3
Anterior
Especulações sobre a sucessão de Chávez
Seguinte
Tejo, o último segredo do surf
Página Inicial   >  Blogues  >  Courrier Internacional  >   Cozinhar com canábis

Courrier Internacional

Cozinhar com canábis

Com a abertura de um restaurante que serve comida com "temperos especiais", parece que a canábis está a ter o seu momento de glória na cozinha.
O restaurante Earth Dragon Edibles, em Ashland, Oregon
O restaurante Earth Dragon Edibles, em Ashland, Oregon / Foto D.R.

A bonita cidade de Ashland, no sul do estado de Oregon, foi notícia em finais de abril, devido à inauguração de um restaurante especializado num tipo especial de cozinhados. A situação jurídica da culinária com canábis, servida pelo restaurante, é bastante ambígua.

O estado de Oregon, assim como outros 15 estados e a cidade de Washington, permite o uso da marijuana para fins medicinais. (Legislação semelhante aguarda aprovação numa dúzia de outros estados.) A polícia local afirma que o Earth Dragon Edibles - um nome longe de soar a hippies - está a infringir a lei, mas as notícias relatam a abertura do restaurante "sem incidentes".

Os clientes aparentemente sóbrios - ou "pacientes", como devem ser conhecidos - pareciam interessados. Um deles, um antigo polícia com uma bela barba branca e uma t-shirt com padrão tie-dye, disse: "Conheço os lados maus e os lados bons da marijuana, e sou deficiente há 30 anos e, até agora, ela tem-me salvado a vida". O que é animador.

A cozinha com marijuana tem uma longa e nobre tradição. Misturada com amêndoas moídas, leite e açúcar numa bebida chamada "bhang", é usada em rituais religiosos em grande parte do norte da Índia. As receitas chinesas com marijuana remontam ao século VII a.C., e Bartolomeo Platina incluiu uma receita para "uma bebida saudável de néctar de canábis" no primeiro livro de receitas impresso do mundo, o "De Honesta Voluptate et Valetudine" ("Do Prazer Honesto e da Saúde"), publicado em 1475.

Leia mais na edição de junho do Courrier Internacional, hoje nas bancas


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
PARA ENTRADA PODE SER!
Um pate de coca, acompanhado de um drink de ópio!
As drogas
têm o poder de ajudar a manter o grande provo no brete e, na atualidade, um rendoso negócio que parece estar nas mãos de traficantes, que só parecem foras-da-lei, caçados pelos organismos legais. Nada mais ilusório, pois o caminho da droga é de enorme interesse das grandes potências, encenação que mantém a atenção focada no assunto e longe da verdade. Uma falsa batalha contra o crime organizado. É um arsenal de dinheiro fácil, que pode ser aplicado sem constrangimentos e, no mesmo passo, uma forma de dominar os miseráveis. Tanto é verdade que, um dos maiores traficantes do planeta, é figura frequente na lista da Forbes. O cálculo da fortuna no homem seria feito de modo indireto, o que é uma deslavada mentira. Na verdade, há dados precisos que o poder constituído sabe de antemão, pois é o sócio oculto no negócio. Legalizar o uso da droga é legalizar o dinheiro oriundo do lucro da venda e, portanto, uma forma de controlar quem e o quê. Ora, o primeiro a não querer é justamento o Poder, para não precisar explicar como e quando usa o imposto auferido. A lógica é deixar como está e ter um exército de pistoleiros à soldo, para o que der e vier. E montanhas de dinheiro sem origem precisa, que verte ao lado da circulação legal. Só não vê quem acredita piamente numa democracia de sinceridades. Rio Grande
Reputação
Como é quase do conhecimento geral a canabis tem virtudes em curar ou minimizar o efeito desgastante de muitas doenças.Os interesses da industria quimica e do narcotráfico das drogas ditas duras e o estado de dependencia dos seus consumidores como clientes perpétuos tem impedido a legalização da canabis.Por vezes até parece que a unica droga maligna é a canabis,mas, de facto tudo tem a ver com lucros.A canabis é uma planta que se reproduz com facilidade e isso não é bom para o submundo que vive por conta do trafico.
 
Comentários 3 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub