0
Anterior
E-Waste (com fotogaleria)
Seguinte
Promessas por cumprir
Página Inicial   >  Blogues  >  Estou cá c’uma Gana  >   Crianças prostitutas

Crianças prostitutas

O fenómeno da prostituição infantil atravessa uma preocupante fase de crescimento no Gana. É uma antítese que se alastra pelas ruas e becos de Accra: muitos jovens sobrevivem à custa da profissão mais antiga do mundo.
|
Projecto de cartaz da campanha contra a prostituição infantil

Um estudo conduzido pela Organização Internacional do Trabalho desvenda uma realidade alarmante, traduzindo a gravidade do problema em números: 125 bordéis só na região da Grande Accra, com jovens com idades a rondar os 12 anos.

Que há homens que desejam e procuram os serviços destes jovens, (infelizmente) já sabemos. Mas o que é que leva crianças que ainda nem 10 anos têm (as mais novas têm 9, segundo o estudo supra mencionado) a dedicarem-se a esta actividade?

Além dos factores mais óbvios, entre os quais estarão a pobreza e a falta de apoio familiar, encontramos um tridente de outras causas que contribuem para este triste cenário:

1. Práticas tradicionais: os casamentos forçados e, muitas vezes, precoces, implicam frequentemente a existência de um dote, sendo que as noivas são forçadas a encontrar meios económicos para o conseguir. Outra prática frequente em áreas mais remotas é o trokosi, que consiste na oferta, por parte de alguém que tenha cometido um crime, de uma jovem rapariga da família a uma espécie de santuário, como "indemnização". Uma vez internadas, estas raparigas são alvo de exploração sexual às mãos de "profetas" e, quando libertadas, tendem a enveredar pelos caminhos da prostituição.

2. Medo de estigmatização: as crianças alvo de exploração sexual não reportam a situação às autoridades locais, com receio de serem estigmatizadas pela sociedade.

3. Turismo sexual: há uma percepção cada vez maior de que o Gana é um país seguro para pedófilos satisfazerem os seus desejos, devido aos fracos mecanismos de protecção e reacção da legislação ganesa contra este problema.

Outros estudos indicam, ainda, que os jovens dispõem de quartos para desempenharem a sua actividade, cedidos por um senhorio, que tratam por "pai". Várias raparigas afirmaram que serviam cerca de 10 clientes por dia e que parte significativa do dinheiro que recebiam ia parar às mãos do senhorio, como pagamento pela cedência dos quartos.

Este é outro dos casos sobre o qual nos estamos a debruçar presentemente. É um problema que extravasa fronteiras, sendo que a extinção do mesmo é uma meta virtualmente inatingível. Porém, é possível tentar (ou melhor, sonhar, já que o trabalho desenvolvido nesta área é feito disso mesmo, de sonhos) diminuir os seus efeitos e procurar entidades responsáveis. É com esse objectivo que estamos a preparar uma campanha que será lançada no Dia Mundial do Turismo, 27 de Setembro, cujas comemorações deste ano terão lugar no Gana, com vista a sensibilizar a comunidade mundial para o problema e a pressionar o Governo ganês a ratificar o já assinado (em 2003) Protocolo Facultativo para a Convenção dos Direitos da Criança sobre venda de crianças, pornografia e prostituição infantil.

Keep on dreaming, já sei. Mas sonhar não custa. O sonho comanda a vida, como dizia o outro, e o nosso sonho pode mudar a vida de muitas crianças. Para que deixem de ter de trabalhar à noite, para poderem voltar a ter aquilo que ela traz de melhor: sonhos.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub