25 de abril de 2014 às 2:49
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Economia  ⁄  Caso BPN  ⁄  Caixa já injectou €4,2 mil milhões no BPN

Caixa já injectou €4,2 mil milhões no BPN

O presidente da Caixa Geral de Depósitos garante que os €4,2 mil milhões em empréstimos ao BPN não geram prejuízo ao banco público.Clique para visitar o dossiê Caso BPN
Lusa
O BPN registou prejuízos de €87 milhões até ao final de Setembro de 2009 António Pedro Ferreira O BPN registou prejuízos de €87 milhões até ao final de Setembro de 2009

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Faria de Oliveira, assegurou hoje aos deputados que as injecções de liquidez no Banco Português de Negócios (BPN), que ascendem a 4,2 mil milhões de euros, não têm impacto nos resultados do banco público.  

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ CASO BPN
 
"Os empréstimos [concedidos pela CGD ao banco nacionalizado em Novembro de 2008] têm uma remuneração perfeitamente marginal. Não se traduzem em resultados da caixa, mas não geram nenhum tipo de prejuízo", frisou Faria de Oliveira na Comissão Parlamentar do Orçamento e Finanças.  
 
"A CGD procura fazer cumprir o seu papel, que é assegurar liquidez no BPN", realçou o presidente, sublinhando que "não é por causa disso que se reduziu o crédito à economia".  

Caixa apta para financiar economia 


Faria de Oliveira afirmou que "a CGD continua perfeitamente disponível para financiar a economia" e que "se não crescemos mais no crédito às PME é por causa da situação do país"  
 
Questionado se as assistências de liquidez, que ascendiam a 4,2 mil milhões de euros a 14 de Janeiro, têm garantia, o banqueiro explicou que "só no início do processo é que o BPN tinha condições para prestar garantias, a partir daí não".  
 
Já sobre a evolução dos depósitos, que têm descido, Faria de Oliveira considerou que "é natural", por causa das "notícias menos favoráveis" que afectam a "confiança" dos clientes no banco.  

BPN com prejuízos de €87 milhões 


Faria de Oliveira revelou ainda que BPN teve prejuízos de 87 milhões a 30 de Setembro de 2009.  
 
Sobre o processo em curso de reprivatização do banco, Faria de Oliveira disse que não podia abrir, para já, o jogo: "Não posso adiantar muito sobre esta matéria porque é uma decisão do accionista, a caixa não é accionista, tem apenas a missão de gerir o BPN e assessorar o accionista em tudo o que for preciso".  
 
Contudo, Faria de Oliveira disse que "o processo está na fase final".
 
"Penso que na altura que foi tomada a decisão de nacionalização do BPN, era praticamente imprescindível, porque se vivia o momento mais crítico da crise", considerou Faria de Oliveira, realçando o "sério risco sistémico que tinha que ser imediatamente sustido".  
 
De acordo com o banqueiro, este risco era "perfeitamente consensual no âmbito de todo sistema financeiro nacional" e, ainda mais grave, era o risco iminente de falência do BPN".  
 
Faria de Oliveira está a ser ouvido no parlamento a pedido dos deputados do CDS/PP.

Comentários 15 Comentar
ordenar por:
mais votados ▼
Caixa já injectou euros 4,2 mil mulhões no BPN
Nunca assentou que nem uma luva a frase que uns comem os figos e a outros rebenta a boca. Lá vamos todos ter de pagar com os nossos impostos, a vilanagem de uns tantos que continuam a andar por aí, passeando-se em grandes carros e vivendo em casas com todo o conforto. Se fosse hoje estou convicto que nunca o governo o tinha nacionalizado. Na altura também estou convicto, que não existiria nenhum governo tão irresponsavel que não o fizesse. O que revolta no meio disto tudo, é ver uma América num caso semelhante como o Maddof em seis meses, averiguar, julgar e condenar. Em Portugal passado este tempo todo ainda não se passou da primeira fase. Será que algum dia isso irá acontecer? Há uma coisa que me continua atravessada aqui na garganta. Durante toda a campanha para as Legislativas e não só, vi a Drª. Manuela F. Leite contra as Grande Obras, TGV e Aeroporto, sabendo que estas criam desenvolvimento, modernidade e mais valias, mas nunca se ouviu daquela boca uma critica ao BPN. É caso para perguntar porque será. É que neste caso pagamos e ficamos sem nada. Foi como se tivessemos ído jogar para o Casino, mas sem ter esse prazer, é só desgosto.
Responsáveis
E os responsáveis, onde estão?
O que é que a (in)Justiça está a fazer??????
Porque é que não condecoram também o Dias Loureiro e o Oliveira e Costa???
Re: Responsáveis Ver comentário
BPN
E quem é que vai pagar esta factura ? Quem é ?
Os contribuintes, como é óbvio ?
  E os culpados desta situação ?!
Não se esqueçam de acrescentar a Supervisão do Banco de Portugal, que pelos vistos andou a dormir na forma, durante este tempo todo.
Por amor à verdade, tem de se afirmar que Dias Loureiro está implicado no caso da SLN e no BPN foi ilibado.
A verdade acima de tudo.
O principal responsável esté em prisão domiciliária.
Re: BPN Ver comentário
Re: BPN Ver comentário
Re: BPN Ver comentário
O BPN, A OLIGARQUIA POLÍTICA E A VERDADE
Qual o poço mais fundo, a Caixa ou um banco que encaixa o dinheiro dos portugueses para se esconder os financiamentos e negociatas partidárias que á sombra dele se fizeram? Quanto custa o Novo Aeroporto e quanto custou a nacionalização do BPN? Cavaco, Dias Loureiro e tantos barões do espectro laranja nada sabem, nada ouviram, nada viram? O manto sobre o BPN para que tudo se esfume e nada seja revelado a quem interessa quando é um evidente caso de polícia? Averigue-se até ás últimas consequências, condene-se quem cometeu ilícitos e cobardementre está escondido sob a sombras dos poderes ilegítimos. Ilibe-se que é honesto e tem direito ao bom nome!
A saúde nacional passa pela verdade e transparência, sem isso como poderemos juntar os portugueses numa missão colectiva e urgente de reconstruir e acreditar no futuro? Acabe-se com o segredo de justiça para que saibamos quem somos colectivamente! Melhor polícia. melhor imvestigação. melhores juízes são a prioridade das prioridades. Prescrever este caso seria um descrédito e a afirmação de que Portugal não tem Democracia.
Mais uma injecção...
Accionista da SLN revelou ao DCIAP que a venda da Redal, de Marrocos, implicou o pagamento de uma comissão de quase 20 milhões de euros.

Saiba mais sobre o alegado pagamento feito por Dias Loureiro
BPN
A Caixa já injectou no BPN 4.2 mil milhões de euros, lê-se no título da notícia.
Notem que diz "JÁ", o que quer dizer que os contribuintes poderão ter que contribuir com mais algum reforço !
É este o país que nos impingem como um "país côr de rosa"!
Só que os mesmos devem viver em países diferentes, ou então querem ocultar-nos a realidade.
Mas os portugueses a pouco e pouco já vão repudiando estas patranhas...
A voz do dono.
Era o que faltava,dizer o contrário.
Vergonha
Do governo, Banco de Portugal, justiça enquanto não provarem o contrário afirmo que o crime compensa para ALGUNS.
BPN, TGV e FERRARIS...
4,2 mil milhões não era quanto custava a construção do TGV?

Claro que é bem mais importante salvar um banco com a enorme expressão de mercado e financeira como o BPN! Bravo, bravo!

Não sou, de todo, apologista do TGV, mas entre o BPN e o primeiro, não tenho quaisquer dúvidas onde seria melhor empregue o dinheiro.

Preferia construir o TGV,ainda que julgue que, metaforicamente falando, somos um país que pode ser comparado a um trabalhador que ganha 1000€ por mês mas que insiste em comprar um Ferrari. Guiamos um Fiat Uno e queremos mais, mas pelos vistos o BMW não serve, temos que ter um Ferrari! E porquê? Porque a UE ajuda-nos a paga-lo! Não interessa que andemos por estradas más, que não tenhamos dinheiro para seguro ou gasolina, o mais importante é que a UE comparticipa a sua compra.
Claro que o Ferrari sofrerá muitas "derrapagens" e acabará por ficar ao dobro do preço...
Ha grande Victor Constâncio. Assim é que é...
Grande supervisão...

Todos nós temos a consciência de que em Portugal tudo pode acontecer... mas será possível? Será possível que Vítor Constâncio seja elevado à categoria de vice- presidente do BCE sem que aparentemente se levante nenhuma voz contra? Será o reconhecimento do seu mérito? Mérito que decorre de ser o presidente da instituição que, como responsável pela supervisão do sistema bancário em Portugal deixou que acontecesse o que sabemos no BPP e no BPN? Retiro do site do BdP: "O Banco de Portugal exerce a função de supervisão - prudencial e comportamental - das instituições de crédito e das sociedades financeiras, tendo em vista assegurar a estabilidade, eficiência e solidez do sistema financeiro, o cumprimento de regras de conduta e de prestação de informação aos clientes bancários, bem como garantir a segurança dos depósitos e dos depositantes e a protecção dos interesses dos clientes"
O que sentirão os clientes destas instituições, nomeadamente os que não têm acesso aos seus depósitos, entretanto congelados, sobre tudo isso? Como é possível tamanho desplante? Será que um de nós, no âmbito das funções que ocupa, alguma vez seria tratado deste modo? Imaginem-se como supervisores de algo. Imaginem que a vossa supervisão falha. Estamos todos a ver o que acontece a seguir: promoção.
Desgraçado país este: é por isso que cada vez mais jovens fogem deste canto. Jovens de elevado potencial mas que consideram insuportável a ideia de viver neste País.
INJECTOU!???
Então a CGD anda a roubar os pobrezinhos e a dar aos OUTROS?
Ai, ai, Robin dos Bosques à la Portuguesa!
quando é que dás ouvidos ao frade e não ao Governador do BdeP???
Assim, o homenzito nem em Fevereiro lá chega à ÓROPA!
Cada vez tem o curriculum mais a prémio e, assim, ninguém acredita que seja capaz de tomar conta das massas da CE. Bom, lá tomar conta, toma...
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub