Anterior
Fundos de pensões com ganho de 2,8%
Seguinte
Sonaecom com lucro de €200 mil no trimestre
Página Inicial   >  Economia  >   Construtoras deverão crescer mais de 10% nos próximos dois anos

Construtoras deverão crescer mais de 10% nos próximos dois anos

A internacionalização do sector deverá potenciar um crescimento na casa dos dois dígitos até 2010, refere um estudo da ANEOP e da Deloitte.  
|

As empresas de construção e obras públicas prevêem crescer mais de 10% nos próximos dois anos, avança um estudo da ANEOP- Associação Nacional de Empreiteiros de Obras Públicas e da Deloitte .

"Mais de 75% das empresas portuguesas de construção e obras públicas considera que vai ter um crescimento superior a 10% nos próximos dois anos devido ao aumento do peso das receitas nos mercados externos", refere um comunicado-conjunto das duas consultoras.

A maioria das empresas pretende reforçar a sua presença nos mercados externos onde actua, sendo que "nenhuma delas pondera a possibilidade de abandoná-los", acrescenta o estudo.

África continua a ser o mercado preferencial das construtoras portuguesas, que têm nos países de língua oficial portuguesa ( PALOP ) - sobretudo Angola - o seu ponto estratégico para a internacionalização. Em segundo lugar, surge a América do Sul, com 60% das empresas inquiridas a considerarem-na um mercado muito atractivo.

Na Europa, quase metade das empresas (47%) elegem Espanha como destino de eleição, devido à proximidade geográfica e mercados que registem crescimentos acima da média nos últimos anos - como a Irlanda e alguns países do Leste.

O estudo 'O Poder da Construção em Portugal - Impactos em 2009 e 2010' frisa que entre 2000 a 2003, as receitas do sector com origem externa apresentaram um crescimento médio anual na ordem dos 8% e, entre 2004 e 2007, esse valor já se fixava nos 35%.

 


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Não admira...
Com os projectos megalómanos que aí vêm, como o TGV, o novo aeroporto e a nova ponte, quem ganha são as construtoras. Aliás em Portugal, quem ganha são sempre os mesmos. Em regime de alternância, mas são sempre os mesmos. Continua a ser bom ser cliente do Estado. O Estado é amigo certo de uns quantos. E normalmente nunca falha. O pior é que a generosidade do estado é feita com dinheiro de todos nós, mas que só beneficia alguns.
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub