Anterior
Pestana entra em Marrocos
Seguinte
Vieira da Silva garante estar a acompanhar caso Marsans
Página Inicial   >  Economia  >  Turismo  >   Caso Marsans: Provedor apela ao Governo para "supervisão a sério"

Caso Marsans: Provedor apela ao Governo para "supervisão a sério"

Marsans devia ter entregue ao Turismo de Portugal caução de 250 mil euros, em vez de 25 mil. Continuam a avolumar-se reclamações dos clientes, ainda sem fim à vista. Provedor da APAVT repete: "É caso de polícia"
|
A DECO já recebeu dezenas de reclamações de clientes das agências Marsans
A DECO já recebeu dezenas de reclamações de clientes das agências Marsans  / Alberto Frias

"É gravíssimo e lamentável, repito: um caso de polícia, que precisa de ser investigado", declarou Vera Jardim, provedor da associação portuguesa das agências de viagens (APAVT), acerca da evolução da situação em torno da falência da Marsans .

Vera Jardim afirma-se "surpreendido" com a caução de 25 mil euros, o valor mínimo legal, entregue pela Marsans ao Turismo de Portugal, quando devia ter pago 250 mil euros, o equivalente à venda de pacotes turísticos no valor de 10 milhões de euros (num volume de negócios global de cerca de 38 milhões). E a Marsans declarou ao Turismo de Portugal zero de venda de pacotes turísticos em 2009, justificando assim a caução mínima de 25 mil euros, montante declaradamente insuficiente para reembolsar os clientes lesados.

"Em caso de falência, esta caução é a única garantia dos clientes", frisou o Provedor da APAVT. "É preciso supervisão a sério, caminhar para uma fiscalização mais potente. E não é muito difícil: basta que se vejam as contas das empresas". Segundo o Provedor, a caução declarada pela Marsans poderá mesmo configurar "um crime por falsas declarações".

Vera Jardim assumiu o compromisso de, nos próximos dias, "escrever ao Governo, ao Primeiro Ministro e ao Ministro da Economia, alertando para a necessidade de se criarem mecanismos especiais em relação às cauções".

Responsabilidade da Auchan é "matéria para advogados"


O grupo Auchan, detentor dos hipermercados Jumbo, que tem uma parceria com a Marsans para venda de viagens (as lojas laterais aos hipermercados com a insígnia "Auchan by Marsans") também já se demarcou de qualquer responsabilidade em relação ao reembolso dos clientes lesados pela Marsans. A Auchan alega ter rescindido o contrato com a Marsans no final de Junho, pondo fim à parceria desde 2003, antecipando este prazo em um mês.

"A responsabilidade da Auchan é uma questão complicada, sobre a qual não me vou pronunciar. É uma matéria para os advogados verem", considerou o provedor da APAVT. 

Por resolver, está ainda a situação de muitos clientes da Marsans. "Não temos noção exata de quantas pessoas foram prejudicadas, mas foram de certeza centenas", referiu Vera Jardim. Segundo as últimas contas, que datam do início da tarde de ontem, 5 de Julho, chegaram ao Provedor da APAVT 145 reclamações de clientes da Marsans, a que se somam 140 junto da Deco (com quem a APAVT tem um acordo de cooperação para estes casos). Como a Deco já fez saber, as queixas partiram de clientes que compraram à Marsans pacotes de viagens entre 600 e 5 mil euros.

Muitos dos clientes que ontem se dirigiram às lojas Marsans, na tentativa de resolver os seus problemas, acabaram por enviar reclamações ao Provedor. Vera Jardim prometeu que todos estes casos irão ter resposta ainda esta semana, mas ressalvou que esta vale como uma decisão do provedor, não é para os clientes uma garantia directa de reaver o dinheiro. "Não posso ir a correr atrás da Marsans para devolver o dinheiro aos clientes", sublinhou.

Contactar operadores, antes de dar mais dinheiro à Marsans 


Sobre as promessas divulgadas pela Marsans de devolver o dinheiro aos clientes em Portugal, o Provedor das agências de viagens declarou: "faço votos para que sim".

Apesar da empresa espanhola ter garantido para ontem, 5 de Julho, a reabertura das 32 lojas em Portugal, muitas delas permanecem encerradas. Aos clientes que desde ontem se dirigem às lojas, a Marsans tem dito para pagar na totalidade, prometendo então emitir os respectivos "vouchers". A estes, Vera Jardim dá um conselho, antes de passar mais dinheiro à Marsans: "Contactem primeiro os operadores, para saber o que já está pago".

Vera Jardim afirmou-se também perplexo ao tomar conhecimento que a Marsans "tinha recebido pagamentos dos clientes até ao último dia, antes de fechar as portas".  

"Os consumidores têm direito a reaver o seu dinheiro", sustentou Vera Jardim, alegando não poder fazer mais enquanto Provedor, além da pressão junto do Governo e entidades oficiais. "Perante este caso tão grave, em que milhares de pessoas, com sacrifício e por vezes recurso a crédito, compraram as suas férias e são confrontadas com uma situação destas, temos de levar isto a sério"

Vera Jardim enfatiza que um caso como o da Marsans "é a primeira vez que acontece em Portugal", e sustenta que não deverá manchar "o bom nome" das restantes agências que operam no país. Em Espanha, o processo de falência da Marsans já está em curso, mas em Portugal ainda não foi declarada. "Não sabemos ainda o que irá suceder a esta agência de viagens", referiu.


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Cheira a esturro
O grupo Auchan desmarcar-se um mês antes? é muita coincidência ou anda muita coisa nublada.
Mas não invalida a má prestação das entidades fiscalizadoras.
Mais uma argolada de quem tem poder.
Re: Cheira a esturro
Quando é que acabam os tachos?
Meus amigos, isto não passa de mais uma brutal vergonha a que este pais nos vai habituando. O provedor agora é que vai fazer perguntas ao governo? Este senhor e o Presidente do Turismo de Portugal o que andam a fazer? A dormir por certo. Não me digam que não sabiam que os rapazes não sabiam que todas as agências têm o mesmo Alvará e por isso uma causão unica? E existem mais a operar assim. Este Vera Jardim já não lhe chegam as reformas como deputado ainda tem que andar a comer como provedor. Em vez de fazer este ar de espanto de uma coisa que devia saber, a unica pergunta que deve fazer ao Estado é O QUE ANDO EU AQUI A FAZER?
Comentários 3 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub