Anterior
Portugal vale mesmo a pena
Seguinte
O jeito que dá a Alemanha, pá
Página Inicial   >  Blogues  >  A Tempo e a Desmodo  >  Católico e liberal (por esta ordem e sem contradição)

Católico e liberal (por esta ordem e sem contradição)

A Tempo e a Desmodo - Católico e liberal (por esta ordem e sem contradição)

Manuel Clemente, um liberal católico, fez a sua tese de doutoramento sobre um dos grandes liberais católicos do século XIX: Conde de Samodães, Francisco de Azeredo Teixeira de Aguilar (1828-1918). Em Porquê e Para Quê, o bispo do Porto apresenta uma pequena súmula da tese: "Religião e liberdade no Porto oitocentista (ou a componente católica do liberalismo portuense". É um texto pequenino, mas não deixa de ser fundamental. Tem muitas pistas sobre a história portuguesa, sobre a história do catolicismo português. 

Durante toda a vida, Samodães bateu-se contra as intromissões do Estado na "liberdade da Igreja", isto é, defendia a autonomia de organização e apostolado da Igreja face ao regalismo permanente dos governos liberais. Mas isto não transformava Samodães num miguelista ou num miguelista reloaded (integralista). Samodães era adepto do regime constitucional, ao contrário de outros católicos que consideravam esse regime como algo ilegítimo e intrinsecamente inimigo da Igreja.

Devido a este equilíbrio entre liberdade política e liberdade religiosa, típico do liberalismo clássico, os liberais católicos do Porto foram fundamentais para a consolidação do regime constitucional no norte do país (Associação Católica e A Palavra, o jornal do movimento). Samodães & Cia. retirou o pretexto religioso aos legitimistas, que confundiam a reacção iliberal com a causa católica. No fundo, este liberalismo portuense demonstrou que se podia ser - ao mesmo tempo - devotamente católico e empenhadamente liberal e defensor das instituições representativas. "Pode-se ser liberal e católico sem contradição nem confusão de ideias", dizia Samodães. Este Conde portuense considerava que o regime liberal era mesmo o mais consentâneo com a revelação cristã. Para serem aceitáveis para um católico, as instituições tinham de criar um governo que anulasse a anarquia, mas isso não podia significar despotismo - a negação do "princípio católico da liberdade individual". O regime liberal e representativo era, portanto, a forma mais cristã de controlar o governo necessário.

Todavia, não era fácil fazer esta defesa católica da liberdade política do liberalismo. Na Europa latina, o liberalismo impôs-se contra algumas instituições e práticas anteriores, designadamente o congregacionalismo religioso. E a desconfiança anti-liberal acabou por triunfar entre os católicos portugueses. Entre o liberalismo de Samodães e o autoritarismo de Sardinha e Salazar, a maioria dos católicos enveredou pela segunda linha durante o caos da I República. E esta foi a desgraça do catolicismo português do século XX: confundiu a reacção iliberal com a causa católica, como se autoritarismo e catolicismo fossem a mesma coisa. A libertação do catolicismo da chantagem integralista e salazarista só começou nos anos 60 com a revista O Tempo e o Modo. Mas isso já são contas de outro rosário.


Opinião


Multimédia

Retrato político de um país livre

Traçámos um mapa partindo dos resultados das eleições para a Assembleia Constituinte de 1975 e dos resultados das últimas eleições legislativas em 2011. O que mudou ao longo desse tempo? Como é que cada concelho votou em 1975 e em 2011? E como evoluiu a abstenção? Clicando sobre o ano e depois sobre os concelhos, no mapa ou no filtro, surgem as respostas.

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.


Comentários 42 Comentar
ordenar por:
mais votados
Intromissões e intromissais
«Durante toda a vida, Samodães bateu-se contra as intromissões do Estado na "liberdade da Igreja"...» (HR)

Coitadinha da liberdade da Igreja! Como bem sabemos, o contrário nunca sucedeu e, ainda hoje, a Igreja não exerce as mais diversas formas de pressão e de condicionamento das leis dos Estados, pois não?

Que liberdade quer a Igreja, quando é ela que faz a apologia da limitação dos direitos de alguns em detrimento de outros?

Quer a Igreja liberdade para impor as suas lógicas misóginas ou homofóbicas?

Quer a Igreja liberdade para limitar opções individuais e impor as suas lógicas fascistas, segundo as quais o indivíduo tem de balizar o seu comportamento por aquilo que consta na bíblia e as leis do Estado têm de estar de acordo com o que esse execrável livrinho advoga?

E que tal, São Raposo, bater-se contra as intromissões da Igreja nas liberdades do Estado laico?
Re: Intromissões e intromissais
Re: Intromissões e intromissais
Re: Intromissões e intromissais
Re: k 7 GASTA
Re: k 7 GASTA
Re: k 7 GASTA
Pedras x Odi
Re: Pedras x Odi
Re: Intromissões e intromissais
Re: Intromissões e intromissais
Re: Intromissões e intromissais
Re: Intromissões e intromissais
Ainda bem que Portugal é católico e não laico
Re: Intromissões e intromissais
A Igreja fora do Estado e do latifundio
Fora do Estado,porque a Igreja não deve intervir na politica.
A Igreja fora do latifundio porque a Igreja não deve ser rica,muito menos milionária.
A Igreja Católica,sobretudo a sua administração superior, apresenta-se como milionária: veja-se o Vaticano,as mordomias e o dia a dia dos seus cardeais.
Esta Igreja católica "oficial" precisa de uma grande vassourada.
Ler mais a Bíblia e praticar mais o seus ensinamentos: é o que se esperaria da hierarquia da Igreja.
Re: A Igreja fora do Estado e do latifundio
Re: A Igreja fora do Estado e do latifundio
Lindoooooo !!
Re: Lindoooooo !!
'Católico e liberal (esta ordem e sem contradição
Interessante curiosidade histórica. Não sei como a escola está neste momento, mas no meu secundário, a história raramente tinha tempo de chegar às complexidades do século XIX. Regra geral, a dinastia depois dos Filipes é-me mais distante que a pré-história Portuguesa (e mais desconhecida).

Mas este texto vai um bocadinho mais além disso, e mostra um fenómeno de todas as épocas: a tentativa permanente de conciliar a Igreja/religião com as mais diversas correntes político/ideológicas, e vice-versa. O que me é relevante aqui não é verificar que havia quem acreditasse que o liberalismo é mais "mais consentâneo com a revelação cristã" (e note-se que o liberalismo de Samodães, talvez abrangesse quase todos os partidos do nosso parlamento de hoje), é verificar que também existia quem pensasse o contrário. Esta preocupação de conciliação, só existe por consciência do tremendo poder de influência (e autoridade) que a Igreja tinha... o que em si, pode ser uma irónica contra-prova contra os argumentos de Samodães (presumidos do texto acima): Este acreditava genuinamente na Igreja, ou tentava criar as condições para esta não bloquear o liberalismo?

E aqui fica a principal lição a tomar, e talvez uma das razões para alguma da flexibilidade atual da sociedade: a separação Estado/Igreja, o laicismo do estado e o "a César o que é de César". Porque esforços como o de Samodães ou de Clemente seriam hoje sempre interessantes, mas naquele tempo, eram uma questão de sobrevivência.
Por esta ordem e sem contradição.


O meu Deus é aquele que odeia exactamente as mesmas pessoas que eu.

...
Muito bom artigo.
Deu-me a conhecer factos históricos que eu desconhecia, que provam que a Igreja não é (e não era) o 'bicho papão' que muitos ainda alegam ser, como se não tivesse saído do obscurantismo inquisitorial de há umas centenas de anos.

Quanto ao grande Homem que é D. Manuel Clemente, fico contente por saber que também é um liberal. Percebo agora porque é tão apreciado e respeitado no Porto, o berço do Liberalismo português.

Uma das características históricas da urbe portuense é o respeito pela diferença, pelas opções diversas (incluíndo em temas ligados à sexualidade), a valorização do empreendedorismo e o repúdio à intervenção de poderes centrais - as classes sociais mais elevadas do Porto foram sempre empresários (os burgueses) ou imigrantes (Ingleses, ou Minhotos e Transmontanos).

E estas são características que definem o Liberalismo, mesmo o actual.
Re: Muito bom artigo.
Re: Muito bom artigo.
Católico e Jornalista, mas só depois jornalista
O Henrique Raposo insiste em pregar.
A actualidade do país e os problemas sociais ficam aquém das suas pretensões. Talvez por não lhe garantirem a vida eterna.
Antes de ser jornalista assume-se católico, e assim define-se acima de tudo o resto. Por mim podia ficar no armário.

Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
Re: Católico e Jornalista, mas só depois jornalist
o poder
A igreja tem a importância que tem e que fazem crer ter, precisamente, pelo poder da religião.
A luta pelo poder leva a intromissões por parte da politica e vice versa.
Na verdade a politica e a religião, ou melhor, os dirigentes politicos e os dirigentes religiosos, lutam pelo mesmo e debatem-se lado a lado.
QUAL CONTRADIÇÃO?

1. Ponto prévio.
Conheço superficialmente mas pessoalmente D. Manuel Clemente.
Um homem inteligente, bem formado, muito culto e com uma sensibilidade imensa.
Sou, portanto, suspeito.

2. Ponto prévio.
Não vejo qualquer contradição.
Sou católico e liberal.
Sou, portanto, suspeito.

Não vejo qualquer contradição.
Não nos tempos de hoje.
Terá sido uma contradição porque os interesses da IC e dos liberais eram antagónicos na luta pelo poder.

Porque a Igreja foi contra a República a favor da Monarquia e mais tarde a favor do Estado Novo? Porque uns a trataram mal e outros bem. Não foi bonito, não senhor.

Alguém se lembra dos comunistas cristãos?
Também não vêem contradições.
Ou, melhor, onde as há, optam por um dos caminhos.

Na minha modestíssima opinião, Cristo estava-se perfeitamente nas tintas para o sistema político-económico.
O que se inventou, defendeu ou atacou depois disso e em seu nome, é pouco importante.

Os católicos portugueses não votam de acordo com a sua religião, mas de acordo com as suas convicções políticas. Sejam elas quais forem. Muitas vezes discuti política na minha paróquia e nunca me foi apontada nenhuma contradição.

Curiosamente,

Samodães denunciou corajosamente o regalismo e o despotismo do Marquês de Pombal.
E fê-lo por alturas do 1º. centenário da morte do famigerado ministro.
E foi por isso ferozmente atacado, pela maçonaria, na Galeria Republicana e nas caricaturas de Rafael Bordalo. Pº.
Curiosamente os auto-proclamados "liberais" herdaram o regalismo e o anti-congregacionismo de Pombal.
Particularmente o anti-jesuitismo.
E à sua maneira foram também despóticos.
Que outra designação poderemos nós dar à acção que já vinha detrás, do tempo de Joaquim António de Aguiar, por exemplo.

Colocar Salazar nos antípodas da posição de Samodães, parece-me despropositado. Descabido mesmo.

Enfileirar Samodães nos "vencidos do catolicismo" como tão bem rotulou o mais ilustre deles - Bénard da Costa- parece-me um tanto surrealista.
Quem se faz de mel ...

Há o provérbio - não sei se é árabe - que diz:
«Quem se faz de mel as moscas o comem...»

Deixei aqui este brocardo á reflexão e aos comentários que eventualmente aparecerem
Re: Eu concluiria assim ...
Então em que é que ficamos?

O texto começa assim:
"Manuel Clemente, um liberal católico..."

Mas o título já tinha avisado:
"Católico e liberal (por esta ordem e sem contradição) "

Então em que é que ficamos?
Bom católico e liberal também

Para um bom católico, a liberdade de cada um não deve colidir com a liberdade do outro.

Um bom católico acredita na liberdade de escolha, na liberdade de decisão, no livre arbítrio, portanto.
Um bom católico não aceita o determinismo, pelo menos na sua forma absoluta.

Um bom católico é assim desde a vinda de Cristo e nesse espírito e nesse proceder, atravessou os tempos até hoje, igual a si mesmo.
Não se deixou emperrar na Idade Média, nem ficou a dever nada aos tempos do chamado "liberalismo".
Com os quais, nada aprendeu.

Um bom católico, aceita de qualquer corrente ou doutrina (que pode incluir o chamado "liberalismo") aquilo que ele vir que é cristão e rejeita o que é anti-cristão.

Estou certo ou errado?
Re: Bom católico e liberal também
Miguelismo
O miguelismo é, em Portugal, o representante da monarquia de raíz popular. Uma monarquia que vai buscar ao povo - e não à Igreja ou à aristocracia - o seu suporte e o suporte da sua legitimidade. Não esquecer que foi o Senado da Câmara de Lisboa que, em 25 de Abril (!!!) de 1828, aclamou D. Miguel como rei. E Oliveira Martins, no que julgava ser uma crítica, acusava de serem os miseráveis e as prostitutas quem apoiava D. Miguel em Lisboa. A burguesia nascente e alguma aristocracia afrancesada é que apoiava a causa de D. Maria da Glória. Na sua sábia ignorância, o povo sabia que precisava do Rei para se proteger da burguesia e da aristocracia, e da sua opressão. O Rei não era opressor, mas libertador. Por isso o carlismo, em Espanha, movimento de ideias paralelo do miguelismo, se assumiu como auto-gestionário, defensor da posse dos meios de produção pelos trabalhadores, e defensor dos direitos comunitários a todos os níveis. Foi por este carácter popular do miguelismo que a maçonaria, representante por excelência dos interesses burgueses e capitalistas, se tornou na inimiga feroz da legitimidade de D. Miguel I, sancionada em Cortes tradicionais, com forte representação popular. Se a monarquia voltasse um dia a Portugal, só interessaria se fosse numa versão actualizada desse miguelismo vinculado ao povo.
Comentários 42 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub