Anterior
BPN: Oliveira e Costa chega a casa com pulseira electrónica
Seguinte
BPN: Oliveira e Costa "será sinal" para quem colaborar com Justiça
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Economia  >  Caso BPN  >   BPN: Roquette garante não ter pago qualquer comissão a Dias Loureiro

BPN: Roquette garante não ter pago qualquer comissão a Dias Loureiro

"Não paguei, nem ao Dr. Dias Loureiro nem a ninguém, qualquer comissão pela venda da Plêiade", assegurou o empresário José Roquette, ex-proprietário da empresa.  
Lusa |
Roquette quebrou o silêncio acerca da Plêiade que acabou vendida à SLN, num negócio que envolveu Dias Loureiro
Roquette quebrou o silêncio acerca da Plêiade que acabou vendida à SLN, num negócio que envolveu Dias Loureiro / João Carlos Santos

O empresário José Roquette, ex-proprietário da Plêiade, garantiu hoje não ter pago qualquer comissão a Dias Loureiro no processo de venda da empresa à Sociedade Lusa de Negócios (SLN), explicando em comunicado a forma como foi realizado o negócio.

"Como a documentação que estará na posse das autoridades certamente deixará claro, não paguei, nem ao Dr. Dias Loureiro nem a ninguém, qualquer comissão pela venda da Plêiade", garantiu José Roquette, em comunicado divulgado hoje.

Clique para aceder ao índice do DOSSIÊ CASO BPN

O empresário explicou que compra da participação de Dias Loureiro na empresa ficou liquidada no início de 2001, após receber o pagamento da SLN e que foi o "o único vendedor das acções da Plêiade à SLN" e "o único responsável pelas garantias, incluindo a garantia do balanço", que estão no contrato de venda da empresa ao grupo.

O também ex-presidente do Sporting Clube de Portugal explicou que Dias Loureiro foi administrador executivo da Plêiade de Março de 1996 até ao final de 2000, quando a empresa foi vendida, tendo o ex-conselheiro de Estado se tornado accionista da Plêiade.

Um acordo estabelecido entre os dois permitia a Dias Loureiro poder adquirir uma participação social que podia ir até 14,285%, com este a possuir em Maio de 1999, 8,21% do capital social da Plêiade.

O empresário explicou que, antes da empresa ser vendida, acordou comprar a Dias Loureiro a sua participação na empresa "e em revogar o acordo que com ele mantinha onde se estabelecia o direito a exercer a opção de compra", pagando por esta participação "um preço equivalente a 14,285% do preço global da venda à SLN".


Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 3 Comentar
ordenar por:
mais votados
Se ele o diz.......
quem somos nós para duvidar. Um senhor tão distinto, era lá capaz de uma coisa dessas.
Ainda se fosse um desses que vive nos bairros sociais!!!!
Ele diz e nós acreditamos
Ele diz e nós acreditamos, mesmo quando a conversa é sobre cifrões, a coisa não lhe está a correr de feição e lhe vemos aqueles olhos meio fora das orbitas
Caro Roquette,
Como todos sabemos, esse é um país de invejas. Quem tem algo, acaba sempre por ser invejado e odiado.

Portugal vive desde sempre da bufaria e na inveja.

Quem sai de mediocridade reinante, é sempre um alvo.

Comentários 3 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub