0
Anterior
Como os portugueses estão a aproveitar a crise em Espanha
Seguinte
Economia espanhola recua 1% no segundo trimestre
Página Inicial   >  Economia  >   Chegar, ver e vencer no coração de Madrid

Chegar, ver e vencer no coração de Madrid

Em cinco anos, o jovem empresário José Torres construiu uma rede multinacional a partir do zero. Sediado em Madrid, diz que os portugueses devem arriscar mais.
|

Ao ritmo madrileno, e bem perto da praça Colón - onde está o Museu de Cera e a Biblioteca Nacional -, José Filipe Torres, com 31 anos, gere a rede multinacional da sua empresa, a Bloom Consulting, especializada em desenvolvimento de marcas (branding) para empresas, regiões e países.

Tudo começou depois de ter sido contratado em Londres por uma empresa norte-americana, acabando por ir parar a Madrid. Ao fim de pouco tempo a trabalhar na capital espanhola decidiu abrir a sua própria empresa para desenvolver aquilo que mais gosta de fazer: marcas de países, o designado country branding. Na altura, pouco mais teria que dinheiro de bolso. Hoje, volvidos mais de cinco anos, a sua empresa é citada entre os 100 projectos mais inovadores do mercado espanhol.

Além de Lisboa, também tem escritórios em Miami, em Sofia (Bulgária) e Copenhaga (Dinamarca). O site da Bloom Consulting  detalha a rede mundial com que trabalha, a sua equipa de colaboradores e os países e as empresas que conta como seus clientes. "É preciso acreditar num projecto, e eu acreditei no meu. O resultado está a ser gratificante", diz José Torres, considerando que, regra geral, os portugueses são excelentes profissionais em qualquer parte do mundo.

Contudo, também reconhece que não há resultados sem esforço. "Comecei a ir às primeiras reuniões de trabalho de autocarro, porque não tinha dinheiro para mais. Hoje já vou de avião para Lisboa", ironiza.

Também recorda que inicialmente tentou trabalhar com o Governo português e que nada lhe foi fácil. "Em muitas ocasiões ofereci os meus serviços, grátis - que é uma coisa que nunca faço a ninguém -, porque era um trabalho que tinha gosto e empenho em desenvolver. Queria trabalhar a marca do meu país. Mas, infelizmente, nem assim consegui".

José Torres gosta de viver em Madrid. Gosta do ritmo da cidade. E passa o tempo a analisar projectos internacionais. A sua agenda diária inclui conferências telefónicas para vários continentes. "Agora a seguir tenho de ver como está a andar um projecto com Nova Iorque e logo a seguir outro com São Paulo", diz. As referências ao seu trabalho já são muitas. A nível internacional dá cartas. Na Fundação Luso-Espanhola, o vice-presidente, José António Silva e Sousa, considera que José Torres já é um nome incontornável na sua área.

"O sucesso depende primeiro da capacidade de iniciativa. Quem não tentar, nunca saberá", observa José Torres. Mas no mundo globalizado, em que as empresas têm de trabalhar diversos mercados ao mesmo tempo, a comunicação eficiente torna-se uma ferramenta indispensável para a gestão das marcas. "Até para um país, a boa gestão da marca contribui bastante para o crescimento da riqueza", alerta.

No próprio site da Bloom Consulting na Internet é referido que a estratégia de country branding potencia em 5% o crescimento do produto interno bruto. Paralelamente, José Torres lastima que algumas recentes aquisições de empresas em Espanha por parte de grupos portugueses, sendo operações importantes, se tenham perdido no quase anonimato. "Esses grupos até podem ter estratégias, mas a sua visibilidade é nula", diz.

Em contrapartida, reconhece que há grupos portugueses que não descuram esta exigência. "Há empresas portuguesas das áreas da energia e da banca que têm desenvolvido um trabalho excelente em Espanha e gozam desse reconhecimento público".

Texto publicado na edição do Expresso de 8 de Agosto de 2009


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub