Benfica. Sai um Bernardo, entram dois uruguaios

Anterior
Tarrafal assinala 35 anos sobre o seu encerramento
Seguinte
Tarrafal é "a prova da desumanidade dos regimes fascistas"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Tarrafal  >  Cabo Verde quer transformar o antigo presídio num museu antifascista

Cabo Verde quer transformar o antigo presídio num museu antifascista

O primeiro ministro cabo-verdiano diz que uma visita ao Tarrafal "basta para avaliar a crueldade do fascismo e do colonialismo português e os sacrifícios consentidos pela causa da liberdade e da independência". (Vídeo no fim do texto)
Lusa |
Uma das celas que no passado serviu para deter presos políticos
Uma das celas que no passado serviu para deter presos políticos / Omar Camilo/Lusa

O primeiro-ministro cabo-verdiano pede aos estados membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que ajudem a transformar o antigo Campo de Concentração do Tarrafal num Museu de Resistência Antifascista e de Luta Anti-Colonial. 

José Maria Neves falava na sessão de abertura do Simpósio Internacional sobre o Campo de Concentração do Tarrafal, que decorre até sexta-feira, dia em que passam 35 anos sobre o encerramento definitivo daquele que foi descrito como o "campo da morte lenta". 

"Apelo a todos os governos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa para transformarmos este ex-campo de concentração num Museu de Resistência Antifascista e de Luta Anti-Colonial, para lembrarmos a história de um passado que, por um lado, nos envergonha e que não queremos que se repita jamais", disse José Maria Neves. 

"Por outro lado, (o antigo campo) engrandece-nos, porque houve homens e mulheres que não se calaram perante as injustiças e arbitrariedades e que nos legaram a coragem de continuar a lutar e a vontade de vencer, sempre", acrescentou, perante mais de 40 ex-presos de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Portugal. 

José Maria Neves, que discursava numa das alas que, após o início da Guerra Colonial, em 1961, serviu de cela aos presos políticos de Cabo Verde, considera que uma visita ao campo do Tarrafal "basta para avaliar a crueldade do fascismo e do colonialismo português e os sacrifícios consentidos pela causa da liberdade e da independência". 

"Precisamente 38 anos após a criação do Campo de Concentração do Tarrafal, a 25 de Abril de 1974, acontece a Revolução dos Cravos em Portugal, que pôs fim ao regime colonial fascista e abriu caminho à independência das ex-colónias portuguesas e à instauração da democracia em Portugal", lembrou. 

Fazendo um balanço dos 35 anos após o 25 de Abril e de 34 sobre as independências, o chefe do executivo cabo-verdiano disse que, "afinal, tudo valeu a pena". Dirigindo-se a três ex-presos bem conhecidos, presentes no simpósio, e aos prisioneiros guineenses, igualmente a participar no encontro, disse: "Edmundo Pedro, diga a todos os seus companheiros de combate e de cárcere que valeu a pena. Luandino Vieira, escreva em todos os livros do mundo para que o mundo inteiro saiba que valeu a pena. Luís Fonseca, fale com os diplomatas e diga-lhes que estamos aqui, firmes, para continuar a caminhada, para construirmos um futuro de paz, tolerância, liberdade, democracia e dignidade para todos", sublinhou. 

"Quero que os nossos irmãos da Guiné-Bissau anunciem em todas as tabancas (povoações), em todas as ilhas, para que todos oiçam que Agostinho Neto, Amílcar Cabral, Eduardo Mondlane e tantos outros que são os nossos heróis que não morreram em vão", acrescentou. 

O primeiro-ministro de Cabo Verde admitiu, por outro lado, os "erros cometidos" no passado pós-independências, as "fragilidades" dos processos de construção de um Estado e as "debilidades das políticas públicas mas deixou uma mensagem de esperança no futuro. 

"Assumindo plenamente as nossas responsabilidades políticas em tudo o que terá acontecido após a independência, teremos de continuar a luta para que os ideais mais nobres e o testamento dos combatentes da liberdade sejam plenamente cumpridos", sustentou. 

"Mas os ideais por que lutaram os nossos camaradas que viveram longos anos no cárcere, esses continuam perenes: a liberdade, a democracia e a dignidade da pessoa humana estarão sempre no âmago de todas as nossas batalhas", referiu José Maria Neves. 

Presentes na sessão de abertura estiveram também os ministros da Cultura de Angola e Guiné-Bissau, bem como os presidentes das fundações Amílcar Cabral e Mário Soares, que, em colaboração com outras entidades, ajudaram a concretizar o simpósio. 


Opinião


Multimédia

E que tal uma canjinha de pato?

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Piza de manga com estragão e canela

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais
Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub