Anterior
Imagens que estão a marcar esta sexta-feira, dia 1 de julho
Seguinte
A primeira vez do novo Governo no Parlamento (fotogaleria)
Página Inicial   >  Multimédia  >  Fotogalerias  >   China inaugura maior ponte do mundo (fotogaleria)

China inaugura maior ponte do mundo (fotogaleria)

Ao todo são quase 42 quilómetros que demoraram quatro anos a serem concluídos. A maior ponte do mundo fica na China e já abriu à circulação automóvel.

A maior ponte do mundo acabou de ser inaugurada na China. Com 41,58 quilómetros e um custo de mais de mil milhões de euros, a obra demorou quatro anos a ser finalizada.

A ponte faz a ligação entre a cidade e os subúrbios de Huangdao, na baía de Jiazhou, diminuindo a distância entre as cidades em cerca de 30 minutos.


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 90 Comentar
ordenar por:
mais votados
Baralho de cartas
Num dos próximos sismos vai desmoronar como um baralho de cartas. Depois fuzilam os engenheiros e partem para outra.
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Maledicência ou Male (di) Ciência?
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Re: Baralho de cartas
Tirou-me as palavras da boca...
A «OBRA», enquanto factor de legitimidade do poder
Cedo terão notado os detentores do poder que a realização de monumentais e majestosas obras mais facilmente podia servir de legitimação política do que muitas outras iniciativas.

A realização de uma grande obra requer a força de milhares de trabalhadores. Algo que não poderia ser realizado pelo indivíduo, pela família ou pela comunidade, pode materializar-se através da união de esforços de toda uma sociedade.

Não terá sido por mero acaso que os detentores de poder, nas civilizações antigas, impuseram a realização de monumentos que tinham tanto de maravilhoso e deslumbrante quanto o tinham de aterrador e majestático: a Grande Muralha da China, mausoléus e Pirâmides (em várias civilizações), os jardins suspensos da Babilónia, templos a todos os deuses, etc, etc.

Sabemos hoje que não se devia ao acaso o facto das igrejas serem os edifícios mais altos em cada localidade. À sua maneira, traduzia o mesmo princípio: a monumentalidade como representação, marca e legitimação do poder. O monumento (religioso, mortuário, militar, político...) era a expressão da insignificância do indivíduo (ainda para mais analfabeto e temeroso), da família ou da comunidade perante os poderes que o munumento representava.

Em boa verdade, são milhares de indivíduos que concretizam estas obras, mas o fascínio da sua execução recai sempre sobre os poderes instituídos.

Mudam os tempos, mudam as vontades e até mudam os "templos" (obras), mas os fins continuam a ser os mesmos.
Re: A «OBRA», enquanto factor de legitimidade do p
Re: A «OBRA», enquanto factor de legitimidade do p
Re: A «OBRA», enquanto factor de legitimidade do p
Re: A «OBRA», enquanto factor de legitimidade do p
A China, que tem muita estrada na sua história,
vai deixando sua marca, por meio dessa demonstração de poder, erguendo obras dignas de um faraó, para imortalizar sua presença perante o Homem. Mas, como sempre, as obras são como monumentos e sujeitos ao desgaste do passar do tempo e, até, relegados ao esquecimento. Num momento dinâmico como é este no qual estamos vivendo, é como uma demonstração ou, mesmo uma ameaça, de que estou aqui e cheguei para ficar. É o ladrar do cão para colocar em fuga o oponente, resguardando sua comida. O Estado Chinês é como sempre foi, dominador e apegado ao esplendor. É só percorrer sua história e logo vamos perceber o detalhe. Não foi diferente com o Antigo Egito, com a Grécia, com a Babilônia, ou mesmo com Roma. O único detalhe de tudo é, que, a China permanece viva, como uma das mais velhas culturas, diferente de outras que feneceram e apenas sobrou o nome, para os modernos. O Paulo Pedroso tem razão naquele seu comentário colocado no topo desta página, que bem traduz o que seja uma "obra", no tempo e no espaço. Sempre teremos orgulho de alguma coisa que tenhamos feito na vida, com sucesso, pudera os povos! A capacidade de a China arregimentar multidões, também pode ser notada na sua resistência à invasão japonesa, que nunca obteve controle real sobre qualquer parte daquele território, mesmo com fogo desigual, o chinês era ordeiro e resignado, mantendo um exército regular recuando e, por trás dos samurais, um sistema eficaz e mortal de emboscadas. Rio Grande
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Re: A China, que tem muita estrada na sua história
Se fosse em Porrtugal...

Se fosse em Porrtugal...

Custaria 10 vezes mais do que o orçado, e levaria mais uns 20 anos para ser construída ...

Derraparia em prazo e orçamento...
Re: Se fosse em Porrtugal...
Re: Se fosse em Porrtugal...
O Ocidente tem medo de quê? Tadinha...

Não deveria ter medo:

"Em 1839, os ingleses aproveitaram a destruição de um carregamento de ópio para declarar guerra à dinastia manchu. A chamada guerra do ópio terminou com a derrota chinesa. Os ingleses forçaram o Tratado de Nanquim (1842), pelo qual os chineses se comprometiam a abrir ao comércio britânico cinco portos, entre os quais os dois mais importantes do país, Xangai e Cantão, e além disso cediam o de Hong Kong.

Uma intervenção militar franco-britânica obrigou o governo chinês a fazer novas concessões. Pelo Tratado de Pequim, firmado em 1860, abriram-se 11 outros portos no país e ofereceram-se mais vantagens aos estrangeiros. A China, agora aberta ao comércio, tornou-se presa dos interesses europeus.

Em reação à política imperialista praticada pelas potências ocidentais e pelo Japão, os círculos nobiliárquicos próximos da imperatriz Cixi fomentaram motins xenófobos que chegaram ao auge em 1900, quando os boxers (membros de uma sociedade secreta contrária à penetração ocidental), sitiaram as legações europeias em Pequim. Sobreveio a intervenção conjunta de forças americanas, alemãs, inglesas, francesas, russas e japonesas, que libertaram as legações e obrigaram a imperatriz a acatar condições de comércio favoráveis aos estrangeiros."

A imperatriz no auge de sua indignação declara textualmente:

"A China é uma vaca deitada, onde as potências estrangeiras mamam o que querem."

O Ocidente tem medo da China? Ela é que se cuide.
Mais um pouco... Sobre os cães ingleses...

Um pouco de História:

Mercadores ingleses vendiam o ópio por toda a China litorânea, em troca dos famosos taéis de prata, uma espécie de xícara usada como moeda de alto valor. Com boa parte da população viciada, os ingleses estavam recebendo de mão beijada toda a prata da China.

Quando o imperador se deu conta disso, resolveu proibir o consumo de ópio, enforcando muitos traficantes e fechando as casas de ópio, espécie de clubes, onde as pessoas se encontravam para consumir o narcótico. A apreensão de 20 mil caixas de ópio deu aos britânicos o pretexto que precisavam para obter no seu Parlamento a autorização para atacar.

A alegação inglesa, que consta em muitos livros de história britânicos, foi a de que os chineses haviam tomado e destruído propriedade dos súditos da rainha Vitória. Mas a versão chinesa assegura que as caixas de ópio foram apreendidas de traficantes chineses e apenas depois do fato consumado os britânicos teriam forjado a compra das caixas, o que é de se esperar de quem se trata.

A rainha Vitória, ao aprovar o ataque, declara: "Somos contra o consumo do ópio, mas não podemos permitir que chineses destruam propriedades britânicas". A Marinha chinesa, composta basicamente por pequenos juncos, não tinha a menor chance contra a poderosa British Royal Navy.

E durma-se com tanta hipocrisia... Bem europeia...

A China caminha para melhor futuro, nós...
Uma ponte com três níveis! Fantástica!!!

É notável, é maravilhoso, é obra-prima da engenharia.

A China ainda vai causar grandes exclamações ao Mundo.
Temporariamente a maior...
Esta ponte é só temporariamente a maior do mundo, até acabar de ser construída a ponte do Delta do Rio das Pérolas. Uma obra fantástica que vai ligar de um lado Schenzhen e Hong Kong e do outro Zhuhai e Macau. Dentro de 5 anos já se pode ir de carro de Hong Kong a Macau em apenas 40 minutos!
Re: Temporariamente a maior...
As unidades estão erradas.
O custo da ponte foi $2.3billion, ou mil milhões de euros, não um bilião.
Correcção: As unidades estão erradas.
Re: Correcção: As unidades estão erradas.
Aprendam Mandarim e Cantonês...
Há uns 33 ou 34 anos um cliente de Phillipsburg, NJ, a quem vendia componentes industrias europeus disse-me durante um bate-papo: "José, you should learn to speak Chinese".
Depois do almoço e durante a visita à fábrica mostrou-me uma amostra proveniente da China, semelhante às peças que eu fornecia, qualidade relativamente inferior, mas preço ridiculamente mais baixo.
Na altura cometi o erro do século, pensando que "levariam muitos anos até os chineses chegarem ao nível europeu".
Meu erro, mea culpa.
Aos jovens aqui fica a minha dica:
Aprendam a falar Cantonês e Mandarim...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
Re: Aprendam Mandarim e Cantonês...
BPN traduzido em pontes chineses
O governo acabou de dar o aval a mais uma emissão de titulos pelo BPN que dará para construir uma destas pontes, possivelmenete em Cabo Verde.
Depois
de ler o comentário do prezado Dunca, e se me for permitido basear o meu comentário nele, eu fiquei a pensar que é ou não verdade que tem sido sempre assim? Primeiro pelos ingleses, tal como escreveu o caro comentador; depois os americanos e seus aliados sucessivamente ao longo do século XX até agora; sim, agora temos o caso a Líbia, e não há muito tempo o Iraque..Qual(is) será(ão) o(s) país(es) que se seguirá(ão)?
1 de Julho
A inauguração desta ponta, batendo o recorde do mundo, vem a propósito da efeméride que na China hoje se celebrou: os 90 anos da fundação do PC Chinês. Ontem abriu a maior linha de comboio de alta velocidade do mundo; hoje foi inaugurada a maior ponte, e assim por diante. E já sabemos que dentro de 3 ou 4 anos a China baterá novo recorde mundial com a inauguração de uma outra Ponte Maior do Mundo, desta vez com mais de 50 km e que ligará Hong Kong a Macau e ao continente "chinês". Tudo isto, diriam algumas pessoas que conheci, "só visto"! E confirmo que assim é. Mas de uma coisa devemos estar cientes: a liderança do PC Chinês, transformado em 1978 no maior Patrão do Mundo, tem a ver com este sucesso material de inauditas proporções. E mesmo sabendo que este mesmo partido que hoje celebra 90 anos de existência histórica tem a responsabilidade directa pela morte de um número que varia entre 40 e 60 milhões de pessoas, para além de que hoje continua a coarctar liberdades básicas aos cidadãos, entre elas a liberdade de consciência e de religião, dizia, mesmo sabendo tudo isto não posso deixar de felicitar uma organização que é capaz de liderar o mais populoso país do mundo da condição de extrema pobreza à de Segunda Potência Económica Mundial, agora à frente do Japão e da Alemanha. Mas o meu ponto central é este: o sucesso económico da China, mais do que ao Partido que a Governa, deve-se ao esforço e capacidade de trabalho de milhões de pessoas, dedicadas, pacientes, e esforçada.
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Será o mesmo Kant?
Re: Será o mesmo Kant?
Re: Será o mesmo Kant?
Então, Telhado?
Nenhum genocídio deve ser esquecido?
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
E por oportuno...
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
Nem mais...
Re: 1 de Julho
Re: 1 de Julho
De facto...
É rato: "Não esteve o dito cujo INDEX..."
Marketing amarelo e nada mais que isso


  Se obras publicas fizessem um império Portugal era imperialista.

Pontes a Cimento e ferro onde esta a enovação?

Comentários 90 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub