em que ninguém se atreve a evitar a criação de bolhas económico financeiras e muito menos a rebentá-las antes que cresçam demasiado.
Dito de outra maneira, o que não se resolve a bem tem que resolver-se a mal e felizmente parece que desta vez não vai ser preciso usar metralhadoras, nem canhões nem bombas. Isto tem que ser considerado um enorme avanço da humanidade.
Esta crise vai dar um contributo inestimável para a federalização da Europa na medida que as perdas de soberania são forçadas pela dependência financeira. Enquanto tinham que ser voluntárias ninguém queria perder soberania.
O que está em curso neste momento é a transformação dos velhos estados nação defendidos por fronteiras e exércitos em regiões mais ou menos autónomas integradas em entidades cada vez maiores até chegarmos à única forma de governar a humanidade de forma sustentável: o governo mundial.
É esta a única forma de proteger a humanidade do seu único inimigo: a ganância da própria humanidade.
Re: Como proteger a humanidade Ver comentário
Re: Como proteger a humanidade Ver comentário
Re: Como proteger a humanidade Ver comentário
Mas o objetivo final alguma vez foi outro?
Desde o início e posteriormente com a "guerra" euro/dolar que estava no horizonte a pretensa criação dos EUE, a união económica, acabará por conduzir impreterivelmente à união politica.

O federalismo nada tem de mal, desde que não passe a totalitarismo, a bandeira, a constituição e o governo da federação ditarão as regras, é natural, mas a cultura, tradições, princípios das Nações que as venham a integrar, terão de ser acauteladas e respeitas, caso contrário, será uma anexação.

Por tudo isso, não vale a pena, com o fantasma da recessão, sacrificar as diferentes Nações e depois aparecer com a "solução".

Num mundo global, terão de existir sempre alianças, acordos ou fusões, o que não deve, nem pode mesmo acontecer e deixar chegar um ou mais Pises à situação de pobreza extrema e depois serem "salvos", no momento em que já nada lhes resta.
O OBJECTIVO FINAL... Ver comentário
Re: O OBJECTIVO FINAL... Ver comentário
Re: Mas o objetivo final alguma vez foi outro? Ver comentário
Re: Mas o objetivo final alguma vez foi outro? Ver comentário
Má ideia

O Euro foi uma má ideia.

As economias dos países periféricos vivem suspensas do destino traçado pelas potencias centrais evoluídas que se querem antes de tudo beneficiar a si mesmas. Por outro lado os próprios mercados mundiais activos da globalização, hiper-concorrenciais, socialmente atrasados, ávidos de produção submetem as pequenas economias à sua exclusiva lógica expansionista de animal desesperado em fuga para a frente.

Agora ninguém sabe como se sai disto.

O PIB e o crescimento Português afigura-se assim impossível nas próximas décadas, com ou sem serviço de divida.

Sem soberania politica e económica este país está condenado, indefeso à mão de predadores.
Re: Má ideia Ver comentário
Re: Má ideia Ver comentário
Re: Má ideia Ver comentário
Re: Má ideia Ver comentário
Re: Crise aproxima Europa do federalismo
Federalismo? É já a seguir!
Fosse eu com essa conversa para D. Afonso Henriques ou D. Sebastião e ficava sem cabeça!
(E era muito bem tirada!)

E a seguir pegavam na espada (após oração) e perguntavam: Então onde é que está essa europa?
E tratavam-lhe da saúde bem entendido.
(Quem faz um milagre faz mais...)
Com quais armas? Isso já é outra conversa...
Bah
O futuro será, obviamente, a continuar isto assim, o nacional socialismo. É o único regime capaz de tirar um país da crise, mantendo a independência. Tem é que ser um nacionalismo feito de pessoas sérias e competentes. Os nossos partidos nacionalistas são uma anedota.
Mas qual federalismo ?
Que federação aguenta ou é susceptivel de ser criada quando metade dos estados estão em guerra com a outra metade ?
Que federação aguenta ou é susceptivel de ser criada quando os governos , feridos de morte por falta de legitimidade democrática, estão em guerra com os seus próprios povos.
Esta europa de direita, não
Esta federação impossivel com origem nesta europa, não.
Mais democracia europeia, sim.
A UE já é uma Federação
A União Europeia já é uma federação, pelo que não compreendo o título da notícia, vejamos:

Federação - do latim: foedus, foedera "aliança", "pacto", "contrato".

O federalismo é um sistema político em que organizações políticas (estados, províncias) ou grupos se unem para formar uma organização mais ampla como, por exemplo, um Estado Central. No sistema federalista, os estados que o integram mantém a autonomia.

Os Estados federados são autônomos, isto é, possuem um conjunto de competências ou prerrogativas garantidas pela constituição que não podem ser abolidas ou alteradas de modo unilateral pelo governo central.

O Estado federal é considerado soberano, para fins de direito internacional. Normalmente, apenas ele possui personalidade internacional e os estados federados são reconhecidos pelo direito internacional apenas na medida em que o respectivo Estado federal o autorizar.
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
Re: A UE já é uma Federação Ver comentário
ENTÃO?
Não vamos a caminho do socialismo? Vamos é a caminho do Federalismo? Mas "nessa" já estamos. Não somos já um estado federado germãnico? Ainda não? Mas não deve faltar muito. É preciso é calma.
Eu não quero
Eu não quero nenhum federação Europeia.
Nós não somos os estados unidos que no máximo fala-se duas línguas.

Na segunda guerra mundial eram todos inimigos, hoje andam aos beijos e aos abraços.
Isto não funciona assim.

Portugal deveria estar com a confederação lusófona e não com a Europa. A Europa fez diminuir a nossa industria, fez perder a cultura agricula, e faz perder dia para dia a nossa língua.

Hoje, na rádio em 2 frases ouve-se uma palavra inglesa.

O estado português é fraco, muito fraco
O povo Português não é fraco,é bastante fraco
O povo Português tem lutado constantemente pela liberdade , mas por mais que me doa esta liberdade tem nos levado ao estado que estamos.

  Temos um governo de patos e uma republica de macacos.
Temos uma cambada de amigos e comparsas a discutirem o preço da batata na assembleia.

Eu não sei o que vocês pensam disto, mas eu penso assim e não gosto.

Dia para dia tenho me virado para um Portugal mais Monárquico,mais soberano, mais patriota,mais democrático.
A monarquia tem ganho pontos na Europa, só se formos cegos é que não vemos isso.
Acho que precisamos do Rei para Unir a lusofonia e trazer Portugal de novo ao topo.

Talvez seja parvo ao pensar isto, mas esta republica já me fez de idiota em fazer me acreditar nela.
Re: Eu não quero Ver comentário
Re: Eu não quero Ver comentário
Re: Eu não quero Ver comentário
Re: Eu não quero Ver comentário
Governo de estrangeiros?
Federalismo seria sermos governados por estrangeiroa.
    Mas nós estamos - agora - a ser governados por estrangeiros. Gostam?
    Não é disto que a esmagagora maioria dos portugueses deseja.
                          António José de Matos Nunes da Silva
7P
O federalismo pode pegar com países que não tem legado histórico mundial como é o caso dos países nórdicos ou mesmo dos países de leste, agora nunca funcionará nos países da Europa ocidental, a federação europeia a acontecer será apenas por questões de interesse maior e estará sempre a prazo.
Países como Portugal com uma tradição independente de há mais de 900 anos nunca caberá nessa federação ou caldinho europeu de interesses.
Caso os políticos portugueses tenha essa insensatez de levar o país para esse caminho, certamente haverá rebeliões e fortes neste país chamado de "brandos costumes".
Re: 7P Ver comentário
Re: 7P Ver comentário
Crise aproxima Europa do totalitarismo
Federalismo? Só podem estar a brincar. Os europeus nunca aceitarão uma Europa federal sem ser consultados. Do modo como está a ser construída, forçando os povos a aceitar algo que não querem, o resultado só pode ser um: guerra.

Deixemo-nos de inevitalidades fabricadas por utópicos sem o mínimo contacto com a realidade. Adenauer foi mais bem recebido na Grécia, após o final da Segunda Guerra Mundial, do que Merkel. O ressentimento que esta crise gerou entre povos do norte e do sul, com culturas e modos de pensar diferente, vai levar anos a ser esquecido.

Preparem mas é o fim ordeiro da UE antes que os extremismos se acentuem. Na Grécia o partido neo-nazi já é o terceiro nas sondagens. Todos os dias são perseguidos imigrantes... isto não traz nada à memória dos lunáticos de Bruxelas?

Cada vez me convenço mais que o futuro passa por sair desta Europa de loucos.
FEDERALISMO SIM!!!!!
Que venha o federalismo quanto antes,que é a melhor solução para a Europa.Sem isso,os europeus nunca mais se entendem.Quem tem medo do federalismo???
Re: FEDERALISMO SIM!!!!! Ver comentário
É ISSO MESMO:
Não há nada melhor, do que lermos alguns comentários, para nos apercerbemo-nos da quantidade de TRAIDORES QUE HÁ NO NOSSO PAÍS. Precisamos com urgência de outro 01-12-1640.
    VIVA PORTUGAL, VIVA A RAÇA PORTUGUÊSA Antiga.
Soberania ou Subserviencias
Os Estados africanos, que assinaram em 1992 a Declaração de Túnis, afirmaram que não se pode prescrever um modelo determinado a nível universal, já que não podem se desvincular as realidades históricas,normas,valores de cada nação. Recentemente, inúmeros antropólogos vêm criticando o conceito de CULTURA, apontando o quanto ele pode contribuir para a estereotipação do outro. Classificar toda a diversidade de práticas e interpretações do outro como CULTURA é reducionista, pois só vê o exótico e o tópico.
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub