76
Anterior
Desemprego pode atingir 22 milhões de europeus
Seguinte
União Europeia tem de promover estabilidade e crescimento
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Cientista descobre como prever o futuro

Cientista descobre como prever o futuro

Um sistema que localiza uma pessoa com precisão a anos de distância e numa data determinada, com base no seu padrão de comportamento, é já uma realidade.

|
Adam Sadilek (Universidade de Rochester): "conseguimos prever a mobilidade humana a longo prazo"
Adam Sadilek (Universidade de Rochester): "conseguimos prever a mobilidade humana a longo prazo" / DR

Um sistema baseado na inteligência artificial que prevê, mediante certas condições, a localização de uma pessoa com a antecedência de vários anos, foi criado por Adam Sadilek, investigador do Departamento de Ciências da Computação da Universidade de Rochester (Nova Iorque).

O funcionamento deste sistema - chamado "Far Out" - deve-se, em parte, à crescente utilização de sistemas GPS nos telemóveis (smartphones). Com efeito, quase 50% da população americana, por exemplo, transporta um equipamento portátil com um sistema de GPS durante as suas deslocações, segundo um estudo do Pew Research Center (EUA).

O "Far Out" poderá ser usado para mapear fenómenos do futuro tão diversos como o congestionamento do trânsito numa cidade, a progressão de uma epidemia ou a procura de electricidade.

Localizar com elevada precisão


Sadilek e a sua equipa analisaram os dados de 703 pessoas (que transportavam sistemas de GPS) relativos a uma grande variedade de períodos de tempo. E recolheram 32 mil amostras diárias da localização dessas pessoas.

A partir daqui conseguiram demonstrar que o modelo de previsão utilizado "prevê a localização de uma grande variedade de pessoas com elevada precisão, mesmo a anos de distância no futuro".

"Vemos a previsão a longo prazo como um processo que identifica motivos e regularidades fortes nos dados históricos das pessoas, que modela a sua evolução através do tempo e que estima as localizações futuras através da projeção dos padrões de comportamento dessas pessoas no futuro", afirmou o cientista checo à publicação online "Futurist Update", da World Future Society (EUA), uma organização com 25 mil membros em mais de 80 países.

Num artigo assinado por Adam Sadilek e John Krumm, da Microsoft Research, que vai ser apresentado na 26ª Conferência sobre Inteligência Artificial organizada pela Associação para o Avanço da Inteligência Artificial, que decorrerá de 22 a 26 de julho em Toronto (Canadá), os dois cientistas recordam que "já foi feito muito trabalho de investigação para prever onde poderá estar cada um de nós no futuro imediato, isto é, na próxima hora".

Há de facto muitos modelos de mobilidade a curto prazo, tanto descritivos como preditivos, seja a nível de uma pessoa ou de grupos de pessoas. "Mas há uma lacuna na modelação e previsão da mobilidade a longo prazo, e mesmo os modelos focados no longo prazo consideram apenas previsões para as próximas horas".   

Identificar padrões de comportamento


Por isso, o que estes investigadores querem fazer é inédito e muito ambicioso. "Pretendemos prever a mobilidade humana no futuro a longo prazo, numa escala de meses e anos", afirmam Sadilek e Krumm.

Assim, propõem "um método eficiente que identifica padrões robustos e significativos a partir dos dados históricos de localização de uma pessoa,  assinala as suas associações com características de contexto (como por exemplo um determinado dia da semana), e depois usa esta informação para prever a localização mais provável numa certa data no futuro".

Por outro lado, o modelo geral definido pelos dois cientistas faz previsões tanto a curto prazo (horas ou dias) como a longo prazo (meses ou anos), ou seja, "é capaz de trabalhar com os dois tipos de representação de dados". O mais surpreendente é que Sadilek e Krumm demonstraram que "o desempenho do "Far Out" não é significativamente afectado pelas distâncias temporais".

Publicitar serviços, reunir amigos, planear cidades


"Precisa de cortar o cabelo? Dentro de quatro dias você vai estar a 100 metros do cabeleireiro Hair Dream que faz descontos de 20%". Esta mensagem recebida no telemóvel poderá ser uma das muitas aplicações, a nível individual, do "Far Out", tal como todo o tipo de spots publicitários, lembretes ou resultados de uma pesquisa pessoal. No fundo, são mensagens que consideram todas as localizações prováveis de uma pessoa em datas específicas no futuro.

Para além da escala individual, o "Far Out" poderá ser aplicado a uma escala social, envolvendo as pessoas que nós conhecemos, como sugerir um local, dia e hora conveniente para nos encontrarmos com um grupo de amigos, mesmo quando eles estão espalhados pelo mundo; ou sustentar um sistema de entrega de encomendas em qualquer local onde o cliente se encontre.

À escala de uma população, o "Far Out" poderá ser uma ferramenta decisiva para o planeamento urbano, para modelar a evolução de uma área metropolitana ou de uma região, em realidades tão diversificadas como o trânsito automóvel, o consumo de energia e de água, a qualidade do ar, a procura de habitação, ou a construção de infraestruturas de telecomunicações. Tudo porque identifica os padrões da actividade das pessoas e pode também detetar comportamentos pouco habituais. 

 

 

 

 

 

 

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 76 Comentar
ordenar por:
mais votados
Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
essas engenhocas dão o que pensar. Cada vez mais, ainda que viva escondido, posso ser encontrado com boa margem de sucesso. Não sou adepto, por mais que possa ser estranho, do uso do telemóvel (que, no Brasil, é o celular). Ganhei um, de poucos recursos, que apenas ponho no carro, para alguma emergência. Não o uso rente ao corpo. Não gosto de ser importunado por chamadas sem utilidade prática, de vendedores, de anunciantes, de bisbilhoteiros etc. Não preciso de telefone móvel. Mas, espanta-me ver que, na rua, todos conversam através do telemóvel, como se precisassem espantar a solidão. E, nas rodas de café, encontro apenas pessoas da minha geração, para o bate-papo costumeiro. Os mais jovens, vivem de falar nesses aparelhos. Portanto, certas tecnologias só serviram para agravar o distanciamento entre as pessoas, como se elas estivessem sempre no último momento de vida. O rastreamento do futuro imediato de uma pessoa, para mim, vai piorar nosso dia a dia, que está infestado de controles (aqui no Brasil, por meio do CPF) e, certamente, isso vai gerar novos subprodutos. A rede estará completa quando nada mais fugir do olhar deste novo deus, momento em que seremos reduzidos a um código de barras e até nosso silêncio será esquadrinhado, em qualquer local no qual estivermos, mesmo nos confins do mundo. Para mim, que detesto a publicidade, certamente não será um tempo para estar vivo. Rio Grande
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Re: Para mim, que vivo no anonimato e o prezo,
Simplesmente .....perigoso!!
É difícil compreender com total exactidão o âmbito destas "descobertas", e o que de mau pode trazer a cada um.

De bom é fácil de prever, mas de mau...é impossível.

Não sendo pessimista nem vendo bruxas e demónios no horizonte, como outros o fazem, parece-me muito complicado aceitar de ânimo leve este tipo de "descobertas2 e trabalhos.

Simplesmente porque invade a privacidade de cada um de nós. Só por isso, direi melhor, por isso mesmo!

Não gosto, e não entendo como se pode gostar saber que alguém pode, num futuro de curto ou médio prazo, prever quando eu .... vou cagar!

Até para cagar, terei alguém que saberá essa informação, e me quererá vender papel higiénico na hora!? E dirão, batendo "de leve, levemente" na porta do WC, quer experimentar este? "é barato e tão macio"!

Num destes dias, nem cagar em privado poderemos, por este andar !

Quanto temos que pensar, e alterar, corrigindo, aquilo que outros podem aceder e ter de informação sobre outros!

Um tema importante para todos pensarem, quando estiverem a .... isso mesmo! Com o dito cujo a sair do mesmo local que "sopra brisa, sobre a fralda de uma camisa".

Dados pessoais, tema difícil e perigoso, logo ...mal cheiroso!

Cpts
Re: Simplesmente .....perigoso!!
Re: Simplesmente .....perigoso!!
Re: Simplesmente .....perigoso!!
Re: Simplesmente .....perigoso!!
Que título mais estúpido e descabido,
para dizer o mínimo...
é o jornalismo que há...
Medo...
Cada vez mais reprimidos
Cada vez mais controlados

As próximas invenções será de medicamentos capazes de controlar as nossas emoções (a larga escala) para criar uma empatia global.

Tudo isto para que um punhado de gente possa jogar golf tranquilamente sem que ninguém os questione do porquê das coisas!!
Re: Medo...
Re: Medo...
Re: Medo...
Re: Medo...
pronto...
Já está.

Esta notícia podia ter sido escrita pelo Relvas, acabado de se licenciar em jornalismo pela lusófona, isto após ter demonstrado ter lido muitos jornais, o que lhe deu inúmeras equivalências.
Re: pronto...
Re: pronto...
Re: pronto...
Foundation
mmm....

Acho que já tinha lido isto no Foundation do Isaac Asimov. Chama-se Psico-História e é um livro maravilhoso de... ficção científica.

Agora vou voltar às notícias cujo título reflita o conteúdo.

oreivaivestido.blogspot.pt
Re: Foundation
Se o cientista é checo então...
Se o cientista é checo então certamente previu que os jogadores da sua selecção que participaram no Euro 2012 iam para casa logo após o golo de Cristiano Ronaldo a Peter Che.
Re: Se o cientista é checo então...
parece que no futebol...
cientista-descobre-como-prever-o-futuro
Sendo assim fica sem emprego e na miséria o professor Chibanga, o Caramba e a Maia. Mais um subsídio de desemprego que a Segurança Social vai ter de pagar. Tudo está a correr mal a este governo. Já não é só devido à mentira e incompetência.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/demita-se-senhor-primeiro-ministro.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/06/helena-roseta-denuncia-miguel-relvas.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/relvas-agradece-socrates-novas.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/07/licenciatura-de-relvas.html
Tanto comentário "bota-abaixo"
e ninguém viu positivo no assunto!

O desenvolvimento de uma área urbana. Pode-se investir num hospital com capacidade de expansão, escolas, etc.

A desertificação de uma cidade : pode começar a travar-se tomando medidas e evitando gastos desnecessários no futuro.

A migração das populações e dos centros de trabalho: pode tentar minimizar-se as deslocações diárias, definindo antecipadamente as zonas urbanas, empresariais e industrias, em vez de deixar tudp crescer ao acso.

Porque raio só se vê o espiolhar da nossa vida? É pelo título idiota da notícia?
Não se lê um livro pela encadernação.
Se você tiver razão, isso significa
Ora aqui está uma discussão interessante
e mesmo assim...
Mais um artigo sem pés nem cabeça
Gostam de brincar à futurologia...
Tudo bem, brinquem! Não venham é impingir "rigor" científico... Não nos esqueçamos que os serviços de metereologia raramente acertam no tempo que vai fazer daqui a uma semana... E que os "especialistas" não conseguem nunca prever acertadamente o défice para determinado ano, que passa a vida a ter de ser "corrigido"... And so on, and so on...
Jornalismo amador
Titulo 100% disparatado e falso. Modelos há muitos e este é mais um. Sosseguem os que temem pela sua privacidade, isto (ainda) é ficção cientifica.
Mas isto é o Expresso ou o Jornal do Incrível?!?!
Confundir previsões do futuro, com um mero estudo estatístico de deslocações habituais?!?!
Se o sujeito em estudo, levar com um tijolo e esticar o pernil, como é que fica a previsão?
Eu "prevejo" que quem escreveu isto, também tirou um curso "jornalístico", cheiinho de equivalências.
Previsões para agosto.
E o Relvas?
Re: E o Relvas?
Re: E o Relvas?
Folclore
Re: Folclore
Lusófona
Re: Lusófona
Re: Lusófona
Re: Lusófona
Não vale Rupp....V. martelou o programa.
Convicções?
Re: Previsões para agosto.
Instituto de Metorologia Português prevê o futuro!
Calma, não se excitem! Não estejam já aí a prepararem-se para um "rally" em direcção ao INMG para uma consuta urgente com vista a saberem qual é a percentagem de corte que vão levar nos subsídios de Férias e de Natal nos próximos anos

O INMG prevê o futuro sim , mas do tempo meteorológico em Porugal Continental, Açores e Madeira, nos próximos cinco dias, ok?

Ah Expresso Expresso. Estamos na silly season não é?!
Balelas...
Assustador ver o tempo que se perde com investigação inútil e surreal!
Re: Balelas...
Comentários 76 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub