19
Anterior
Furacão Gordon causa prejuízos na agricultura
Seguinte
"Cinco erros crassos que estão a destruir o emprego em Portugal"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Corpos que contam histórias

Corpos que contam histórias

corpos que inspiram, que espantam, que provocam, que marcam sociedades e épocas. Homens e mulheres que moldam o físico para atingirem objetivos. Eis oito mundos debaixo da pele.
|

Ana Sofia, manequim, 25 anos A modelo que inspira jovens

É uma das nossas modelos de topo. O seu cabelo afro e a figura exótica valeram-lhe um contrato com a famosa marca de lingerie americana Victoria's Secret - que já teve a desfilar deusas como Gisele Bündchen, Naomi Campbell ou Heidi Klum. Com um corpo de deusa (82 de peito, 62 de cintura e 92 de anca), o seu novo desafio é a caixinha mágica. Acaba de ser escolhida como a nova apresentadora da MTV Portugal e espera inspirar milhares de africanas. "Os adolescentes afro precisam de heróis."

Carla, prostituta, 31 anos A mulher que se vende por prazer

Há cinco anos despediu-se da família em Minas Gerais, no Brasil, para se instalar num apartamento em Lisboa onde passou três meses na cama de corpo disponível. Veio para dar prazer e enriquecer. Chegou a atender 20 homens num só dia. Foi a vertigem do dinheiro fácil e a atração por uma nova vida de luxúria que a trouxe a Portugal. O incentivo veio da irmã que largara o balcão para cobrar por serviços íntimos. "Dei-me bem. Tenho o dom da sem-vergonhice".

Jorge Cunha, culturista, 36 anos O Mr. Músculos português

Jorge está em baixo de forma. Tem quase mais vinte quilos em cima do que tinha no ano passado, quando subiu ao pódio para receber a Taça de Portugal de culturismo. O grande título português que distingue anualmente o homem com o corpo musculado mais harmonioso do país, atribuído pela Federação Lusa de Cultura Física. Um concurso de beleza para durões. Em que não é o mais forte ou que levanta mais pesos que ganha, mas aquele que com os seus músculos enche mais os olhos do júri.

Alexandre Fernandes, bailarino, 42 anos Um corpo que se eleva ao limite 

Há três anos colocou uma prótese de titânio na anca. Por desgaste. Vinte e três anos a dançar, saltar e sofrer impacto na receção ao solo. Fez parte do elenco do European Ballet, em Londres, e é bailarino principal da Companhia Nacional de Bailado (CNB) desde 1995. Durante os seis anos anteriores à operação, Alexandre dançou com a dor. Agora é um bailarino em reconversão. Não pode continuar a dançar ballet. Tem limitações. Dança hip hop e negoceia a hipótese de ser professor da CNB. Uma passagem de testemunho que não encara como trágica. "Vejo-me no futuro a coreografar e a ensinar."

Betty Grafsteins, empresária, 79 anos A lady das plásticas

Ela é uma criação dele. Uma musa retocada e repuxada em todos os lugares possíveis do corpo para tentar iludir as rugas, as manchas e a flacidez da idade e corresponder aos ideais de beleza de José Castelo Branco. O marchand de arte quer sempre fazer mais algum retoque nela. Só mais um. Aqui e ali. Para que fique "estupendo", para a maquilhagem brilhar mais, os fatos das melhores marcas assentarem como numa manequim e o rosto ficar (quase) perfeito, sem a mácula do tempo. Não dá para contabilizar o número de intervenções a que lady Betty já se submeteu. Nenhum dos dois, o casal mais excêntrico e exuberante do jet set português, sabe ao certo. Muitas. Talvez demasiadas. À beira dos 80 anos, Betty é uma senhora charmosa com uma pele de pêssego num rosto sem idade, mas o esqueleto não consegue esconder o que a pele disfarça. 

Jorge Pina, atleta paralímpico, 36 anos O corredor que não vê

Do olho esquerdo não vê rigorosamente nada. Do direito, vê vultos e algumas cores. Com apenas 10% da visão vai participar este ano nos Jogos Paralímpicos de Londres e, por cá, é instrutor de aulas de RPM, boxe e corrida num ginásio. É um herói. Um bravo. Continua com a mesma forma física que fez dele tricampeão nacional de boxe em três categorias: 67 kg, 71 kg e 75 kg. Há três anos, criou uma associação com o seu nome para ajudar jovens em risco de exclusão. E, com dois outros treinadores, passou a dar aulas de boxe no bairro dos Lóios, em Chelas, para criar pugilistas e homens preparados para a vida. "Quero que se inspirem em mim e fujam dos problemas do bairro."

Júlia Pereira, estudante, 22 anos A rapariga que nasceu rapaz

Há melancolia nos olhos de Júlia melancolia. Nasceu no corpo errado e é hoje legalmente uma rapariga, mas ainda com sexo de rapaz. O conflito começou aos nove anos quando na escola percebeu a razão de brincar como as meninas e de ter por hábito urinar sentada.  Aos 16 foi diagnosticada como transexual e o ano passado alcançou uma nova vitória: a 16 de março de 2011 entrou em vigor em Portugal a nova lei que legaliza a mudança de sexo e de nome próprio. E Júlia passou a ser considerada mulher no BI. Só falta a derradeira transformação: a operação de mudança de sexo. Mas por má sorte o único médico do Serviço Nacional de Saúde que realizava essas operações reformou-se e deixou Júlia e mais 19 transexuais sem cirurgia. Até agora nenhum médico o substituiu. Júlia continua a adiar uma parte importante da sua vida. A não viver a sua sexualidade e a resistir aos seus impulsos. A meio do curso de Artes e Humanidades na Faculdade de Letras de Lisboa, estuda as hipóteses de conseguir fazer a operação no privado, que ronda os 15 mil euros. Para ser a Júlia em pleno.

Ana Malhoa, cantora, 33 anos A coelhinha da "Playboy"

É a pimenta latina da nossa cultura pimba. Ana Malhoa fez esquecer de vez a menina do programa infantil "Buéréré" (que animou as manhãs de sábado e de domingo da SIC, nos anos 90) quando se mostrou em poses sensuais para a revista "FHM" e tirou a roupa para a "Playboy". Desde aí, os seios da cantora permaneceram um tema à solta na Internet. Pela ousadia e pelo novo formato mamário desde que optou por colocar próteses de silicone aos 21 anos, após ser mãe. Como muitas estrelas americanas, tem cada vez menos espaço na pele sem tatuagens. É como se fosse o seu diário de bordo. No braço esquerdo, do lado do coração, tem gravado o nome da filha, do marido e o rosto da mãe (falecida este ano). Nas costas, o rosto de uma pin-up com o dedo na boca. Chama-lhe amuleto. "Não fales mal nas minhas costas, é o que quer dizer." No dedo anelar um "J" de Jorge, o marido, faz a vez da aliança, que deixou de usar. E não se ficará por aqui. "Será um processo ao longo da vida. Que contará a minha história."

Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 19 Comentar
ordenar por:
mais votados
Minha nossa!!!
De profundo mau gosto. Rio Grande
Re: Minha nossa!!!
Re: Minha nossa!!!
Sim, senhor...
Re: Sim, senhor...
Re: Sim, senhor...
Re: Sim, senhor...
Isto está mesmo em crise...
Nenhuma dessas mulheres mostradas me fascinam. Ha mulheres tão belas........
Re: Isto está mesmo em crise...
Aberrações
Da sociedade-
QUE SELECÇÃO!
" No mei caixote do lixo" tenho muito melhor! LOL
Coisas da "Revista"
"Corpos que contam histórias" é matéria de muito mau gosto e não vale a pena falar mais nisso.
O que mais me chocou foi a crónica da última página da "Revista". Sou leitor habitual - e grande apreciador - da crónica do Comendador Marques de Correia que tem sempre espírito quanto baste (acho eu) para fazer sorrir qualquer pessoa, seja de esquerda ou de direita, devido às situações que apresenta, as quais, sendo humorísticas, não deixam de conter realidades.
Porém, esta semana a última página da "Revista" foi emporcalhada por um indivíduo que diz chamar-se "Gervásio, o bisneto que substitui o Comendador nas férias deste". Não acredito que o Comendador "himself" tenha encarregado o seu bisneto Gervásio de fazer aquela bosta. Se a croniqueta pelo menos tivesse algum humor ainda poderíamos perdoar o "descuido" do infante Gervásio. Mas não, aquilo é apenas um chorrilho de
insultos gratuitos, que só deveriam ser debitados num sanitário e descarregados por um bom autoclismo.
Espero que o Comendador venha de férias em breve, para não termos que aturar mais o menino Gervásio (jotinha?)
e para que a crónica semanal volte a provocar-nos uns sorrisos.
hum...
isto é o que se pode chamar.. uma mixordia de temáticas...
Tristeza...
Quem te viu Ana... quem te viu...
Corpo com história
No dia que conheci a minha mulher, foi nua como o dia em que nascera. Fitei-a de boca aberta. Ali, no cimo das escadas, estava a mulher que eu amava. Vestida seria esplêndida. Nua era uma perfeição. Peitos grandes, estômago saliente, coxas magnificas, ela tinha tudo com que sempre sonhei e, o que era melhor, estava nitidamente em perigo, se alguém a visse naquele estado: volumoso.
Re: Corpo com história
Outros corpos.
Querem mesmos histórias de corpos ou corpos com histórias ?Então tem de ser muito mais criativos.Isto é puro lixo.
Parabéns ao Expresso por perpetuar preconceitos
Fascinante o Expresso, para o caso de uma prostituta, ter-se dads ao trabalho de escolher uma brasileira...
Convém a imprensa ajudar a perpetuar esterotipos e preconceitos. Continuem o bom trabalho...
As disfunções do ser humano.
Quantos casos para a psiquiatria!
Comentários 19 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub