30
Anterior
Atentado suicida no Afeganistão
Seguinte
França: Eurobonds na UE só dentro de "vários anos"
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Calçada portuguesa descurada no Porto
com fotogaleria

Calçada portuguesa descurada no Porto

Empresas de serviços desrespeitam desenhos da calçada portuguesa no Porto, ao recolocarem à toa tampas de acesso ao subsolo. Veja as fotografias.
|

No troço principal da Rua Santa Catarina, no Porto, diversas tampas de serviços que intervêm no subsolo foram recolocadas sem salvaguardar minimamente a esquadria dos desenhos da bela calçada portuguesa.

A flagrante falta de profissionalismo na reposição das tampas indignou o portuense Vítor Viegas, que não hesitou em enviar ao Expresso as fotografias que revelam a incúria dos técnicos de serviços, como os TLP, Águas do Porto ou Gás, na maior zona comercial a céu aberto da Invicta.

"Os ditos serviços colocam as tampas sem qualquer respeito pelo desenho da calçada portuguesa. Impõem-se a pergunta: o que custava olhar para a tampa e colocá-la na posição correta?", questiona Vítor Viegas.

"Que dirão os turistas mais atentos? É nestes pequenos pormenores que se vê o desleixo com que tratamos o nosso patromónio", refere o portuense, apelando aos responsáveis por estes serviços que sensibilizem os seus funcionários.

Direção Municipal rejeita responsabilidade


A Direção Municipal da Via Pública garante que não emitiu recentemente para o local "nenhuma autorização", tratando-se de intervenções "com acesso através dessas tampas "não participadas ao município.

Após deslocação ao local, a Direção Municipal constatou serem tampas "de mais do que uma entidade, as quais vão ser intimadas a corrigirem de imediato a respetiva posição".  



Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 30 Comentar
ordenar por:
mais votados
Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Haviam de tentar descer a Avenida da Liberdade em Lisboa, muitas ruas no Porto e em Coimbra e pelo país inteiro!

Só consegue andar em cima dessa porcaria quem estiver de ténis de sola grossa!

Um idoso, um diabético de pés sensíveis, uma mulher grávida, até o cidadão comum, todos são potenciais vítimas dessa herança da idade média!

Qual é a lógica de insistir numa armadilha escorregadia quando chove e dolorosa para quem a pisa diariamente? E já nem falo nos infelizes com dificuldades motoras ou nos invisuais...

Metam essa treta numa rua para turista ver e tratem mas é da mobilidade dos cidadãos!

Somos o único país da Europa com as cidades revestidas a calhaus que cortam os pés...porque é giro!

Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Re: Queixam-se só por isto? Pfff!!!
Só pode ser propositado
Pessoalmente penso que só pode ser propositado, pois até um chimpanzé perceberia a lógica de recolocar as tampas com respeito pelos desenhos.

Isto deve de ser uma espécie de "privatre joke" entre quem faz estes serviços.

Mas que demonstra um muito mau profissionalismo e dá uma péssima imagem a quem nos visita, disso não há dúvida.

É o país da bandalheira, da irresponsabilidade e pior que tudo da falta de responsabilização, de chefes ou lideres que só lá estão para receber o deles ao fim do mês, e que começa no ignorar do mau serviço de quem coloca as tampas dos pavimentos e acaba no ilibar dos políticos do centrão dos desvios de milhares de milhões de euros.
Rui Rio e a Fiscalização da Câmara
Re: Só pode ser propositado
Jornalista Murcona?
Acho que esta Isabel Paulo nunca deve ter passado a sul do Rio Douro.

Então só o Porto é que descura a calçada à Portuguesa?

Apesar de no Porto a calçada ser conhecida por Calçada Lisboeta, motivo porque ela foi retirada da Avenida dos Aliados, e substituída pelo cinzento monótono do granito "à lá Souto de Moura", isso não quer dizer que em Lisboa ela seja respeitada. Aliás, é difícil encontrar um desenho alinhado em Lisboa, sempre que encontramos uma tampa no passeio.
Á toa?
Não é à toa. É de propósito e acontece por todo o país. Como que uma tradição entre funcionários.
Re: Calçada portuguesa descurada no Porto
nunca mais acabam com a maldita calçada portuguesa... só gera pó, quem quer levar os miúdos a rua de carrinho arriscasse a que saltem todas as rodas do carrinho, as senhoras e os saltos altos o dinheirão que se gasta em manutenção...é só vantagens ;)
Há casos bem piores...
Na cidade de Penafiel retiraram toda, quando digo toda é de facto toda a calçada portuguesa que existia na cidade, substituindo por pedra, que confesso que não sei o tipo. Essa pedra até é agradável à vista quando colocada, mas ao fim de algumas semanas, de passagens, pastilhas elásticas e carros, ficam completamente pretas...

Não percebo o sentido de descaracterizar uma cidade, anular património Português espalhado por todo o mundo..

Apenas sei que envolve muito dinheiro, e estão em fim de mandato..
Enfim.

Pelo menos tem a certeza que ninguém coloca as tampas de forma errada e assim não são noticia...
Re: Há casos bem piores...
Re: Há casos bem piores...
Trabalho mal feito
É simples! Não lhes paguem enquanto não corrigirem a situação!
Re: Calçada portuguesa descurada no Porto
Só pode ser propositado.
A calçada portuense
exiladonomundo.blogspot.it/2010/03/calcada-portuguesa.html
Não é incúria, é mesmo Burrice!
É uma burrice muito fácil de resolver! A incúria é mesmo o estado lastimoso de toda a rua Sta. Catarina, que sendo uma das principais ruas comerciais da baixa, mais parece um "canelho" sujo e malcheiroso! Envergonha-me muito mais ver aqueles contentores verdes de tampa aberta a exalar um cheiro nauseabundo junto à esplanada o Majestic, do que a posição das tampas de acesso ao subsolo! O cheiro a urina e o lixo estão por todo o lado, que mais parece estarmos numa rua de uma capital africana!
Isto sim é incúria!
É bonita mas perde piada depois de cairmos N vezes
Afinal não sou só eu que desprezo esta aberração de calçada.
Para além de perigosa e escorregadia quer quando está seca quer quando molhada, acumula imensa sujidade entre as pedras, deforma-se muito facilmente com agua e raizes de arvores.

Com o tempo as pedras saltam muito facilmente e vai ficando esburacado, e quanto mais polidas vão ficando as pedras mais vão reflectindo a luz do sol.

É maravilhoso andar na rua de manhã, olhamos para cima e ficamos encadeados pelo sol a nascer, olhamos para baixo para não levar com o sol e levamos com o reflexo nestas pedras polidas.

Quando tenho que andar um pouco mais rapido ou dar uma corrida prefiro ir pela berma da estrada, sempre tenho menos hipóteses de cair/escorregar.

Mesmo que o povo português tivesse um mínimo de civismo para não mandar todo o tipo de lixo/escarretas/cigarros/fezes/papeis/pastilhas/etc e mesmo que as nossas Câmaras Municipais fossem minimamente responsáveis e fizessem alguma manutenção periódica as calçadas, continuaria a ser perigoso e uma péssima ideia.

Já agora, mais alguém teve a bela experiência de passar uns tempos no estrangeiro e depois voltar para Portugal e ter a sensação que o chão está sempre torto e irregular e ter que re-adaptar para andar sempre de cabeça baixa em alerta para buracos/pedras soltas/tampas de esgoto/fezes?
Re: É bonita mas perde piada depois de cairmos N v
Re: É bonita mas perde piada depois de cairmos N v
Re: É bonita mas perde piada depois de cairmos N v
Bom Senso
Bom Dia a todos.
Julgo que vale a pena pensar um pouco antes de criticar alguma coisa. Provavelmente existe alguma razão lógica para os factos relatados e à primeira vista parece-me que uma delas será a mais rápida e fácil identificação das caixas aquando da necessidades de as utilizar. Muitos dirão que existirão outras formas de o fazer e terão a sua razão, mas este será mais um exemplo entre as diferenças de abordagem entre técnicos e meros curiosos ou entre engenheiros e arquitectos. São diferenças menores e de salutar e julgo que não valerá a pena criar uma guerra por isto.
Continuação de um bom dia.
funcionarios publicos!!!
Isso só confirma a realidade: Só vai para funcionário publico os coxos da cabeça e os retardados mentais. Se fossem bons estavam nos privados, mas como os privados fazem testes e selecionam os melhores!!!! Agoram façam comentários a isto para ver quem é funcionario publico por aqui (provavelmente retardado!!!)
Tanta parvoíce
Ler estas porcarias até doi.

Misturar a incúria e falta de civismo das pessoas com a calçada portuguesa só lembra mesmos aos eternos complexados do Porto... já nascem assim. É de Lisboa, logo não presta.

Comecem por apanhar as fezes dos cães, não cuspir e deitar papeis para o chão, manter os contentores fechados e todo o aspecto melhorará. Mas isso depende dos cidadãos.
 
Quanto à também eterna história de que lá fora é melhor... é só o costume de falar mal daquilo que é nosso. Já percorri quase todas as capitais da Europa e não só (poucas faltam) e não vi todas essas maravilhas que alguns, que se pretendem muito conhecedores e viajados, vêem. Lá fora em muitos, muitos casos, é igual ou pior. O povo é que é diferente!

Tratem mas é de ajudar a valorizar o património português e façam como lá fora, isso sim, chamem a atenção de quem tem um comportamento incorrecto como, por exemplo, deitar a ponta do cigarro para o chão.

Antigamente ainda poderiam ter a desculpa de que não existiam contentores, mas essa já não desculpa ninguém. Só têm de dar mais dez passos e assim ajudar a manter as cidades limpas. Contar só com os serviços das Câmaras é contar com uma solução impossível. Passa o cantoneiro e limpa e imediatamente atrás vem um cavalheiro que deita para o chão os papaeis que vinha a ler.

Não é o património que é mau, maus são os cidadãos que não o preservam.

É natural que alguém caia... na calçada portuguesa ou em qualquer outra.
Bela desculpa,
para mais umas lavagens de dinheiro. "Ah vamos contactar as entidades competetes, ponham lá aí no balanço 3 milhões de euros em mails/cartas/faxes e telegramas cantados" Mas é preciso contactar alguém? Não podem dar ordens aos varredores de rua/jardineiros/polícias para que coloquem as tampas direitas? Oh perdão, isso não faz parte das suas competências.
Comentários 30 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub