1
Anterior
Trator que nunca saiu da aldeia notificado para pagar portagens
Seguinte
Aumenta lista de manifestações antitroika
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Crime nos Alpes teve origem no Reino Unido

Crime nos Alpes teve origem no Reino Unido

Ex-piloto da Força Aérea inglesa que encontrou os corpos diz que se deparou com o cenário de um filme de Hollywood.
com BBC |
«Só agindo junto com a polícia inglesa conseguiremos descobrir a verdade»
«Só agindo junto com a polícia inglesa conseguiremos descobrir a verdade» / Getty

As autoridades francesas acreditam que a "razão" para os homicídios da uma família britânica nos Alpes, em França, tem origem no Reino Unido.

"Não temos dúvidas de que as causas tiveram origem aqui. Só agindo junto com a polícia inglesa conseguiremos descobrir a verdade", disse hoje, em conferência de imprensa em Londres, Eric Maillaud, o procurador francês responsável pelo caso.

Brett Martin, a pessoa que encontrou os corpos, disse à BBC que se deparou com o cenário de um filme de Hollywood". Quando passava pelo local e viu, ao longe, o carro com os três corpos, pensou que se tratava de um acidente. 

"A princípio pensei que tinha havido um acidente entre um ciclista e um carro, mas havia coisas que não batiam muito bem. A bicicleta do ciclista não estava ao lado ele e fui começando a perceber que alguma coisa não estava bem", disse.

O ex-piloto da RAF (Royal Air Force) contou que, enquanto ajudava Zainab al-Hilli, uma das filhas do casal morto, teve medo que ainda estivesse no local um maluco com uma arma.

"Parecia um filme de terror, como se alguém tivesse dito 'corta', mas infelizmente tratava-se da vida real", frisou.

Zainab, de sete anos, e a sua irmã Zeena, de quatro, são as únicas sobreviventes do massacre. A menina mais nova está em Inglaterra, ao cuidado da Segurança Social, e Zainab permanece internada em França.

 

 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
mmmm zainabs ???
isto cheira a crime de honra pakistani way
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub