24
Anterior
O que faz falta aos museus portugueses?
Seguinte
Museu Britânico expõe outro olhar sobre Pompeia
Página Inicial   >  Cultura  >   Chef David Muñoz recria a última ceia

Chef David Muñoz recria a última ceia

Num programa a emitir às 13h41 pelo Canal História - o catalão David Muñoz recria a ementa da úItima ceia de Cristo. 
|

O chef David Muñoz recria a ementa com cerca de dois mil anos de "A Última Ceia", num programa que é emitido hoje às 13h41 pelo canal História.

O canal aproveita a aproximação da Semana Santa para este programa com a recriação da famosa última refeição de Jesus com os seus discípulos, que tem sido objecto de múltiplos estudo e interpretações artísticas ao longo dos tempos.

O projeto partiu de uma investigação paleogastronómica de Miguel Ángel Almodóvar (autor do livro "Bocados com Historia") sobre os alimentos que foram servidos na refeição. Uma base de trabalho que o chef David Muñoz adaptou ao estilo contemporâneo.

Utilizando ingredientes historicamente comprovados como pão sem levedura e o cordeiro, o chef criou depois pratos alusivos à "Última Ceia".

O resultado é uma refeição composta por cinco pratos, entre os quais "ouriços com coroa de espinhas ou trutas com cristas de galo, que aludem à negação de Pedro".

O programa foi gravado no restaurante de David Muñoz, vencedor de duas estrelas Michelin.


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 24 Comentar
ordenar por:
mais votados
Não esquecer os ingredientes fundamentais
Para todos os efeitos, a Igreja Católica defende, e classificou o assunto como dogma, que Jesus partilhou com os apóstolos a carne e o sangue do seu corpo.

O dogma em causa é o da Transubstanciação, dogma esse que levou a Igreja Católica a perseguir as correntes materialistas da Física, ameaçando com a morte na fogueira todos quantos se atrevessem a questionar a transformação efectiva das matérias do pão e do vinho nas matérias da carne e do sangue de Jesus.

Curiosamente, uma boa parte dos católicos julga que a comunhão é meramente simbólica, desconhecendo por completo que, segundo a ICAR, o pão se transubstancia no verdadeiro e real corpo de Cristo e o vinho no seu verdadeiro e real sangue. Mas, ao contrário do que sucede com muitas outras Igrejas, para as quais a comunhão é meramente simbólica, a ICAR continua a defender o seu dogma.

Por isso, o cozinheiro que não se esqueça de incluir carne e sangue humanos, caso não tenha à mão um padre que lhe faça o obséquio executar o "milagre" da transubstanciação.

Mas, se aparecer um padre, o dito cujo que aproveite para fazer o "milagre" com umas boas litradas de vinho, distribuindo-o generosamente pela equipa da TV. Poderemos, assim, verificar se o "sangue de Cristo" não embriaga!!!

Mas, infelizmente, os católicos têm muita fé mas têm ainda mais medo das evidências.

hehehehehehehehe
Nada mau,
para uma última ceia ... O chato que dentre os convidados, um seria traidor e, outro, um mentiroso e acima de tudo, medroso. Duas companhias de peso. A história desse "corredor da morte" realmente deixa muitas dúvidas, a começar pelo castigo imposto (crucificação), o enterro na forma usual (quando não poderia ter acontecido, pois os crucificados ficavam expostos até a decomposição, como forma de advertência) e a tal "última ceia". Parece uma encenação teatral que, depois de dois mil anos, dificilmente poderá ser investigado o que realmente aconteceu, tal a lenda que se formou em torno desses acontecimentos. Mas a ideia da ceia, nos dias de hoje, como disse, pode ser uma boa tirada, com umas excelentes rendas (moedas) no bolso e um certo ar de misticismo. Rio Grande
Já que era para fazer, fazia correctamente...
Ao início pareceu-me uma excelente ideia, mas depois de ver o vídeo fico abismado com tão grande falta de bom senso. Os judeus (incluindo Jesus) não comem, nem comiam na altura, porco, marisco, pato nem enguia. Há tantas coisas para cozinhar, havia mesmo a necessidade de introduzir estes artigos completamente contrários às escrituras? Uma breve passagem por Deuteronómio 14 seria suficiente para fazer pratos a condizer com a ocasião. No final, acaba por ser apenas mais um falta de respeito gastronómica...
Deuteronómio????
Ignorância...
Que grande desrespeito!
Completamente fora do objectivo
Falta de objectividade?
Católico??
Última ceia
Realmente sem comentários...
Não percebeu ou não quer perceber?
Sério?
Com licença...
Dá para ver que pode ir para o raio que o parta!
Bem, lendo bem...
Desrespeito...
Muito gosta esta gentinha...
... de estorinhas da carochinha. Jesus nunca existiu, quanto mais a última ceia!
Pois é
O que poderá querer dizer...
Sério?
Estorias da Carochinha!
Gosto
Eu tenho para comigo, que Jesus Cristo não era judeu. Pode ser que tivesse um antepassado judeu, porém ele não o era. Agora, eu acho bem interessante esta interpretação artística, pois até não é insultuosa, que como tal está lindíssimo. Eu vou fazer o possível para ver o programa porque o vídeo evidencia a imensa arte do mestra.
Gosto
Eu tenho para comigo, que Jesus Cristo não era judeu. Pode ser que tivesse um antepassado judeu, porém ele não o era. Agora, eu acho bem interessante esta interpretação artística, pois até não é insultuosa, que como tal está lindíssimo. Eu vou fazer o possível para ver o programa porque o vídeo evidencia a imensa arte do mestra. E, claro, por se tratar de uma figura ímpar que é Jesus Cristo.
Comentários 24 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub