3
Anterior
Especulações sobre a sucessão de Chávez
Seguinte
Tejo, o último segredo do surf
Página Inicial   >  Blogues  >  Courrier Internacional  >  Cozinhar com canábis

Courrier Internacional

Cozinhar com canábis

Com a abertura de um restaurante que serve comida com "temperos especiais", parece que a canábis está a ter o seu momento de glória na cozinha.
O restaurante Earth Dragon Edibles, em Ashland, Oregon
O restaurante Earth Dragon Edibles, em Ashland, Oregon /  Foto D.R.

A bonita cidade de Ashland, no sul do estado de Oregon, foi notícia em finais de abril, devido à inauguração de um restaurante especializado num tipo especial de cozinhados. A situação jurídica da culinária com canábis, servida pelo restaurante, é bastante ambígua.

O estado de Oregon, assim como outros 15 estados e a cidade de Washington, permite o uso da marijuana para fins medicinais. (Legislação semelhante aguarda aprovação numa dúzia de outros estados.) A polícia local afirma que o Earth Dragon Edibles - um nome longe de soar a hippies - está a infringir a lei, mas as notícias relatam a abertura do restaurante "sem incidentes".

Os clientes aparentemente sóbrios - ou "pacientes", como devem ser conhecidos - pareciam interessados. Um deles, um antigo polícia com uma bela barba branca e uma t-shirt com padrão tie-dye, disse: "Conheço os lados maus e os lados bons da marijuana, e sou deficiente há 30 anos e, até agora, ela tem-me salvado a vida". O que é animador.

A cozinha com marijuana tem uma longa e nobre tradição. Misturada com amêndoas moídas, leite e açúcar numa bebida chamada "bhang", é usada em rituais religiosos em grande parte do norte da Índia. As receitas chinesas com marijuana remontam ao século VII a.C., e Bartolomeo Platina incluiu uma receita para "uma bebida saudável de néctar de canábis" no primeiro livro de receitas impresso do mundo, o "De Honesta Voluptate et Valetudine" ("Do Prazer Honesto e da Saúde"), publicado em 1475.

Leia mais na edição de junho do Courrier Internacional, hoje nas bancas


Opinião


Multimédia

Retrato político de um país livre

Traçámos um mapa partindo dos resultados das eleições para a Assembleia Constituinte de 1975 e dos resultados das últimas eleições legislativas em 2011. O que mudou ao longo desse tempo? Como é que cada concelho votou em 1975 e em 2011? E como evoluiu a abstenção? Clicando sobre o ano e depois sobre os concelhos, no mapa ou no filtro, surgem as respostas.

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
PARA ENTRADA PODE SER!
Um pate de coca, acompanhado de um drink de ópio!
As drogas
têm o poder de ajudar a manter o grande provo no brete e, na atualidade, um rendoso negócio que parece estar nas mãos de traficantes, que só parecem foras-da-lei, caçados pelos organismos legais. Nada mais ilusório, pois o caminho da droga é de enorme interesse das grandes potências, encenação que mantém a atenção focada no assunto e longe da verdade. Uma falsa batalha contra o crime organizado. É um arsenal de dinheiro fácil, que pode ser aplicado sem constrangimentos e, no mesmo passo, uma forma de dominar os miseráveis. Tanto é verdade que, um dos maiores traficantes do planeta, é figura frequente na lista da Forbes. O cálculo da fortuna no homem seria feito de modo indireto, o que é uma deslavada mentira. Na verdade, há dados precisos que o poder constituído sabe de antemão, pois é o sócio oculto no negócio. Legalizar o uso da droga é legalizar o dinheiro oriundo do lucro da venda e, portanto, uma forma de controlar quem e o quê. Ora, o primeiro a não querer é justamento o Poder, para não precisar explicar como e quando usa o imposto auferido. A lógica é deixar como está e ter um exército de pistoleiros à soldo, para o que der e vier. E montanhas de dinheiro sem origem precisa, que verte ao lado da circulação legal. Só não vê quem acredita piamente numa democracia de sinceridades. Rio Grande
Reputação
Como é quase do conhecimento geral a canabis tem virtudes em curar ou minimizar o efeito desgastante de muitas doenças.Os interesses da industria quimica e do narcotráfico das drogas ditas duras e o estado de dependencia dos seus consumidores como clientes perpétuos tem impedido a legalização da canabis.Por vezes até parece que a unica droga maligna é a canabis,mas, de facto tudo tem a ver com lucros.A canabis é uma planta que se reproduz com facilidade e isso não é bom para o submundo que vive por conta do trafico.
 
Comentários 3 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub