Anterior
Compromisso europeu anima bolsas mundiais
Seguinte
Rompuy pede reunião extraordinária de Ecofin e Eurogrupo
Página Inicial   >  Economia  >   Combustíveis: ANAREC quer low-cost na atual rede de distribuição

Combustíveis: ANAREC quer low-cost na atual rede de distribuição

O presidente da sociação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) receia uma eventual abertura de mais postos de abastecimento.
Lusa |
A ANAREC sustenta que uma  "grande parte" dos 2500 postos existentes em Portugal vive "com sérias e graves dificuldades"
A ANAREC sustenta que uma "grande parte" dos 2500 postos existentes em Portugal vive "com sérias e graves dificuldades" / Nuno Botelho

O presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC) disse hoje recear que a intenção do Governo de aumentar a oferta de combustíveis low cost possa significar abrir mais postos de abastecimento.

"A nossa preocupação é que sejam criados mais postos de abastecimento, porque a proliferação de postos de abastecimento acabará por matar os existentes, analisando a situação dos atuais 2.500, tendo em conta o decréscimo do consumo", disse hoje à Lusa o presidente da ANAREC, Virgílio Constantino.

Em declarações à Lusa, Virgílio Constantino adiantou que os postos de combustível atravessam "gravíssimas dificuldades financeiras", considerando que o mais conveniente é "ajustar a rede existente à oferta low cost, proposta que pretende fazer ao ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira.

Audiência pedida ao ministro da Economia


"Temos uma audiência pedida ao ministro da Economia para perceber qual é a intenção do Governo nesta matéria e propor que o projeto tenha em conta que a rede existente é suficiente", declarou.

Para o porta-voz dos revendedores de combustíveis, "depois de, na passada sexta-feira, o ministro da Economia ter anunciado, na comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas, a intenção de criar uma rede de postos de abastecimento de combustível low cost, a ANAREC reitera o interesse e a disponibilidade de todos os seus associados em dar o seu contributo para a comercialização deste produto low cost nos seus postos de abastecimento".

Virgílio Constantino sustenta que "já existem em Portugal 2.500 postos de combustíveis e que uma grande parte vive já com sérias e graves dificuldades", defendendo que "alargado a toda a rede de revendedores de combustíveis, este produto tornará o setor mais competitivo".

"Falta de competitividade" do setor da revenda 


A ANAREC defende que "através da disponibilização de combustíveis low-cost, através da rede nacional de revendedores, o consumidor poderá passar a adquirir/escolher, nos postos de revenda de combustíveis tradicionais, o produto com o qual quer abastecer o seu veículo".

Desde o início do seu mandato, Virgílio Constantino lamenta a falta de competitividade do setor da revenda de combustíveis, considerando que seria bom para todos os revendedores poderem vender também um produto mais barato nos seus postos de abastecimento.

O Automóvel Club de Portugal (ACP) considerou positivo" o anúncio do Governo da criação de uma rede de postos de combustível low-cost: "No contexto económico em que Portugal se encontra, a criação de uma rede de postos 'low-cost', mais do que um elementar direito do consumidor, é da maior urgência".

No entanto, a organização mostra preocupação sobre a forma como este modelo vai ser concretizado, salientando não ser tempo de "fazer anúncios no ar" e deixar os contribuintes na expetativa.


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados
Oh p'ra eles !!!

Ainda há bem pouco tempo apresentavam queixa contra os super's que praticavam este tipo de negócio. Os combustíveis eram adulterados, não respeitavam as normas XPTO, o que constituia um perigo para os motores.

Agora já querem !!!
Expliquem´cá uma coisa....
Porque é que a Galp proporciona descontos de 22 cêntimos (44 paus) ao terceiro domingo de cada mês* e não baixa o preço dos combustíveis?

Como é que é essa vigarice de cálculos?
Re: Expliquem´cá uma coisa....
Re: Expliquem´cá uma coisa....
Onde é mais barato?
Enquanto a rede low-cost não chega, há formas de saber onde há combustíveis mais baratos:

http://www.pouparmelhor.c...

PouparMelhor
Combustíveis LOW COST
A AECCP, Agrupamento de empresas consumidoras de combustíveis de Portugal, congratulou-se com a “vontade” manifestada pelo Ministro da Economia de lançamento de uma rede de postos de abastecimento de combustíveis “low cost”.

“Desde 2005 temos vindo a lutar contra os inúmeros tentáculos e os interesses instalados das companhias distribuidoras de combustíveis e não só, para implementar um sistema inovador de abastecimento que, trouxesse Vantagens para todos os intervenientes (petrolíferas/distribuidores/empresas consumidoras/consumidor final), reduzindo substancialmente os custos operacionais das empresas, estamos ao lado do Governo neste propósito”, afirmam em comunicado.

A AECCP tinha por plano estratégico o lançamento de oito postos low cost privados até ao final de 2011. Devido a cortes dos bancos e a um cenário indefinido em Portugal para o sector da distribuição de combustível, tal não foi possível. Contudo, o Agrupamento está a erguer o primeiro posto de reabastecimento privativo low cost de Portugal, em Cancela (Santa Cruz, Madeira). Trata-se de uma parceria com a Câmara Municipal de Santa Cruz e a ACIF (Associação Empresarial da Madeira)
Comentários 6 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub