16 de abril de 2014 às 10:45
Página Inicial  ⁄  Atualidade / Arquivo   ⁄  Crianças algarvias já têm Magalhães

350 computadores distribuídos no Algarve

Crianças algarvias já têm Magalhães

Portimão, Albufeira e Faro fazem parte da lista de privilegiados que receberam hoje os primeiros computadores portáteis Magalhães. Com um custo máximo de 50 euros, os pequenos 'laptops' não são (só) para brincadeiras... (Veja o vídeo no fim do texto)
Mário Lino, correspondente no Algarve
A escola EB1 Coca-Maravilhas recebeu 200 mini computadores Mário Lino A escola EB1 Coca-Maravilhas recebeu 200 mini computadores

Tem o Windows, 1 Gigabyte de RAM, 30 Gigas de disco, câmara de vídeo, folha de cálculo, processador de texto, Powerpoint e até o Messenger. Por incrível que pareça e a um preço máximo de 50 euros, o Magalhães tem tudo.

Com uma autonomia de seis horas, o novo computador começou hoje a ser distribuído também no Algarve. "Fomos a única região do país a conseguir ter três escolas com computadores logo no dia do arranque", diz orgulhoso Luís Correia, director regional de Educação do Algarve.

A primeira delas foi a EB1 Coca-Maravilhas, em Portimão, que esta manhã recebeu perto de 200 mini-computadores portáteis. No Algarve, a tarefa de distribuição ficou a cargo do secretário de Estado da Administração Local, Eduardo Cabrita.

"Vocês sabem quem foi Magalhães? Deu a volta ao mundo, não foi?", pergunta a uma plateia de crianças que não largam os PC miniatura que têm ao colo. "Vocês, com este Magalhães, vão navegar muito mais, vão chegar a toda a informação, para aprenderem mais e melhor", assegura.

"Nós às vezes trabalhamos no Governo em coisas muito abstractas, mas aqui sentimos mesmo que estamos a mudar o Mundo", confidencia, fazendo a defesa do programa do Governo. "No 1.º ciclo, terem um computador é um mundo completamente novo e isso quer dizer que as prioridades que estabelecemos há quatro anos estão a ser realizadas", declara perante as crianças, embora algumas estejam mais atentas aos jogos do portátil.

"Ah, é verdade! E com este computador, só podem jogar se fizerem os trabalhos de casa - "mo work, no play", diz satisfeito o governante, revelando uma das funções do pequeno portátil.

O salto tecnológico que faz as delícias dos mais novos, deixa aliás o Governo tão ou mais contente do que as próprias crianças. "Esta é uma prioridade que vale a pena" - enfatiza o secretário de Estado - "que vai produzir efeitos daqui a 15 ou 20 anos, para estarem ao nível dos melhores em qualquer parte do mundo", diz Eduardo Cabrita.

Só no Algarve, durante o dia de hoje, foram distribuídos perto de 350 computadores, já que para além de Portimão (que tem o 1º ciclo e jardim de infância), também Albufeira (escola de Vale Carro) recebeu 130 e Faro 22 (escola da Ilha do Ancão).

Os Magalhães destinam-se a todas as crianças do 1.º ao 4.º anos, entre os 6 e os 10 anos, e deverão chegar a todos os estabelecimentos de ensino até ao final de Dezembro, segundo as estimativas do Governo.

"Está dependente, sobretudo, da capacidade de produção da fábrica, não é uma questão orçamental", esclarece o secretário de Estado. Sem desvendar qual o modelo de negócio, ou a parte que cabe ao Estado suportar nos custos de produção, Eduardo Cabrita adianta apenas que no projecto 'e-escolinhas' também as operadoras de telecomunicações têm um forte papel a desempenhar.

Optimus, Vodafone, TMN e Zon são os quatro fornecedores de acesso à Internet que comparticipam no custo do Magalhães, mas ao contrário dos outros computadores do programa 'e-escolas', aqui os preços dos computadores não estão dependentes do acesso ou fidelização à Internet.

Em Portimão, o município decidiu, para já, cobrir os custos - cerca de 500 mil euros -, para que todos os alunos do 1.º ciclo tenham acesso grátis à Internet durante nove meses.

Dependendo dos escalões de acção social, os computadores portáteis Magalhães podem custar entre 50 e 20 euros, e no escalão mais baixo são totalmente grátis. Segundo as estimativas do Governo, até ao final do ano deverão ser colocados nas escolas perto de 500 mil Magalhães, dando assim a volta, se não ao Mundo, pelo menos a todos os alunos do 1.º ciclo do ensino básico.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Parabens
ao que me parece ser uma excelente iniciativa por parte do nosso governo. Na escola dos meus filhos ainda não chegaram, nem a escola a tempo inteiro, mas a esperança é a ultima a morrer... pelo menos até Dezembro...
Portugal é um colosso; está tudo grosso!!!
Acesso grátis à Internet durante nove meses?
E, já agora, podem os pais proibir os filhos de aceder à internet, como há alguns que os proibem - a meu ver bem, dado o lixo exibido na televisão - de ver a pequena caixa mágica?
Ou para os meninos não se sentirem diferentes uns dos outros vão todos que comer da Floribela, dos Morangos com Açúcar e de toda a espécie de sites que prolifera na Internet?
E quem não o fizer está infoexcluído! "Então tu não tens um perfil no hi5 com mais de 400 amigos? És mesmo tótó! Olhó tótó, olhó tóto!" E quando os meninos sem pais com instrução suficiente lhes perguntarem dúvidas relacionadas com "fazer os trabalhos de casa no computador", em vez de ser no caderno, quem vai dar as respostas? Serão os pais quase analfabetos? Ou serão os pais ricos, com instrução? Isso não vai aumentar as diferenças sociais no "domínio das competências informáticas", em vez de as diminuir? O Sócrates e a cambada pensaram nisto ou andaram a drogar-se?
Eu se fosse pai de uma criança do 1º ciclo dizia-lhe já: "Vais mas é devolver isso imediatamente! Computadores há cá em casa! A professora que te mande TPC e que sejam por escrito no caderno!".
É impressionante! Mas é mesmo verdade que estão a dar, ou a vender a um preço razoável, seja lá o que for, computadores a alunos da escola primária??? Não, Portugal é um colosso; está tudo grosso!!!
Que cheiro a Microsoft...
Esta seria uma oportunidade soberana para apostar no software livre.

Mas em vez disso, o nosso 1º decidiu dar um empurrão ao seu velhos companheiro do clube, o Abílio Portões. A Microsoft vem, desde à muito, apostando na estupidificação do utilizador. Quanto menos ele entender o que está por detrás do software, menos capacidade terá para mudar para uma solução alternativa, Linux, OsX (que não é gratuito), openoffice, etc.

Mas o nosso Sócrates decidiu alargar a estupidificação às nossas crianças. E ainda com o apoio dos contribuintes.

Só faltava enfiar-los dentro de sacos do PS, ao estilo do Alberto João Jardim.
Controlo parental... eheheheh
Fartei-me de rir quando a SIC na escola dos 'magalhães' - que deviam ter controlo parental ad extremis... - ao clicar 'gatas' no Google... apareceram umas moçoilas todas muito roliças que, do animal em questão não tinham nada!!!!
tudo ao contrário neste triste país
computador para quê? Quando começarem os assaltos nas imediações das escolas vai ser fantástico... os pais que se cuidem!
blue o profeta da desgraça Ver comentário
Re: Blue Ver comentário
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub