Anterior
Crédito à habitação vai continuar a subir
Seguinte
"Gasóleo não desce abaixo de um euro", prevê Ferreira de Oliveira
Página Inicial   >  Economia  >  Caixa Geral de Depósitos quer ser a primeira a arrendar casas

Fundo imobiliário

Caixa Geral de Depósitos quer ser a primeira a arrendar casas

O banco estatal diz que a sua importância no mercado lhe impõe ser pioneiro no lançamento do primeiro fundo de investimento para arrendamento habitacional.
|
Paulo Sousa revelou na conferência de imprensa que, neste momento, a CGD apenas pretende disponibilizar os fundos para os seus clientes. Ou seja, não está nos seus horizontes do banco comprar casas cujo financiamento tenha sido contratado com outros bancos
Paulo Sousa revelou na conferência de imprensa que, neste momento, a CGD apenas pretende disponibilizar os fundos para os seus clientes. Ou seja, não está nos seus horizontes do banco comprar casas cujo financiamento tenha sido contratado com outros bancos / José Sena Goulão/Lusa

A criação dos Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional (FIIAH), novos veículos financeiros que constam da proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2009, veio mesmo a calhar à Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O banco estatal já estava a 'ensaiar' projectos-piloto no mercado do arrendamento com opção de compra e tinha constatado que se trata de um negócio com potencial.

Agora, com as vantagens fiscais que o Governo está disposto a conceder aos FIIAH, apostar neste tipo de negócio torna-se mais aliciante para a instituição bancária.

"O enquadramento fiscal é muito importante para a viabilidade do fundo. Além disso, o valor das prestações pagas pelos arrendatários serão menores, porque não é cobrada uma série de impostos", explicou o director de financiamento imobiliário da Caixa, Paulo Sousa, numa conferência de imprensa.

Esta manhã, no edifício-sede da instituição financeira, em Lisboa, a CGD anunciou que será o primeiro banco a lançar um produto desta natureza.

De acordo com Paulo Sousa, a CGD seleccionou um conjunto de imóveis remodelados para testar, durante o 2.º semestre deste ano, esse modelo e comprovou que se trata de um mercado com potencial. "Há procura de casas para arrendar com a possibilidade de compra no final do contrato", revelou.

Tudo somado, é uma oportunidade excelente para a CGD optimizar a sua carteira de activos imobiliários provenientes de processos de execução e/ou dação em pagamento. E para aliviar a sua carteira de crédito malparado.

Os clientes em dificuldades poderão alienar o seu imóvel ao fundo saldando a dívida com o banco, mantendo-se a viver na casa como arrendatários. "Estamos com um valor de malparado confortável, mas sabemos que a tendência será de um aumento do incumprimento", adianta Paulo Sousa.

Por isso, "é a altura ideal para lançar um produto desta natureza, tendo em conta o cenário de crise e a conjuntura adversa para as famílias da subida das taxas de juro, que estão a criar dificuldades para pagar o crédito à habitação", salienta o mesmo responsável.

O trabalho preparatório está a decorrer e a CGD garante que está pronta a avançar logo que o Governo regulamente estes fundos de investimento e que a respectiva lei entre em vigor.

Paulo Sousa adianta que, neste momento, a Caixa apenas pretende disponibilizar esta solução para os seus clientes. Ou seja, não está nos seus horizontes comprar casas cujo financiamento tenha sido contratado com outros bancos.

Além de adquirir casas a pessoas que já tenham crédito à habitação e que estejam com dificuldade para as pagar por causa da subida da Euribor, a Caixa Geral de Depósitos pretende também abrir a porta a jovens que estão à procura de casa pela primeira vez.

De qualquer forma, convém notar que qualquer pessoa (neste caso cliente da Caixa) que tenha um empréstimo para comprar a sua habitação pode negociar com o fundo a venda do mesmo.

O responsável adianta que, em média, as rendas pagas ao fundo serão cerca de 20% mais baixas do que a prestação com o crédito à habitação.

Capital de 10 milhões de euros

O fundo da Caixa terá um capital de 10 milhões de euros, que a instituição estima que seja subscrito no prazo de um ano. Caso o plano de aquisições extravase esse montante, a instituição ou faz um aumento de capital (por lei é permitido de seis em seis meses) ou então o fundo endivida-se.

Quanto à forma como será calculada a renda e a opção de compra (ou recompra no caso das habitações sobre as quais o arrendatário já teve uma hipoteca ao banco) do imóvel, Paulo Sousa explica que da interpretação da proposta de OE se depreende que essa matéria será regulamentada através de uma portaria.

O director da CGD salienta a experiência que o banco estatal já tem no mercado de arrendamento. Actualmente, a Caixa detém a Sogrupo Gestão de Imóveis, proprietária de 3500 fracções no âmbito das carteiras de investimento das seguradoras do Grupo, e a Fundimo Sociedade Gestora de Fundos Imobiliários, com 830 fracções.

Apesar de muitos destes imóveis estarem a ser utilizados como escritórios, Paulo Sousa refere que uma fatia muito importante já são habitações. E acrescentou ao Expresso que grande parte destes imóveis irão passar para o novo fundo.

No entanto, recorrer ao FIIAH não é o remédio para todos os casos de incumprimento, sobretudo "nas situações mais extremas". "Esta é mais uma solução para os clientes que estão em dificuldades", explica, acrescentando que este produto vem na sequência de "um conjunto de iniciativas lançadas pela Caixa em Julho deste ano, que visam a redução da prestação do crédito à habitação". Entre as quais, a contratação de um período de carência (durante o qual não se pagam juros ou não se amortiza capital) alargado a clientes de todas as idades e o aumento do prazo do empréstimo até o cliente completar 80 anos de idade.

"Em primeiro lugar, as famílias em dificuldades devem procurar solucionar o seu problema com estes instrumentos e manter o crédito à habitação. Numa segunda fase podem equacionar a hipótese de vender a casa ao fundo", considera Paulo Sousa.

Além da componente social deste fundo, existem também vantagens financeiras para os proprietários de imóveis (instituições de crédito, empresas ou particulares) que podem colocá-los de imediato no mercado de arrendamento.


Fundos são a novidade no Orçamento de 2009

Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional constituem uma das grandes novidades da proposta de OE. A partir de 2009 será possível vender a casa a um fundo imobiliário para arrendamento habitacional e livrar-se da dívida ao banco, mantendo o direito a viver na habitação como arrendatário. É uma medida que abre a porta a significativas vantagens fiscais mas que vai além disso. Ao mesmo tempo que se procura dinamizar o mercado do arrendamento, aliviam-se as contas dos agregados familiares endividados, permite-se aos bancos expurgarem das suas contas boa parte do crédito malparado e dá-se um estímulo às empresas do sector imobiliário. Está prevista a isenção do pagamento de IRS sobre as mais-valias obtidas com a venda do imóvel ao fundo, entre outros benefícios no que diz respeito a impostos. A renda também se pode abater no imposto na mesma proporção prevista para o crédito à habitação (no máximo são 586 euros).


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
O horizonte de vida do T3 determina o preço?
Com o mercado saturado, as agencias com a criança nas mãos, o preço da habitação e o poder de compra a caírem, e os leilões sem compradores, só resta ao estado, via cgd o aluguer.
A CGD DESCOBRIU A POLVORA
Injustiça
Quando leio este fabuloso regime fiscal para estes fundos, não posso deixar de pensar na tremenda injustiça para os actuais senhorios que têm de pagar os seus impostos e sujeitar-se aos atrasos constantes no pagamento das rendas (por vezes mais de 3 meses, que, como toda a gente sabe, os Tribunais não funcionam e as rendas não chegam sequer para pagar a um advogado). Maior injustiça ainda se pensarmos que continuamos a ignorar os históricos congelamentos de rendas urbanas que levaram à espoliação desses proprietários, sem que, até hoje, algum político tivesse a dignidade de fazer justiça. As Câmaras, por sua vez, só servem para intimar os senhorios a fazerem obras, quando para estes, o dinheiro nem para os medicamentos chega. A degradação do nosso património habitacional também tem aqui a sua origem. Seria bom que, antes de se lançarem soluções para os grandes capitalistas, alguém pensasse em soluções para o País no seu todo.
É um bom negócio...mas não para os portugueses
De um amigo jurista, chegou-me este comentário:

«Este pode ser um óptimo negócio, mas não para os portugueses.
Deste Governo não se esperava outra coisa. Se houvesse dinheiro por parte do Estado para ajudar aqueles que estão com dificuldades em pagar casa, então o que Sócrates faria era descer imediatamente os impostos - em particular o IRS - para ajudar as famílias a ter algum dinheiro para pagar a casa.
Mas não! O que o Governo propõe é:
"Compraram uma casa? Não têm dinheiro? Ou melhor... não é que não tenham dinheiro; não vos chega é o dinheiro para tudo? Coitadinhos, snif, snif! Então aqui vai a solução: vendem a casa ao banco - a quem havia de ser senão a um banco, ah, ah, ah! - e depois, já que ficaram sem a casa, o que temos para vocês? Uma renda para vocês pagarem! Antes tinham que pagar uma espécie de renda: a prestação à banca. Agora têm outra renda: a renda... ao banco. É claro que a segunda é mais barata do que a primeira. Mas também, no fim do contrato da "renda barata" a casa já não vai ser vossa, é do banco, ou acham que os bancos fazem negócios por caridade?"
Isto é uma péssima solução para a crise do preço do dinheiro que se vive. A melhor solução seria descer imediatamente o IRS, para que as famílias pudessem desviar algum do dinheiro que actualmente canalizam para os impostos, e que assim poderia servir para pagar a prestação da casa ao banco.
As pessoas esforçaram-se para poder comprar uma casa; é com imensa INJUSTIÇA que vêm que a única maneira de continuar a morar nela é desistindo de serem os seus proprietários e tornarem-se seus inquilinos!
A casa que deixariam aos filhos fica agora destinada... à banca! Isto mais não é do que uma expropriação encapotada! E mais - o que é gravíssimo - diz-se a estas pessoas que isso é que as vai tirar da miséria! Então estas pessoas esforçaram-se por começar a pagar uma casa; quiçá pagam-na há anos; talvez faltem poucos para a acabar de pagar; e diz-se-lhes agora que: ou o banco executa o seu património, se não tiverem dinheiro para a pagar; ou então o banco fica com ela!
Isto é o PREC no seu pior, e um PREC encapotado! Isto é uma vergonha inadmissível! Há dinheiro para o TGV, há dinheiro para o Aeroporto, HÁ DINHEIRO PARA GASTAR EM GARRAFAS DE VINHO DE 6480 EUROS (http://dn.sapo.pt/2008/10... e aqui http://ultimahora.publico... e não há dinheiro para baixar os impostos - o IRS, em particular, ou, até, o IVA, se necessário fosse - para que as pessoas com maiores dificuldades acabem de pagar uma casa - a sua casa! - ao banco?
Mas o que é isto???»

Cada um que pense pela sua própria cabeça.
Não é politica é desespero.
Esta medida já só é tomada em causa de desespero por existirem tantas casas nas mãos dos bancos e estes não as conseguirem vender em leilão. O mercado de arrendamento há muito que devia ser promovido pelo governo, mas este é um negócio que não interessa aos bancos, porque ninguém precisa de um banco para pagar uma renda de casa alugada.
O governo serve os bancos e estes fazem a politica nacional. Assim que o mercado imobiliário recuperar todas estas intenções vão desaparecer.
AREIA PARA OS OLHOS
Em suma: eleições à porta e há que fazer algo. Nem que seja adiar o problema para daqui a uns anos.

Só gostava que os que agora propõem estas irresponsáveis medidas, estivessem um dia no poder quando elas rebentarem !
AREIA PARA OS OLHOS
Uma medida irresponsável e digna de palhaços.

É adiar o problema sendo que os culpados, os bancos e quem solicitou empréstimos que agora não conseguem pagar, acabam por se enganarem uns aos outros com a ajuda dos políticos que controlam a CGD.
Comentários 7 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub