6
Anterior
Como se faz uma multinacional?
Seguinte
Moody's baixa rating da dívida da Grécia
Página Inicial   >  Economia  >  Cancelada greve nos hiper e supermercados

Cancelada greve nos hiper e supermercados

A Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços desconvocou a greve marcada para a véspera de Natal nos hiper e supermercados.
Lusa |
A APED classificou a greve de atitude oportunista e demagógica do sindicato
A APED classificou a greve de atitude oportunista e demagógica do sindicato / António Pedro Ferreira
A Federação Portuguesa dos Sindicatos do Comércio, Escritórios e Serviços (FEPCES) cancelou a greve marcada para a véspera de Natal nos hiper e supermercados e outros espaços de comércio moderno, refere o sindicato na sua página da internet. 
 
"Face à posição expressa, especialmente, das empresas que estão a comunicar aos trabalhadores que a proposta da Associação Patronal (APED) é retirada e à posição já expressa pela APED, em particular na reunião informal hoje mesmo realizada, o CESP/FEPCES retira o Pré-Aviso de Greve para 24 de Dezembro, na Grande Distribuição, na convicção que não vão para a frente as 12 horas/dia e as 60 horas por semana fixadas de véspera", lê-se naquela página. 

O sindicato acrescenta que "estão reunidas as condições para prosseguir as negociações" sobre a actualização dos salários e congratula-se com a "mobilização e organização" dos trabalhadores que considera terem sido "determinantes" para inviabilizar o modelo de "flexi-segurança à portuguesa", que pretendia aumentar as 40 horas de trabalho semanais para as 60 horas. 

Mais horas de trabalho semanais


APED e FEPCES estão em desacordo quanto à proposta da associação de aumentar o número de horas semanais de trabalho flexível para o máximo previsto no actual Código de Trabalho, que possibilita acrescentar mais quatro horas às oito horas diárias, até a um máximo de 60 horas semanais.  
 
O presidente da APED, Vicente Dias, em declarações à Lusa, explicou não ter havido hoje qualquer reunião entre a APED e o sindicato, tal como a associação tinha anunciado em comunicado. 
 
"Apesar da reunião ter sido cancelada, os membros da FEPCES deslocaram-se na mesma à sede da APED e, apenas por uma questão de cortesia, foram recebidos num encontro muito breve", afirmou Vicente Dias.  

Reunião cancelada


A APED cancelou hoje a reunião com a FEPCES, a quarta desde que em Outubro começou a negociar a revisão do acordo colectivo de trabalho, justificando não existirem as "condições necessárias" para retomar as conversações enquanto a greve não fosse desconvocada. 
 
O presidente da APED classificou a greve como uma medida "injustificável" e "inútil", defendendo que o sindicato "deve olhar para a empresa de uma forma global".


Opinião


Multimédia

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Hoje é dia de cozido serrano... light

O Talasnal é talvez a mais famosa das aldeias de Xisto da Lousã, cheia de carisma e de pormenores que fazem esquecer o tempo a passar. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta receita.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.


Comentários 6 Comentar
ordenar por:
mais votados
greve
Os lobos da distribuição ficaram gagos, mas se a malta do pé rapado se apercebe da força que tem ao fazer greve, nesse dia fica muito milhão por entrar no covil ai fica fica
Á com cada um
Trabalhar 12 h por dia e por cima com o ordenado minimo, boa medida civica.
Uns andam de bicicleta para outros andarem de Ferrari.
Grande democracia pior que a do Dr Salazar.
Expirou
A greve como forma de luta, já teve o seu tempo áureo. A evolução dos tempos remeteu-a para o museu onde permanecerá por tempo indeterminado. A precaridade do trabalho, o desemprego e o medo que paira sobre quem precisa de trabalhar, faz com que esta forma de luta tivesse caído em desuso. Era pois expectável que a mesma tivesse sido abortada. O tempo que vivemos não está para reivindicações de direitos. Está mais para a observância dos deveres. E quem trabalha sabe e "sente" no dia a dia que a manutenção do seu posto de trabalho, depende muito daquilo que fizer. Se nada fizer, o patrão considerá-lo-á dispensável. Já agora, que tal os sindicatos preocuparem-se com os desempregados ? São cada vez mais. Embora, coitados, não tivessem dinheiro para pagar as quotas a quem supostamente os "defende" e "representa".
Re: Expirou
E o resto?
Alem da tentativa das 60 horas semanais, sabiam que por exemplo no modelo do montijo, nos ultimos 2 meses, muitos efectivos foram transferidos para longe de casa, que os horarios é ao sabor do vento, hoje o chefe diz o horario da amanha, que os dias de folga é conforme o chefe ou director quer. Maes que nunca estao com os filhos devido a horarios que não lembra a ninguem. Clima e medo e coloboradoras massacradas psicologicamente chegando ao cumulo do director afirmar que é um deus. Casos de pessoas da caixa colocadas na peixaria sem nunca terem trabalhado com facas e sem qualquer formação com o perigo de ficarem sem uma mao, tudo para se despedirem e colocarem contratados com ordenados mais baixos. Ninguem imagina o que anda acontecer nos hipermercados portugueses, Está em curso uma estrategia pelo grandes grupos aproveitando a crise para ganhar muito mais do que já ganham. Isto das 60 horas não é nada do que realmente se passa e os trabalhadores principalmente as mulheres não falam por terem medo de perder o emprego
As grandes superficies tornaram-se um Império
Os governos ao deixarem abrir super e hiper mercados como cogumelos por todo o país, em que há sítios que a algumas horas do dia, estão completamente às moscas, cria uma situação caricata de volatilidade no emprego, que nem a flexibilização em vigor no novo Código de Trabalho vai atenuar ou resolver.

Os patrões com forte poder económico/financeiro por usarem os pagamentos "cash" e pagarem a 90 dias aos desgraçados dos fornecedores, que tem de aceder ao seu poder, pois, caso contrário não tem onde colocar os seus produtos por falta de estruturas (produção/logística) e se sujeitam exclusivamente ao mercado nacional, principalmente nos produtos perecíveis.

Os patrões sabem que com alto desemprego e em tempos de crise é a situação ideal e favorável para prepotentemente imporem as suas exigências de não formação, excesso de horários e baixos salários.

Os trabalhadores infelizmente não tem força para se confrontarem com uma greve e que se aderirem correm sérios riscos de ficarem apontados para que numa próxima oportunidade, serem os primeiros a virem para a rua e não há inspectores espalhados pelo país, para fiscalizar estas graves situações, inclusive chega-se ao ponto de serem os próprios trabalhadores a não dizerem aos fiscais, as tropelias da entidade patronal por via dos chefes e gerentes de loja.

Depois chega-se a este ponto de medo de fazer greve, por receio dos próprios sindicatos de poder ser um fiasco, que deixaria marcas difíceis de prever.
Comentários 6 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub