Anterior
"PS não está sob chantagem", diz Assis
Seguinte
Homossexuais devem ter acesso a tratamentos de infertilidade
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Câmara de Faro pode ganhar 3 milhões com parquímetros

Câmara de Faro pode ganhar 3 milhões com parquímetros

Autarquia instalou quase mil novos parquímetros nas zonas centrais de Faro. Moradores e trabalhadores reclamam mas o edil Macário Correia diz que há motivos políticos por trás.
|
A instalação de quase mil parquímetros em Faro poderá render à CMF perto de 3,5 milhões de euros em 84 meses.
A instalação de quase mil parquímetros em Faro poderá render à CMF perto de 3,5 milhões de euros em 84 meses. / Mário Lino

Os tempos não estão fáceis, nem para os automobilistas nem para a Câmara Municipal de Faro, mas certo é que a autarquia não pretende voltar atrás com a instalação de novos parquímetros - cerca de mil - um pouco por toda a cidade.

A medida não tem sido acolhida de forma pacífica pelos residentes, mas sobretudo pelos trabalhadores de várias empresas e comércios locais, pouco habituados a terem de colocar moedas para alimentar as novas máquinas que povoam a cidade. Na verdade, a instalação de 954 parquímetros na capital algarvia poderá render aos cofres da autarquia cerca de 500 mil euros por ano ao longo de sete anos, segundo um estudo económico apresentado pela concessionária.

No total, as receitas para a Câmara de Faro poderão ascender a 3,5 milhões de euros, verba que representará 72% da receita total de exploração a confirmarem-se as expectativas de receitas pela entidade concessionária, de acordo com dados fornecidos ao Expresso pela autarquia.

Mas Macário Correia, presidente da Câmara de Faro, garante que o principal objetivo não é sequer fazer dinheiro: "O que nós queremos é disciplinar e ordenar o trânsito, reorganizar a mobilidade na cidade".  

O autarca garante ainda que existem alternativas: "Há transportes públicos em toda a cidade e há lugares a menos de cinco minutos dos lugares de trabalho, no Alto de Rodes, no Bom João, no Largo de São Francisco e na zona poente da cidade", explica Macário Correia.

Parquímetros vandalizados


Em Faro, a introdução de parquímetros está a alimentar polémica ao nível da oposição partidária e vários equipamentos foram mesmo vandalizados, como forma de protesto pela exploração das zonas de estacionamento.

Contactado pelo Expresso, Macário Correia garante no entanto que até ao momento recebeu escassas reclamações na Câmara contra a medida que implementou, mas já prevista pelo anterior executivo liderado por José Apolinário, do PS.

Quanto aos protestos - os contestatários dos parquímetros manifestaram-se hoje no Largo do Carmo, tendo reunido cerca de 100 pessoas - Macário garante que têm contornos políticos: "Isso é uma organização do PC através de um sindicato do PCP, há motivações politico-partidárias", afirma. Ainda assim, existe já também um abaixo assinado a circular com milhares de assinaturas, segundo dados apurados pela agência Lusa.

Fazer as contas


O concurso para colcação, fiscalização e policiamento dos parquímetros, lançado em maio de 2011, foi ganho pela empresa algarvia Masitrave, do grupo José de Sousa Barra&Filhos, com sede em Faro. No total, a confirmarem-se as expectativas da empresa que instalou os parquímetros, em sete anos os automobilistas da capital algarvia largarão em moedas 4,9 milhões de euros ao longo da duração do contrato, em vigor até 8 de novembro de 2018.

Deste montante, apenas 1,4 milhões ficarão para a concessionária, responsável pelo investimento da instalação dos parquímetros, bem como pela subsequente fiscalização e policiamento.

Fazendo as contas, de acordo com os dados disponibilizados pela autarquia, a introdução dos quase mil parquímetros na capital do Algarve dará uma receita líquida mensal de 41 mil euros à Câmara e de 17 mil euros à concessionária.   


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
Moderação
Com preços razoáveis é uma maneira de evitar muitos de carros estacionados, dias seguidos, em zonas movimentadas e de comércio. Obrigam à rotatividade e ao estacionamento de curta duração.
  Faro tem preços adequados : 20cents meia hora 40cents 50 minutos. Há parques grátis na periferia e pequenos autocarros urbanos.
Boa
Um cidadão civilizado de qualquer parte do mundo tem de ser favorável aos parquímetros e à luta sem tréguas contra o estacionamento selvagem, principalmente nos centros das cidades.

Parabéns à Câmara de Faro por encetar tão difícil tarefa e impopular, o que não é bom para eleições - é que os energúmenos causadores do estacionamento selvagem também votam!
Comentários 2 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Últimas


Pub