Anterior
Papandreou: eleições antecipadas seriam "catastróficas"
Seguinte
Oposição exige demissão de Papandreu
Página Inicial   >  Economia  >   "Cortar o serviço vai matar o transporte público"

"Cortar o serviço vai matar o transporte público"

Os vereadores dos Transportes da Área Metropolitana de Lisboa asseguram que "cortar o serviço vai matar o transporte público", em resposta às possíveis reduções nos serviços da Carris e do Metro.
Lusa |
Metro de Lisboa poderá vir a fechar mais cedo
Metro de Lisboa poderá vir a fechar mais cedo / DR

Os vereadores dos Transportes dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa asseguram que "cortar o serviço vai matar o transporte público", numa reação às propostas de um grupo de trabalho nomeado pelo Governo para reformular o setor.

"Cortar o serviço é o que vai matar o transporte público, o que deve acontecer é o reforço da oferta e trabalhar do lado da procura", comentou à Lusa Joaquim Santos, coordenador do grupo de vereadores da Mobilidade e dos Transportes dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa, que estiveram hoje reunidos.

No documento elaborado pelo grupo de trabalho nomeado pelo Governo e apresentado na segunda-feira aos municípios, ao qual a Lusa teve acesso, são sugeridos cortes nas carreiras da Transtejo e da Carris, a redução do horário do Metro de Lisboa e a simplificação tarifária. Joaquim Santos, autarca no Seixal, assegurou ter existido "unanimidade generalizada na rejeição sobre as propostas apresentadas".

"Há a criação do novo passe Cidade, mas que para todos os vereadores é insuficiente porque devia ser um passe alargado a toda a Área Metropolitana"


De todas as propostas do documento denominado "Simplificação tarifária e reformulação da rede de transportes da Área Metropolitana de Lisboa", os autarcas encontraram apenas um aspeto positivo, mas "insuficiente".

"Há a criação do novo passe Cidade, mas que para todos os vereadores é insuficiente porque devia ser um passe alargado a toda a Área Metropolitana e não apenas para a cidade de Lisboa. Devia abranger todos os operadores e não apenas o Metro e a Carris", argumentou.

Joaquim Santos salientou como "mais negativo" a "filosofia" da atuação do grupo de trabalho, ao optar por cortar carreiras, como na Transtejo. "Consideramos que é uma situação inqualificável do ponto de vista do serviço às populações ribeirinhas e que vem reduzir em muito a atratividade do transporte fluvial", afirmou.

Falta de apresentação de dados acerca do número de utentes e impactos


Na Carris, o representante lamentou, além das alterações de carreiras, a falta de apresentação de dados acerca do número de utentes e impactos.

Com a redução generalizada do horário de encerramento do metro em duas horas, o responsável referiu as implicações negativas para quem
trabalha depois das 23h e para os que usufruem de "atividades recreativas, culturais e desportivas" à noite.

Ao nível da CP, os autarcas entendem que as alterações propostas "parecem menos complexas à partida". No entanto, "também não conhecemos os dados da procura atual e dos impactos", disse Joaquim Santos.

Os vereadores criticam ainda a criação de um grupo de trabalho quando a Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa tinha adjudicado a uma empresa a análise de um título para todos os operadores.

"Efeito dominó" não foi medido


"As câmaras municipais percebem que é preciso racionalizar, trabalhar a questão do défice e tentar reduzir os custos. No entanto, a abordagem não deve ser feita pelo corte, mas pelo lado da procura", defendeu Joaquim Santos.

O vereador disse ainda que o "efeito dominó" não foi medido, já que, por exemplo, o encerramento do metro na estação Amadora às 21h30 irá afetar os outros transportes que operam nas imediações.

Contactada pela Lusa, fonte da Secretaria de Estado dos Transportes disse que o grupo de trabalho tem um mês para concluir a proposta, que será posteriormente apresentada e debatida pela tutela.

Na segunda-feira, fonte ligada ao processo disse que o prazo para apresentação da proposta de revisão das redes de transportes públicos na Área Metropolitana do Porto foi "prorrogado" por mais um mês.


Opinião


Multimédia

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
"Falta de apresentação de dados"
Estamos em Portugal: primeiro faz-se, depois logo se vê. Eu concordo em pleno com estas medidas, desde que os tais senhores do "grupo de trabalho" prescindam das suas viaturas próprias e passem a deslocar-se exclusivamente através de transportes públicos, mostrando assim, pelo exemplo, de que estas medidas não são impeditivas para o cidadão comum.
Mas que bela Administração tem os transportes.


Isto é uma vergonha, primeiro os Srs admistradores das referidas Empresas Publicas, que ganham altos vencimentos, deixaram isto chegar ao que chegou ( falência) agora em vez de se criar condições e se melhorar os transportes e sensibilizar as pessoas a utilizar mais os transportes publicos, já que se investiu tanto, por ex em autocarros de qualidade, faz se exactamente ao contrário, cortam se os horarios e suprimem se carreiras.
Re: Mas que bela Administração tem os transportes.
Comentários 3 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub