17 de abril de 2014 às 8:23
Página Inicial  ⁄  Dossiês  ⁄  Dossies Atualidade  ⁄  Tarrafal  ⁄  Cabo Verde quer transformar o antigo presídio num museu antifascista

Cabo Verde quer transformar o antigo presídio num museu antifascista

O primeiro ministro cabo-verdiano diz que uma visita ao Tarrafal "basta para avaliar a crueldade do fascismo e do colonialismo português e os sacrifícios consentidos pela causa da liberdade e da independência". (Vídeo no fim do texto)
Lusa
Uma das celas que no passado serviu para deter presos políticos Omar Camilo/Lusa Uma das celas que no passado serviu para deter presos políticos

O primeiro-ministro cabo-verdiano pede aos estados membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que ajudem a transformar o antigo Campo de Concentração do Tarrafal num Museu de Resistência Antifascista e de Luta Anti-Colonial. 

José Maria Neves falava na sessão de abertura do Simpósio Internacional sobre o Campo de Concentração do Tarrafal, que decorre até sexta-feira, dia em que passam 35 anos sobre o encerramento definitivo daquele que foi descrito como o "campo da morte lenta". 

"Apelo a todos os governos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa para transformarmos este ex-campo de concentração num Museu de Resistência Antifascista e de Luta Anti-Colonial, para lembrarmos a história de um passado que, por um lado, nos envergonha e que não queremos que se repita jamais", disse José Maria Neves. 

"Por outro lado, (o antigo campo) engrandece-nos, porque houve homens e mulheres que não se calaram perante as injustiças e arbitrariedades e que nos legaram a coragem de continuar a lutar e a vontade de vencer, sempre", acrescentou, perante mais de 40 ex-presos de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Portugal. 

José Maria Neves, que discursava numa das alas que, após o início da Guerra Colonial, em 1961, serviu de cela aos presos políticos de Cabo Verde, considera que uma visita ao campo do Tarrafal "basta para avaliar a crueldade do fascismo e do colonialismo português e os sacrifícios consentidos pela causa da liberdade e da independência". 

"Precisamente 38 anos após a criação do Campo de Concentração do Tarrafal, a 25 de Abril de 1974, acontece a Revolução dos Cravos em Portugal, que pôs fim ao regime colonial fascista e abriu caminho à independência das ex-colónias portuguesas e à instauração da democracia em Portugal", lembrou. 

Fazendo um balanço dos 35 anos após o 25 de Abril e de 34 sobre as independências, o chefe do executivo cabo-verdiano disse que, "afinal, tudo valeu a pena". Dirigindo-se a três ex-presos bem conhecidos, presentes no simpósio, e aos prisioneiros guineenses, igualmente a participar no encontro, disse: "Edmundo Pedro, diga a todos os seus companheiros de combate e de cárcere que valeu a pena. Luandino Vieira, escreva em todos os livros do mundo para que o mundo inteiro saiba que valeu a pena. Luís Fonseca, fale com os diplomatas e diga-lhes que estamos aqui, firmes, para continuar a caminhada, para construirmos um futuro de paz, tolerância, liberdade, democracia e dignidade para todos", sublinhou. 

"Quero que os nossos irmãos da Guiné-Bissau anunciem em todas as tabancas (povoações), em todas as ilhas, para que todos oiçam que Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Eduardo Mondlane e tantos outros que são os nossos heróis que não morreram em vão", acrescentou. 

O primeiro-ministro de Cabo Verde admitiu, por outro lado, os "erros cometidos" no passado pós-independências, as "fragilidades" dos processos de construção de um Estado e as "debilidades das políticas públicas mas deixou uma mensagem de esperança no futuro. 

"Assumindo plenamente as nossas responsabilidades políticas em tudo o que terá acontecido após a independência, teremos de continuar a luta para que os ideais mais nobres e o testamento dos combatentes da liberdade sejam plenamente cumpridos", sustentou. 

"Mas os ideais por que lutaram os nossos camaradas que viveram longos anos no cárcere, esses continuam perenes: a liberdade, a democracia e a dignidade da pessoa humana estarão sempre no âmago de todas as nossas batalhas", referiu José Maria Neves. 

Presentes na sessão de abertura estiveram também os ministros da Cultura de Angola e Guiné-Bissau, bem como os presidentes das fundações Amílcar Cabral e Mário Soares, que, em colaboração com outras entidades, ajudaram a concretizar o simpósio. 

Comentários 0 Comentar
PUBLICIDADE
Expresso nas Redes
Pub