20 de abril de 2014 às 1:37
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Desporto  ⁄  Euro 2012  ⁄  Como um espanhol conseguiu ajudar no resgate a 11 alemães

Como um espanhol conseguiu ajudar no resgate a 11 alemães

Alemanha e Dinamarca estavam empatadas, jogo não tinha grandes ocasiões e árbitro Velasco Carballo assumiu o protagonismo ao não assinalar um penálti (e expulsão) de Badstuber sobre Bendtner. Só aí resistência 'viking' caiu e germânicos partiram o muro da vitória (2-1)
Bruno Roseiro (www.expresso.pt)

Os dinamarqueses são tidos como um povo quente na arte de acolher mas frios na maneira de pensar. E foi assim que a estretégia montada por Morten Olsen conseguiu ir gelando as individualidades de uma Alemanha em noite desinspirada. Até que, aos 75', tudo mudou. De tal forma que os pragmáticos escandinavos terminaram o encontro a fazer algo muito típicos dos latinos - justificar a derrota com a prestação do árbitro.

Mas, verdade seja dita, têm alguma razão. A Alemanha teve mais posse de bola, mais remates, mais uma ou duas oportunidades mas esteve longe do que já produziu. E, numa altura em que um golo afastava os germânicos do Euro (Portugal, a ganhar por 2-1 à Holanda, estava garantido), o árbitro espanhol Velasco Carballo quis assumir-se como protagonista e não assinalou um claro agarrão de Badstuber sobre Bendtner na área que daria penálti e expulsão ao central alemão. Estava feito o resgate à poderosa Mannschaft, que acelerou de novo e fez o 2-1 final pelo herói improvável Lars Bender (substituto de Boateng) 

O MINUTO 80', o golo de Bender. A Alemanha tentava 'matar' o jogo, não conseguia e, na conjugação de resultados bastava sofrer um golo para passar do 1.º para o... 3.º lugar. Quem diria, os germânicos chegaram mesmo a tremer mas o lateral direito adaptado acabou por ser um herói improvável que entrou na área sem pedir licença e fez golo 

O MOMENTO Para os mais pessimistas, mesmo quando a Alemanha estava em vantagem por 2-1 a qualificação não estava garantida - é que, no apuramento para o Mundial de 2010, os 'vikings' também estavam a perder mas deram a volta nos últimos cinco minutos. Por isso, nervos à flor da pele que quase causaram um ataque aos 51', quando Jakob Poulsen rematou muito, muito perto do poste da baliza de Neuer. Aí tudo podia ter mudado 

O HERÓI Aqui, vestido de dupla (mas sem as cuecas à mostra, para não arranjar mais problemas) - Krohn-Dehli e Bendtner. O primeiro conseguiu empatar o encontro - no único período em que a Dinamarca esteve virtualmente nos 'quartos' - aproveitando um lance de bola parada (canto), o segundo fez a assistência para o golo dos escandinavos e ainda conseguiu 'sacar' um penálti do tamanho do mundo que só uma pessoa não viu: o árbitro 

A ESTRELA Podolski. Um dia de festa para o avançado alemão nascido na Polónia, que se tornou o mais novo de sempre a cumprir 100 internacionalizações e celebrou a data com o primeiro golo no torneio, logo com o pé 'menos' forte - o direito

O JOKER Bender. Boateng estava castigado mas, na véspera, fez questão de dizer "uma vez mais" que não era o DJ de serviço da Alemanha. Pelos vistos tinha razão - a música no lado direito da defesa germânica foi diferente, de tal forma que o substituto do jogador do Bayern marcou mesmo o golo decisivo que deu a vitória frente aos dinamarqueses

O VILÃO Hoje, para variar, Gómez. Depois de três golos em dois jogos, foi vítima por não ter tido tanto jogo na zona da frente e culpado por ter desperdiçado duas boas oportunidades para saltar para a liderança dos melhores marcadores. Às vezes parece que nada sai bem e o avançado com sangue espanhol teve um desses dias... 

O SEGREDO O reforço do meio-campo dinamarquês. Morten Olson sabia que todos os elementos no banco não tinham características idênticas às de Rommedahl, que saiu lesionado no encontro de Portugal. Assim, em vez de fazer troca por troca, decidiu causar surpresa alterando a disposição da equipa em campo, fazendo descair Eriksen mais na direita como falso ala e introduzindo Poulsen no centro para dar mais agressividade. A Dinamarca não conseguiu sair tão bem nas transições mas bloqueou o jogo alemão 

O ERRO Torres, Iniesta, Fàbregas, Carballo. Os espanhóis destacam-se maioritariamente pela positiva mas há um, o árbitro, que continua a dar nas vistas apenas pelas coisas más. E depois da desastrosa exibição no encontro de abertura (Polónia com a Grécia), mais um jogo com muitos lapsos, o mais relevante dos quais com influência no marcador - não viu uma grande penalidade de Badstuber sobre Bendtner a 15 minutos do fim, que valeria ainda a expulsão ao central alemão. E o jogo estava empatado... 

O NÚMERO 6, o número de finais da Alemanha em 10 participações em fases finais do Europeu (em 2008, por exemplo, perdeu com a Espanha). Agora parece novamente bem encaminhada para chegar ao encontro decisivo e desequilibrar as contas - tem tantas finais ganhas como perdidas... 

O ACONTECIMENTO A Alemanha conseguiu vingar algo que, daqui a pouco tempo, estará nos jornais como uma das efemérides mais surpreendentes do futebol - vai fazer 20 anos que os jogadores dinamarqueses, que estavam de férias sossegados da vida, substituíram a Jugoslávia no Euro da Suécia e saíram de lá campeões, ganhando na final à poderosa Alemanha com golos de Jensen e Vilfort. Agora, a história foi outra 

O AMANHÃ A Alemanha fecha as contas do grupo B só com vitórias (é a única equipa do Euro nessa posição) e encontra o segundo classificado do grupo A: a Grécia de Fernando Santos. Já a Dinamarca, que tinha relegado Portugal para o 'playoff' de apuramento, sai do Euro com uma vitória e duas derrotas 

FICHA DE JOGO Estádio Arena de Lviv (Ucrânia). Árbitro: Carlos Velasco Carballo (Espanha). Dinamarca: Andersen; Jacobsen, Kjaer, Agger, Simon Poulsen; Kvist, Jakob Poulsen (Mikkelsen, 82'), Zimling (Christian Poulsen, 79'); Eriksen, Krohn-Dehli e Bendtner. Treinador: Morten Olsen. Alemanha: Neuer; Bender, Hummels, Badstuber, Lahm; Khedira, Schweinsteiger; Müller (Kroos, 84'), Özil, Podolski (Schürrle, 64') e Gómez (Klose, 74'). Treinador: Joachim Löw. Golos: 0-1, Podolski (19'); 1-1, Krohn-Dehli (24'), 1-2, Bender (80'). Cartões amarelos: nada a registar

Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
como um alemao conseguiu ajudar no resgate a 11
espanhois......
  nao marcando penalti contra a espanha... e validando um golo onde um jogador da espanha ajeitou com o braço..... esta uefa do platini tem que ser criminalizad a........
  troca de favores... e nomeaçoes de arbitros muito pouco desportivas.....
  um alemao a apitar a espanha e um espanhol a apitar a alemanha...senhor platini demita se
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub