Anterior
14N, nova rede de ativismo contra a violência policial
Seguinte
Menezes é o candidato do PSD à Câmara do Porto
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Colégios apoiados pelo Estado têm custo médio inferior ao público

Colégios apoiados pelo Estado têm custo médio inferior ao público

Uma turma do ensino básico custa menos numa escola pública do que numa privada com contrato de associação. No secundário é o contrário
|

Em média, e entrando em linha de conta com os cortes salariais anunciados e as alterações curriculares para este ano letivo, uma turma numa escola pública custará ao Estado 86.333 euros, em 2013, cerca de mil euros a mais do que nos colégios com contrato de associação. É este o valor apurado pelo grupo de trabalho nomeado em janeiro pelo Ministério da Educação e Ciência e que hoje apresentou as suas conclusões.

Os números devem servir de referência para as verbas que são pagas anualmente a colégios privados que cobrem a falta de vagas na rede pública e que, por esse motivo, aceitam todos os alunos, sem cobrar propinas.

A estes 93 estabelecimentos de ensino que têm os chamados contratos de associação, o Estado está a pagar 85.288 euros por turma, o que representa, em termos médios, menos mil euros do que o custo estimado para uma escola pública.

Mas as contas não são assim tão simples de fazer, alerta o próprio grupo de trabalho, liderado por Pedro Roseta. No ensino básico, o custo de uma turma numa escola pública é inferior em cerca de 10 mil euros ao valor transferido pelo Estado para as privadas com contrato de associação.

A equipa não encontrou estudos anteriores que justifiquem os valores que têm sido praticados para o financiamento destes colégios - e que chegaram a ser superiores a 100 mil euros por turma - nem existe uma "contabilidade analítica" instituída em cada escola. Além disso, o nível de ensino, o tipo de curso (regular ou vocacional), ou a própria região onde se insere a escola influenciam os valores finais.

Por exemplo, uma turma do ensino básico custa bastante menos do que uma do secundário: pouco mais de 70 mil euros no primeiro caso e perto de 89 mil euros no segundo. E uma turma do ensino vocacional fica mais cara ao Estado do que uma do ensino regular.

Outra das conclusões que fica visível no estudo prende-se com o impacto que os cortes salariais na função pública e a retirada dos subsídios (de Natal e de férias em 2012 e apenas um em 2013) tiveram no custo por turma. De igual forma, também a revisão curricular aprovada por Nuno Crato, e que entrou em vigor este ano letivo baixou substancialmente os custos. Houve uma diminuição da necessidade de professores e são os salários dos docentes que acabam por constituir o grosso das despesas, representando cerca de 85% do custo total do ensino.

Para estes cálculos não foram contabilizadas despesas de investimento, nomeadamente com as obras da Parque Escolar e o Plano Tecnológico da Educação. E as contas só entram em linha de conta com as escolas do continente e excluem-se os territórios educativos de intervenção prioritária (que recebem mais recursos) e as escolas com 1º ciclo.

Custos desnecessários


O grupo de trabalho chama ainda atenção para duas conclusões: "o custo elevado do ensino na região Centro" e o tamanho "relativamente reduzido das turmas". Em média, uma turma do ensino básico é composta por 22 alunos e uma do secundário por 21. Ou seja, dizem os autores do estudo, estes factos "indiciam que poderá haver um problema na conceção da rede de escolas, que poderá eventualmente estar a encarecer desnecessariamente o custo com o ensino em Portugal".

O estudo agora apresentado resultado de um compromisso pela tutela junto das associações que representam os colégios com contratos de associação, que têm alegado que o ensino nestes estabelecimentos sai mais barato ao Estado. Cerca de 50 mil alunos frequentam estas 93 escolas privadas que, por receberem financiamento público, têm de aceitar todos os jovens e não podem cobrar propinas.


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 82 Comentar
ordenar por:
mais votados
Abram os olhos aos dinheiros gastos.
Há falta de disciplina nas escolas e os professores do oficial, a maioria, anda lá para encher balões porque não tem mais nada que fazer, para além de faltarem muito.
Re: Abram os olhos aos dinheiros gastos.
Mitos
Lá se vai mais um mito, tão caro à designada esquerda. É possível contratar privados para prestar serviço público a melhor preço. Há que preservar a qualidade......aí é que pode estar a diferença...
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Como é que emagrece o estado?
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
É exactamente o contrário
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Re: Mitos
Lavagem ao cérebro.Não se deive tentar...
Re: Lavagem ao cérebro.Não se deive tentar...
Re: Mitos
Re: Mitos
Privada 'explora' o povo, muito menos que o Estado
Isso só é possível porque o desperdício e maus resultados da Escola Pública são reais e bem conhecidos por quem por lá anda.

E ainda falam que a privada é exploradora!

Afinal quem explora o zé povinho?
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
Re: Privada 'explora' o povo, muito menos que o Es
E porque será que a Isabel Leiria não colocou
no titulo da noticia assim: "O ensino básico tem custo inferior ao privado"?...Faz-me elembrar os ministros que no passado e no presente privatizam tudo e depois são compensados com grandes tachos nessas grandes empresas, que a DECO acaba de contestar....
E o valor que os pais pagam?
Até parece que não tem importância mas o Estado paga o que paga. Mesmo que no público pague um pouco mais na realidade o custo é inferior pois os pais não pagam mais nada. No privado o custo é suportado pelos pais e pelo Estado que como é óbvio não sustenta o colégio sendo a maior parte para pelos encarregados de educação.
Senhores jornalistas: Informem!
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
Re: E o valor que os pais pagam?
?????
..."estas 93 escolas privadas que, por receberem financiamento público, têm de aceitar todos os jovens e não podem cobrar propinas.
Ahahaahah.
Que espécie de imbecilidade é esta?
Nem as escolas ditas públicas aceitam todos os alunos. As melhor classificadas nos rankings como têm muitas solicitações já estão a seleccionar alunos quanto mais estas.
E com a cereja no topo que é não cobrarem propinas! São só mesmo para a creme de la creme da cunha.
Têm as vantagens das privadas e são de borla como as públicas. O melhor de dois mundos.
Aceitam mesmo todos os jovens!!!???
É assim que se enganam os tolos e temos um país de faz de conta.
Re: ?????
Vamos la ver ensino privado
Tem logica que tenha menos custo para o governo que o publico.

Aos os contribuintes vão andar a subsidiar uma escola privada a 100%?

Estas nem apoios deviam receber do estado, como máximo o estado comparticipava o ensino de algum aluno que não possa frequentar o ensino publico.
Re: Vamos la ver ensino privado
Escolas privadas
Não me parece bem, como contribuinte e eleitor, que se ajude a pagar, de alguma forma, a frequência de colégios privados. Numa altura em que a rede publica cobre todo o território nacional ( ao contrário da época em que só havia liceus nas capitais de distrito) quem quer usar o serviço publico usa as escolas publicas, ponto final. Quem não gosta do ensino publico (e note-se que os senhores professores são todos formados nas mesmas universidades e penso que os senhores professores do privado não vem da Sorbonne nem de Oxford) usa o privado. O que não devia acontecer é contribuintes que não têm filhos no privado porque não podem ... ajudem a pagar as regalias dos colégios privados. Quem tem lá os filhos porque quer e não porque seja necessário!!!!! Liberdade de escolha , sim, mas não com a contribuição de eleitores contribuintes que mal ganham para comer. Quem quer escolas privadas, é livre, mas que pague do seu bolso.
Re: Escolas privadas
Privatizem a estupidez, não a educação
Aviso já que não pago a formação de mais um Relvas! Questão: se o privado é financiado pelo público será "privado"?
Re: Privatizem a estupidez, não a educação
Re: Privatizem a estupidez, não a educação
Re: Privatizem a estupidez, não a educação
Re: Privatizem a estupidez, não a educação
Re: Privatizem a estupidez, não a educação
Faltam alguns factos
Esta notícia não explica alguns aspectos relevantes e que influenciam o custo final:
1 - as turmas no privado tem um maior numero de alunos, e muitas vezes ultrapassam o número legal previsto;
2 - o ensino privado emprega muitos professores contratados que recebem menos;
3 - os professores no privado recebem menos e trabalham mais horas que os os professores da mesma categoria do ensino publico ;
4 - as condições das instalações escolares são normalmente inferiores às do público;
5 - a qualidade do ensino é na maioria das situações inferior à do ensino público.
Entendo que estes aspectos devem ser tidos em conta para uma comparação equitativa na comparação de custos.
 
ESQUECEU O MAIS IMPORTANTE,DESCULPE...
QUE BURRICE...BASTA PENSAR...
...POIS SE NUMA TURMA DE 30 ALUNOS,20 PAGAM 200 EUROS/MES (CASO ECONÓMICO),10 ALUNOS SUBSIDIADOS FICARÃO MAIS BARATOS AO ESTADO...E SE O ESTADO TIVER QUE SUBSIDIAR OS 30 ALUNOS ? O CUSTO DISPARA PARA O TRIPLO DO QUE O ESTADO HOJE PAGA...É PRECISO UM DESENHO ?
MAS O POVO GOSTA DE OUVIR SEM PENSAR...
JÁ AGORA, SE GOSTAM DO EXEMPLO ALEMÃO...BASTA SEGUI-LO...

Re: Colégios apoiados pelo Estado têm custo médio
Enfim: lança-se para o espaço mediático mais uma conclusão tão do agrado da direita baixa.

Saber, e explicar, de que bases, de que fundamentos e de que circunstâncias resulta uma tal conclusão é que nada de nada.
Opaisquetemos
EMIGRAÇÃO DE JOVENS AMEAÇA FUTURO DO PAÍS. E O ABANDONO DOS JOVENS QUE FICAM? LER: opaisquetemos.wordpress.com
privados mais baratos
Não me admira. Basta ter um " patrão" para tudo ser diferente.
E na saúde não será o mesmo? Conheço hospitais que funcionam como centros de emprego. Desde administrativos a administradores da " treta"... e depois vem os resultados, quantos morrem como consequencia do internamento?
O Título é enganador
O Estado pagou 85.200 euros por cada turma com contrato no ensino privado. No público, o custo divulgado no estudo feito a pedido do MEC e das associações de escolas privadas projecta um custo a rodar os 70.000 euros para o Ensino Básico. E o título diz que o ensino é mais caro no público. Se pensamos que o dinheiro justifica tudo, então o lógico é só fazer contratos com escolas privadas para ensino secundário. Se o próprio estudo que eles encomendaram diz que o básico é mais barato no público e quando todos sabemos que há MUITAS mais escolas básicas do que secundárias em Portugal não percebo, sinceramente, a lógica deste título. Há mais escolas básicas do que secundárias e há uma diferença de mais de 15 mil e duzentos!!! euros entre escolas básicas públicas (mais baratas) e escolas básicas com contrato e o título diz que as escolas públicas são mais caras?
Onde há uma diferença é entre turmas do secundário em que o público sai mais caro do que o privado (Escolas com contrato 85.200 euros e escolas públicas 89 mil euros). No entanto, os autores do estudo afirmam que não tomaram em consideração uma variável importantes como o facto de as escolas secundárias serem obrigadas a terem turmas de ensino profissional, o que as torna mais caras. Quantas escolas com contrato é que têm ensino profissionalizado e quantas turmas têm? Seria interessante perceber isso de forma a percebermos que serviço realmente prestam a sescolas com contratos. Em nome da clareza que se pretende...
Comentários 82 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub