Siga-nos

Perfil

Expresso

Política agora

Contra todas as expectativas

  • 333

Portugal livrou-se de multa por causa do défice excessivo em 2015. O que mudou na Europa?

Helena Pereira

Helena Pereira

Editora de Política

Contra todas as expectativas, foi um volte-face. Não houve sanção simbólica de 90 milhões nem sequer de 18. Foi uma vitória de Portugal, mas também (e talvez ainda maior) de Espanha, que teve em 2015 um défice superior ao de Portugal.

Ainda ontem o primeiro-ministro admitia ao jornal “Público” que a situação não estava para otimismos. “Aparentemente não está muito simpática para Portugal”, dizia, talvez numa gestão de expectativas que fez com que as pessoas tenham adormecido a pensar que vinha aí um puxão de orelhas de Bruxelas e que hoje sorriam com mais alívio perante a conferência de imprensa da comissária Kristalina Georgieva.

Mesmo entre a oposição, o receio da sanção era grande, ao ponto de alguns dirigentes do PSD e do CDS considerarem mesmo que António Costa estava a fazer tudo para se pôr a jeito para uma sanção, ou seja, estaria propositadamente a defender pouco ou mal a posição de Portugal. Nas contas destes adversários do primeiro-ministro, a sanção até lhe poderia dar jeito para a campanha eleitoral de umas eventuais eleições legislativas antecipadas.

Pelo meio, o Governo admitiu ainda apresentar uma queixa contra o Ecofin no Tribunal Europeu de Justiça, caso as sanções avançassem. Ainda é cedo, mas é bom perceber o que fez vingar a posição de Portugal: a operação diplomática, a ajuda dos amigos socialistas europeus (de que já se duvidava) ou uma reflexão mais profunda na União Europeia sobre o caminho que esta deve seguir, se era mesmo a altura de se transformar numa Europa das sanções.

A nível interno, cai por terra a proposta do BE de se referendar em Portugal a Europa, PSD e CDS veem a sua governação (de 2015) reconfortada e resta saber o que vai a "geringonça" fazer face à novas medidas pedidas para este ano. Bruxelas quer mais 450 milhões de euros e sugere mesmo o aumento do IVA para vários produtos. E agora, António Costa?