Anterior
República Checa: um mercado laboral competitivo
Seguinte
Irlanda: o motor das exportações
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Países como Nós II: uma iniciativa Expresso e PwC  >   Chile: contas blindadas, da ditadura à democracia
Países como Nós II: uma iniciativa Expresso e PwC

Chile: contas blindadas, da ditadura à democracia

Uma política contracíclica, imune a mudanças de governo, permite ao país navegar a crise numa posição única.


Nuno Martins, PwC Senior Manager

O défice e a dívida pública são atores principais desta crise de expectativas mutantes e um dos 'desequilíbrios' críticos a corrigir em Portugal (de novo...). Mecanismos que confiram rigor às contas públicas são um meio, não um fim, para o Estado desenvolver o papel que lhe for atribuído, pelo que o Chile, negligenciando toda a carga histórica e ideológica, poderá ser apontado como caso a refletir.

Ainda assim, uma singularidade relevante, o Chile é um dos maiores exportadores de cobre do mundo, gerando 16% das receitas fiscais. Portugal não possui comparáveis recursos naturais...

O Chile desenvolveu nos anos 90 uma política contracíclica, e com a qual navega a crise numa posição única. São três as características diferenciadoras: (1) credibilidade pelo rigor na sua aplicação; (2) definição do conceito de défice estrutural; (3) objetivo para o défice estrutural de 0%, o que permite incorrer em défices anuais quando o PIB e/ou o preço do cobre são inferiores à sua tendência de médio prazo, mas obriga a incorrer em superavites quando o oposto ocorre, implicando uma tendência decrescente no nível de dívida sobre o PIB.

Acresce a existência de um painel de especialistas oriundos dos sectores público, financeiro e universitário, que analisam duas vezes ao ano os diferenciais do produto e do preço do cobre e definem os parâmetros subjacentes à preparação de um orçamento com um saldo estrutural nulo.

O Chile possui um rating de A+ (S&P e Fitch)/Aa3 (Moody's) e uma dívida pública de cerca de 10% do PIB, maioritariamente financiado por poupança interna. Em oposição, Portugal acumulou défices sucessivos, financiados externamente, o que com um crescimento anémico, conduziu a um nível de dívida de 110% do PIB.

Os mecanismos de controlo da política orçamental mostraram-se permissivos a interesses conjunturais, enviaram sinais incorretos aos agentes económicos e facilitaram o endividamento.

Vários foram os erros cometidos ao longo da nossa história democrática (1ª República incluída). Os riscos a que nos expôs e expõe não justificariam a definição de regras e de instrumentos de controlo e de reporte que atendem-se às nossas especificidades? Não seria fundamental rever este aspecto crítico e evitar erros pretéritos que se revelaram fundamentais? O Chile será um bom exemplo por onde começar.

Nuno Martins, PwC Senior Manager 

 

Equilibrar para poder reformar


Carlos Moedas, secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro

A terceira revisão ao Programa de Ajustamento Económico e Financeiro ficou concluída com sucesso. Estes exercícios de avaliação trimestral são complexos - durante cerca de duas semanas, centenas de funcionários públicos, governantes e técnicos das três instituições analisam detalhadamente os vários capítulos do programa. Sendo períodos intensos, as avaliações acabam por ser uma boa oportunidade para refletir com rigor sobre a evolução da economia portuguesa, sobre o que foi feito e sobre o que se vai fazer.

As medidas já concretizadas nestes oito meses, e que resultam de um esforço coletivo, já começam a ter reflexos. Portugal avança de forma decidida no caminho da consolidação orçamental. Os objetivos definidos para 2011 foram atingidos, tendo o défice estrutural sido reduzido em cerca de 4 p.p. do PIB. O ano de 2012 será decisivo em matéria de consolidação, pois prevê-se que o défice estrutural tenha uma redução igualmente significativa. A despesa primária, que em 2010 representou 48,4% do PIB, cairá para cerca de 42% no presente ano. É um esforço que representa sacrifícios para todos. Mas é um esforço essencial para retomar o equilíbrio das nossas contas públicas. É condição essencial para que a breve trecho Portugal reúna as condições para crescer de forma sustentável.

A consolidação orçamental é necessária ao crescimento sustentável. Mas não é suficiente. Para que a economia possa crescer são necessárias reformas estruturais. Muitas dessas reformas só terão resultados práticos dentro de algum tempo. Mas são essas mudanças, muitas delas já em curso, que trazem competitividade às empresas, condições ao investimento e à criação de postos de trabalho. A nova lei da concorrência e o modelo de regulação, a reforma do sector empresarial do Estado, a reforma na justiça, o novo código de trabalho, a reestruturação da administração pública central, regional e local ou a nova lei do arrendamento, constituem exemplos concretos do trabalho já feito. Sendo diferentes, as reformas partilham alguns denominadores comuns. Promovem maior flexibilidade e dinamismo à economia.

Ainda temos um longo caminho à nossa frente. Um dado recente, que sugere algum otimismo moderado, é a forma rápida com que Portugal está a ajustar o seu desequilíbrio externo. Após vários anos com défices da balança de transações correntes de cerca de 10% do PIB, em 2011 atingiu-se um défice de 6,4% do PIB. Este valor é mais baixo do estimado pelo programa para o final de 2012, o que ilustra a rapidez do ajustamento. É certo que houve um decréscimo das importações, fruto da contração da procura. Mas houve também uma evolução muito favorável das exportações. Num contexto de diminuição da procura externa, esta evolução positiva sugere que muitas empresas portuguesas estão a conseguir entrar em novos mercados e estão a reforçar as suas quotas nos mercados tradicionais. Temos um longo caminho à nossa frente, mas estamos no bom caminho.

Carlos Moedas, secretário de Estado-adjunto do primeiro-ministro 

 

Um exemplo de persistência


António Nogueira Leite, vice-presidente da CGD

Durante muito tempo o Chile foi uma economia caracterizada por fraco crescimento com flutuações amplas e marcadas, posições orçamentais e externas desfavoráveis, elevada desigualdade na distribuição do rendimento e uma extrema dependência dos seus recursos naturais. Essa dependência, nomeadamente das extensas e hoje valiosíssimas reservas de cobre, foi particularmente marcante durante a Grande Depressão, tendo o Chile sido uma das economias mais afetadas pela redução da procura de metais pelos países industrializados do Hemisfério Norte.

Hoje o Chile é, de acordo com quase todos os critérios, o país mais desenvolvido da América do Sul, após sucessivos episódios de liberalização interna da sua economia, abertura aos fluxos comerciais internacionais e condução quase exemplar das finanças públicas. Na verdade, quer durante o regime militar instaurado após 1973 quer o após o regresso à democracia, os governos apostaram na eliminação dos constrangimentos ao funcionamento dos mercados de fatores e de produtos, renovaram o enquadramento do sector financeiro, criaram sistemas de regulação independentes e atuantes e proporcionaram ao Banco Central a independência adequada à manutenção de um ambiente de baixa inflação e estabilidade macroeconómica. Por outro lado, consolidaram-se as finanças públicas assegurando as expectativas de impostos futuros baixos até porque existe salvaguarda constitucional de bom comportamento orçamental.

O caso do Chile mostra que a persistência em políticas adequadas é a melhor garantia de prosperidade económica. Os chilenos têm-no feito independentemente do regime político e até, no período democrático, das opções ideológicas dos governos. É certo que a globalização catapultou o Chile para uma posição ganhadora. A emergência de novos potentados industriais, tanto no Oriente como na América Latina, estimulou a procura dos seus recursos e os ganhos resultantes das exportações. A despeito de flutuações ligadas ao ciclo económico internacional, a procura crescente pelos seus recursos contribuiu para a melhoria da posição externa e para a consolidação do crescimento.

Nos últimos 20 anos a economia chilena cresceu a uma média de mais de 4 por cento ao ano em termos reais e as perspetivas de médio prazo continuam claramente positivas. É hoje uma economia que há muito ultrapassou as perspetivas de pobreza embora ainda mantenha uma relevante desigualdade na distribuição do rendimento, mesmo assim bem menor do que a que já se registará em países como a China. Tem, porém, se o quiser, os meios para melhor distribuir a riqueza e continuar a crescer.

Portugal, pelo seu lado, seguiu o caminho inverso: cresceu a menos de 1% ao ano nos últimos 12 anos, agravou significativamente os desequilíbrios económicos, e não se soube posicionar para ser um beneficiário líquido da globalização. As opções erradas que seguiu não melhoraram, antes pelo contrário, a distribuição de rendimento. Mesmo a melhoria neste capítulo tenderá a ocorrer do pior modo, ou seja, através do nivelamento em baixa.

António Nogueira Leite, vice-presidente da CGD 


Opinião


Multimédia

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Costeletas de borrego com migas de castanhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub