0
Anterior
Michael Haneke abriu um túmulo em Cannes
Seguinte
E se no palmarés entrasse Leos Carax?
Página Inicial   >  Dossiês  >  Postais  >  Cannes 2012  >  "Cosmopolis" de Cronenberg, o filme da crise

"Cosmopolis" de Cronenberg, o filme da crise

David Cronenberg mede o pulso ao mundo com uma fábula impiedosa sobre o capitalismo.

|
Robert Pattinson em "Cosmopolis", de David Cronenberg
Robert Pattinson em "Cosmopolis", de David Cronenberg

Cannes 2012 é um festival de filmes de crise em tempos de crise. Disso fala também "Cosmopolis", de David Cronenberg, adaptação ao cinema do premonitório livro que Don DeLillo escreveu em 2003, antecipando os problemas económicos com que o mundo se depara nestes dias. O filme estreia esta noite, em Cannes.

A personagem principal de "Cosmopolis", Eric Packer (Robert Pattinson), caprichoso golden boy de Wall Street, decide atravessar de limusina uma Nova Iorque paralisada por engarrafamentos e estranhas manifestações revoltosas. O presidente americano está de visita à cidade, acabou de morrer um famoso ídolo pop (um rapper sufi cujo enterro se vê na TV), as ruas estão a ferver: a atmosfera é apocalíptica. Packer tem 28 anos. A sua vida é uma cápsula virtual.

Queda no abismo


Nas 24 horas em que a acção decorre, Packer perderá contudo toda a fortuna. Apostou contra uma moeda asiática que não pára de subir na bolsa. Dentro da limusina, Packer vive num mundo controlado e insonorizado. É na limusina que ele recebe a amante do costume (Juliette Binoche), a visita do médico para o check up diário, uma fiel colaboradora na bolsa e ainda outro analista dos impérios da finança que o prepara para o descalabro.

É da janela da limusina que ele encontra por acaso a mulher com quem tem casamento marcado (Sarah Gadon), também presa nos engarrafamentos, dentro de um táxi. E será também de limusina que Packer chega ao local onde se confrontará com Benno Levin (genial papel de Paul Giamatti), um ex-empregado de Packer que entretanto chegou ao fundo do poço e já não tem nada a perder. Se Packer é um capitalismo sobre rodas seriamente ameaçado por doença mortal, Benno é, em simultâneo, o seu oposto e o seu misterioso duplo. Chega a hora de saldar as dívidas.

Filme para dividir


Com "Cosmopolis", Cronenberg teve que enfrentar várias dificuldades. Conseguiria ele adaptar ao cinema a prosa cerebral de DeLillo, num dos seus livros mais herméticos? Resolveria com eficácia problemas de mise en scene num espaço tão concentracionário como uma limusina, onde grande parte do filme decorre? Levaria a bom porto a aposta em Robert Pattinson (que está em praticamente todas as cenas do filme), um ídolo de adolescentes da saga "Twilight" e de um cinema comercial que nada tem que ver com o do realizador canadiano?

Começamos a responder às respostas por Pattinson, que sai incólume. Para o ator britânico, este é o filme de uma viragem de percurso, "numa fase da minha vida em que vou ter que fazer opções e testar-me enquanto ator" - foi Pattinson quem o disse na entrevista com o ator britânico que o Expresso publica amanhã.

Em relação ao resultado do filme, "Cosmopolis" está destinado a dividir. Cronenberg foi fidelíssimo à matéria literária, há diálogos de DeLillo vertidos palavra por palavra e, num espaço tão cerrado, dificilmente se conseguiria filmar o texto (que é abundante) sem recorrer ao uso de campos-contracampos. Na conferência de imprensa desta manhã, o realizador canadiano pareceu antecipar-se às vozes que logo sugeriram que este filme, "necessariamente um mutante híbrido do livro" (Cronenberg), tende para uma versão teatral.

Cronenberg recusa essa aproximação: "para mim, um rosto que fala é ainda a essência do cinema. E o cinema está nas opções de luz, na escala dos enquadramentos, na intenção dos movimentos da câmara, por isso não há nenhum teatro aqui."

Já Pattinson, que deixou a sala a rir ao afirmar que "a interpretação não é suposta ser uma coisa inteligente", sublinhou a entrega total ao método de trabalho do cineasta. Pattinson não tem um papel fácil. A sua personagem passa pelas sevícias de um médico que, de dedo em riste, lhe toca na próstata assimétrica (Cronenberg não abandona a 'assimetria' do seu ponto de vista sobre a sexualidade). Passa pela humilhação de um manifestante irado (aparição de Matthieu Amalric) que lhe atira uma tarte à cara. Tudo se abate sobre a personagem (até uma cena de automutilação), que é carrasco e vítima do mundo que criou. Cronenberg insistiu depois num ponto: "Eric Packer não simboliza o capitalismo. Não simboliza nada além do ser humano que é".

Palavra versus ação


"Cosmopolis" é um dos filmes a concurso mais desafiantes de Cannes e a sua proposta é nova em Cronenberg: neste thriller, é a palavra, e não o movimento, que assume a responsabilidade da reflexão. Neste ponto, "Cosmopolis" é quase o inverso de "Crash". Porém, é sobretudo dessa fase de Cronenberg que nos lembramos. Ambos os filmes partilham a mesma visão patológica, mórbida e cruel do mundo contemporâneo. As mesmas pulsões autodestrutivas e o mesmo sacrifício do corpo humano perante o tempo que o rodeia. Ambos partilham, ainda, uma 'ironia da catástrofe' - e a ironia é talvez a única coisa que ainda resta.

Por falar nisso, é irónica a coincidência de "Cosmopolis" com "Holy Motors", a obra-prima de Leos Carax (é a nossa Palma de Ouro) que Cannes exibiu há dois dias. No início do filme de Cronenberg, Eric Packer pergunta-se: "onde será que estacionam todas estas limusinas de Nova Iorque?" O que é curioso é que, em "Holy Motors", onde as limusinas têm também um papel preponderante, Carax responde a Cronenberg. Aqueles bólides infernais que Cannes tanto aprecia estacionam numa garagem que só se pode chamar cinema.


Cosmopolis de David Cronenberg Competição




Opinião


Multimédia

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub