1
Anterior
Comunidade Vida e Paz precisa de ajuda urgente
Seguinte
Estudantes de Medicina Dentária de Lisboa em greve
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Costa mete mãos à obra

Câmara de Lisboa

Costa mete mãos à obra

No dia em que o empréstimo foi definitivamente votado, António Costa vira uma página do mandato e apresenta o plano para 2008.

|
Para 2008, Costa promete fazer mais,com menos dinheiro
Para 2008, Costa promete fazer mais,com menos dinheiro / Tiago Miranda

O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, apresentou na manhã de terça-feira o orçamento e o plano de actividades para o próximo ano. Curiosamente, a sessão pública ocorreu poucas horas antes de a Assembleia Municipal ter repetido a votação da deliberação que permite contrair um empréstimo de 400 milhões de euros.

Para 2008, Costa promete fazer mais, o que não é difícil, com menos dinheiro. A despesa será reduzida em 32 por cento. O município vai governar-se com 546 milhões de euros, quando no ano em curso inscreveu 799. Particularmente significativa é a diminuição das receitas extraordinárias. Para este ano estavam previstos 312 milhões; em 2008 serão apenas 45. A execução desta rubrica explica a queda abrupta. Neste momento, em pleno Dezembro, a receita extraordinária "é praticamente zero", disse Costa aos jornalistas. "O próximo orçamento vai acabar com a fantasia das receitas extraordinárias empoladas", acrescentou.

Costa tem agora a casa arrumada. Está confiante na luz verde do Tribunal de Contas ao empréstimo junto da Caixa Geral de Depósitos para saneamento financeiro. E segundo o líder socialista, o município já saiu de uma zona vermelha, que era o excesso de endividamento (o que se traduz no corte de transferências de dinheiro por parte do poder central). Quando o novo Executivo tomou posse, Lisboa estava 60 milhões de euros acima desse limite.

A hora das pequenas coisas

No geral, 2008 "não será o orçamento das grandes obras, mas o de coisas absolutamente essenciais para a qualidade de vida na cidade, como a limpeza urbana ou a requalificação das passadeiras", salientou o presidente da Câmara. As pequenas coisas parecem grandes obras face ao último ano de Lisboa.

A criação de parcerias com a Santa Casa da Misericórdia, para a construção de creches e lares de idosos; a construção e reabilitação de escolas do pré-escolar e ensino básico; a venda de 1100 fogos municipais; a reabilitação de bairros; e a redinamização dos jogos de Lisboa são algumas das actividades prioritárias anunciadas. Um ponto merece destaque: os percursos para peões e ciclistas e os corredores verdes da cidade. No próximo ano, serão lançados 85 quilómetros destas vias. O vereador José Sá Fernandes disse que se trata do "orçamento mais verde que Lisboa teve".

Como medidas de sustentabilidade, o Executivo aposta na reestruturação de empresas e serviços municipais; na "clarificação" da relação do município com os avençados e no lançamento do programa Simplis (o Simplex de Lisboa). Como opções estratégicas, a autarquia quer afirmar Lisboa como uma centralidade global (na esteira do papel desempenhado por estes dias com a presidência portuguesa da União Europeia) e inserir a capital na rede de cidades criativas.

Para vincar a importância histórica de Lisboa, em 2008 serão assinaladas três efemérides: a Expo 98; a eleição da primeira vereação republicana (faz 100 anos); e a aprovação da reconstrução da baixa após o terramoto (faz 250 anos).

Apesar das iniciativas anunciadas, 2008 decorrerá sob o signo do rigor: o saneamento das finanças municipais e o cumprimento escrupuloso do orçamento são garantias deixadas por Costa. Uma política que fará mossa nos trabalhadores do município: no próximo ano as despesas com pessoal descerão cinco por cento (e no ponto particular das horas extraordinárias o corte será de 60 por cento).

Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
E OS ACESSORES JURÍDICOS?
Que andam a fazer e a ser principescamente pagos , os Acessores da CML? Eles não sabiam que era ilegal esta decisão? Foi preciso gente de fóra da Câmara a chamar a atenção para essa ilegalidade.É um dos grandes problemas deste País, a incompetência a todos os niveis. Tem de fazer-se nova votação porque os srs. Acessores Juridicos andam nas compras de Natal...só pode !
Comentários 1 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub