0
Anterior
Cinema: O crítico entalado
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Cultura  >  Cinema: IndieLisboa  >   Cinema: IndieLisboa premeia filme americano

Cinema: IndieLisboa premeia filme americano

"Ballast" triunfa na 6ª edição do festival de cinema independente. E a curta portuguesa vencedora, "Arena", vai a Cannes. (Veja o trailer de "Ballast" no fim do texto)
|
"Ballast", o vencedor do IndieLisboa

O primeiro filme de Lance Hammer, "Ballast", pode não ser uma obra-prima mas tem um mérito extraordinário: dá voz àqueles que praticamente nunca a têm, sobretudo no cinema americano. Mas este cinema americano também não é um cinema qualquer. Nada tem que ver com o mainstream. "Ballast" é um filme de desolados e deserdados e foi rodado exclusivamente com actores não profissionais daquele delta do Missisipi onde tudo se passa.

E o que se passa é uma uma história de filiação, com uma linha narrativa mínima que gira em torno de James, um rapaz problemático de 12 anos, pobre, negro. Após a morte do pai, James mete-se com traficantes de droga, arranja problemas e a mãe, Marlee, leva-o para junto do tio, Lawrence, procurando refúgio. No entanto, Marlee e Lawrence alimentam uma relação difícil.

"Ballast" desenvolve o conflito das três personagens com o mundo com um raro testemunho de sinceridade e partilha. Venceu no "Indie" o Grande Prémio "Cidade de Lisboa", no valor de 15 mil euros. Resta agora saber se o reconhecimento é suficiente para que o filme possa chegar às salas nacionais.

O "Prémio de Distribuição" foi para uma produção chinesa, "Jalainur", de Zhao Ye. "Ruínas", documentário de Manuel Mozos que antes trouxemos a estas páginas, distinguiu-se na competição nacional e levou o Prémio Tobis para Melhor Longa Metragem Portuguesa.

Na semana em que se soube que "Arena" vai representar Portugal em Cannes, integrando, coisa rara para um filme português, a Secção Oficial das Curtas Metragens do maior festival de cinema do mundo, João Salaviza, jovem realizador com apenas 25 anos (é filho de Edgar Feldman, também cineasta), viu o seu trabalho reconhecido no "Indie" com o "Prémio para Melhor Curta Portuguesa."

Produzido pela Filmes do Tejo, este filme de 17 minutos é surpreendente. A personagem principal, Mauro (Carlotto Cotta), é um rapaz que vive em produção domiciliária (só o sabemos porque se vê a "pulseira electrónica" que ele tem no tornozelo) mas Salaviza não segue o caminho mais fácil e não sublinha o caso social. Pelo contrário, o "cerco" da personagem nasce de um ambiente de tensão próprio de um bairro suburbano (Mauro é roubado na sua própria casa por um pequeno "gang" e depois procura a vingança). E a estrutura, que deixa o drama em suspenso, favorece o aparecimento do "gag", lembrando os primeiros filmes de Takeshi Kitano.

Salaviza junta-se assim a Pedro Costa ("Ne Change Rien"), João Pedro Rodrigues ("Morrer Como um Homem"), João Nicolau ("Canção de Amor e Saúde", outra curta escolhida pela "Quinzena dos Realizadores") e ainda a Mónica Baptista ("Territórios" foi seleccionado pela "Semana da Crítica") na comitiva portuguesa de Cannes.

Palmarés principal do "Indie":

GRANDE PRÉMIO DA LONGA METRAGEM:
"Ballast" (EUA), de Lance Hammer

MELHOR LONGA-METRAGEM PORTUGUESA:
"Ruínas" (Portugal), de Manuel Mozos

PRÉMIO DE DISTRIBUIÇÃO:
"Jalainur" (China), de Zhao Ye

GRANDE PRÉMIO DA CURTA-METRAGEM:
"Kempinski" (França), de Neil Beloufa

MELHOR CURTA-METRAGEM PORTUGUESA:
"Arena" (Portugal), de João Salaviza

PRÉMIO FIPRESCI:
"The Happiest Girl in the World" (Roménia), de Radu Jude

PRÉMIO DO PÚBLICO PARA MELHOR LONGA-METRAGEM:
"L'Encerclement" (Canadá), de Richard Brouillette

PRÉMIO DO PÚBLICO PARA MELHOR CURTA-METRAGEM:
"Visita Guiada", (Portugal) de Tiago Hespanha



Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub