Anterior
Indonésia: Portugueses que estavam incontactáveis foram localizados
Seguinte
IDT dispensa 200 colaboradores
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Chuva inunda Lisboa e Proteção Civil estende alerta a 14 distritos (contém fotogaleria)

Chuva inunda Lisboa e Proteção Civil estende alerta a 14 distritos (contém fotogaleria)

Chuva forte e repentina inundou zonas baixas da cidade e provocou o caos no trânsito. Do Rossio ao Terreiro do Paço e da Praça do Município a Alcântara. Veja a fotos dos repórteres do Expresso.
Lusa |

O Terreiro do Paço, em Lisboa, está hoje completamente inundado devido à chuva que caiu esta manhã na capital, confirmou fonte dos bombeiros à agência Lusa.

A estação de metro do Rossio está fechada e completamente inundada.

O mesmo sucede na rua entre o teatro D. Maria e a zona da baixa que está inundada e com o trânsito cortado.

Segundo apurou a Lusa no local, a água atinge cerca de um metro. Apesar disso, algumas pessoas arriscavam passar a pé, enquanto a maioria permanecia refugiada debaixo de toldos ou em cafés da zona.  

"O Rossio é um lago, o trânsito está parado e os carros são obrigados a inverter a marcha para subir a avenida de Liberdade", inundados que estão os dois quarteirões na cota mais baixa, afirmou à Lusa uma funcionária da Câmara de Lisboa.

Números
 
167
Pedidos de ajuda recebidos até às 13h, 145 dos quais por causa de inundações provocadas pela chuva forte em altura de preia-mar. Fonte: Proteção Civil.

Na Praça do Município já era possível circular às 11h40 porque a água já fora escoada.

Outro funcionário da autarquia contou à Lusa que o seu automóvel parou no Campo das Cebolas, quando arriscou avançar pela água que chegava ao nível dos motores dos carros.  

No Martim Moniz, um "coletor de água rebentou", causando novos constrangimentos à circulação, acrescentou outra fonte da autarquia.

"Desde as 8h até às 13h, foram recebidas 5396 chamadas de pedidos de informação e de ajuda, 3767 das quais entre as 11h e as 12h", informou o vereador em conferência de imprensa conjunta com o comandante dos bombeiros e com a Proteção Civil.

Nas operações estiveram, durante esse período, envolvidos 39 veículos e 131 elementos dos bombeiros, disse ainda, salientando o elevado número de chamadas, que tornou este "um dia anormal, com um número muito elevado de ocorrências".

"Não foi problema de limpeza. Houve hoje uma coincidência de uma precipitação intensa com a preia-mar e isso afeta tradicionalmente as zonas baixas da cidade, a Baixa e a 24 de Julho", considerou Manuel Brito.


ÁREAS MAIS AFETADAS



Opinião


Multimédia

Musse de maracujá

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 40 Comentar
ordenar por:
mais votados
O munícipe é que paga as favas
É a Cãmara do socialista António Costa a meter água.Estes Presidentes de Cãmara em vez de tratar dos problemas da autarquia passam o tempo a tratar dos interesses do Partido.Depois o munícipe é que paga as favas.
É só propaganda no palanque.Pobre Povo,pobre condição,que frágil politica esta.
Re: O munícipe é que paga as favas
Costa,do PS é comentador chefe do partido.
Re: Costa,do PS é comentador chefe do partido.
Re: Costa,do PS é comentador chefe do partido.
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Re: O munícipe é que paga as favas
Mas que ganda cromo !!!
E o Sá Fernandes?
Re: E o Sá Fernandes?
Re: E o Sá Fernandes?E as secretas?
Re: E o Sá Fernandes?E as secretas?
Re: O munícipe é que paga as favas
Isto é o fim da picada!
NMGS ,tem razão
Re: NMGS ,tem razão
Chuva inunda Lisboa
Alguns comentadores acham que a culpa de chover e haver inundações é do Presidente da Camara António Costa. Estão a esquecer-sem que o grande culpado é Sócrates, mas o Marquês também tem culpas no Cartorio. Eu até acho que é ele o maior culpado, porque depois do terramoto de 1755 devia ter abandonado o local e devia ter feito uma nova capital no cume da Serra da Estrela, porque aí podem ficar cientes não existiriam estes problemas.
Chuva de 8 dias em 3 horas.
Para os especialistas em clínica-geral, língua víperina e em redes de águas pluviais, como o Águia e o Mónaco, a precipitação em Lisboa foi de 22 m/m em 3 horas.
Durante o mês de Outubro a precipitação média é de 80 m/m mês, atingindo o pico em Novembro com 115 m/m.

O afluxo de muitas águas de superfície que correm para as partes baixas da cidade, em simultâneo com o funcionamento das marés, atrasa o escoamento das mesmas.

A 16 de Junho, no Var, em França, não confundir com o Burundi; morreram 12 pessoas por motivo de cheias. Culpado, o Costa !!
CML


Sim tem de ser ao executivo actual que se tem de pedir responsabilidades, e se fosse outro assim também se exigiria.
Já de alguns longos anos que isto bem acontecendo, e as medidas para se contornar este flagelo tardam.
Se a CML não tem dinheiro para as respectivas obras somente tem de falar com o governo para evitarem de festanças, auditorias, etc que levam, dinheiro inútil tudo passa por uma boa gestão, mas isso é algo difícil nos dias de hoje, e mais não digo para não ser desagradável.
Se fosse noutro país já tinha caído o Carmo e a trindade, mas como sabem que o português é calmo usam e abusam.
Re: CML
Re: CML
inundações, os avisos, lisboa
A todos os de curta memória: Gonçalo Ribeiro Telles passou metade da sua vida a alertar para os cuidados a observar na execução de obras que mexessem com o subsolo lisboeta. Poucos o "escutaram" verdadeiramente, e mesmo esses, desdenharam das suas aobservações, dos seus alertas, ignorando em absoluto as suas sugestões. O resultado está à vista, e vai-se repetindo sempre que se observem as mesmas circusntâncias. Aprendam a viver com isso...
Assim há que esperar pior ainda.
Em vez de TGVs, novos aeroportos e mais auto estradas por habitante do mundo, deviam antes pensar em gerir o património público correctamente, muito deste existe desde os tempos do Marquês de Pombal, logo em necessidade absoluta de manutençâo/substituição. Muitas das estruturas existentes já não servem as necessidades actuais e há que investir nesse campo. Só que essas são obras necessárias, só causam transtornos e muitas vezes não dão os votos das muitas obras de fachada sem utilidade pública.
Para onde vai?
Todos sabemos que invariavelmente cerca de 50% dos orçamentos de estado anuais, no que toca a investimentos, são destinados á área de Lisboa.
Sempre que há uma chuvada assistimos ao mesmo espectáculo.
É caso para perguntar: PARA ONDE VAI O DINHEIRO?
Será que os socialistas dee capital podem informar? É que andam tão ocupados a defender os larápios...
Saudades do tempo...
...em que os funcionários da JAE limpavam as sargetas durante o verão. Este fenómeno acontece nos nossos dias porque os responsáveis deste triste e decadente país metem água por todo o lado...
Rede Saneamento
Caros.

Obras, como saneamento, aguas pluviais. esgotos, rede aguas...

Não são obras visíveis, ficam enterradas debaixo do chão!
Embora sejam importantes, os políticos não ganham votos com elas.

Interessa é obras, que "salte à vista" para o povinho não esquecer, nem que não sejam de grande utilidade, interessa sim, serem lembradas na altura das eleições.
contrastes
Tanto destaque para umas inofensivas cheias e nenhum para a tragédia que se está a viver na Indonésia com o tsunami
Abaixo o São Pedro! Viva a Santa Corrupção!
A culpa é do clima português! Se no Verão não houvesse tempo seco não havia incêndios, e se no Inverno não chovesse, não havia inundações! A culpa não é dos edifícios construídos em leito de cheia e à beira de ribeiras encanadas como a de Alcântara! Quem tem culpa é a água, que insiste em correr por onde corre há séculos!!! Isso e as mudanças climáticas!!! Sem esquecer das malvadas das andorinhas que provocam apagões!!! A natureza é uma corrupta, é o que é... ele há gotas de água que são umas grandes ladras!!!!

Pelo que vejo S.Pedro não é socialista....
Culpar o Edil pela itemperie, é um acto de vilanagem.
Re: Pelo que vejo S.Pedro não é socialista....
Re: Pelo que vejo S.Pedro não é socialista....
Cheias???????? Mas que cheias???!!!
Foi pouco... mas mesmo, mesmo muito pouco.

Havia de ter sido "tipo tsunami da Indonésia" e chegado até à Assembleia da República para varrer todo aquele o "esterco" que por lá se tem acumulado ao longo destes anos todos.

Quanto acham que esses marialvas, com a montagem desta novela toda, vão facturar de mais-valias quando a bolsa abrir???

Devem ter provocado isto tudo para facturar mais "uns" trocos para ajudar a colmatar as "diminutas" ajudas de custo de que, diariamente, usufruem mas que, de tão diminutas (!!), nem permitem que "esses desgraçaditos" almocem, e coitados, passem fome!!!
Comentários 40 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub