Siga-nos

Perfil

Expresso

Antes pelo contrário

Procura-se estagiário experiente e trabalhador desempregado

Passou a ser natural para as empresas usarem o dinheiro dos contribuintes para pagar trabalhadores experientes para supostos estágios e ao Estado contratar desempregados e beneficiários de apoios sociais sem lhes pagar salário. Esta substituição do emprego por mão-de-obra paga a preço simbólico ou até gratuita cria uma pressão sobre o mercado de trabalho que resultará numa redução drástica dos salários e falseia os números do desemprego. Já não se discute se a trabalho igual deve corresponder salário igual, mas se a trabalho deve corresponder salário.

Daniel Oliveira

Uma empresa procura, para estágio financiado pelo IEFP, profissional especializado na área de vídeo, que tenha conhecimentos de Final Cut, sistemas operativos Mac OS X, Photoshop, experiência na criação de conceitos, realização, captação de imagem e som, edição e pós-produção e efeitos e use, no trabalho para o qual vai ser contratado, câmara de filmar própria. Outra pede um licenciado em design que comece um estágio de seis meses sabendo trabalhar com 13 softwares e 4 linguagens de programação diferentes. Outra quer um licenciado (com média mínima de 14 valores) e mestrado em engenharia informática e, apesar de ser um estágio, "experiência profissional anterior". Ou uma "loja de ideias" que, para contratar um estagiário que será pago, em grande parte, com dinheiros públicos, criou uma autêntica gincana de seleção. Primeiro análise de currículo; depois resposta a um briefing fictício e desenho de um logotipo, para um produto que não existe, em 24 horas; depois a simulação do lançamento de um produto fictício; e, por fim, os três últimos candidatos passarão por uma entrevista. Tudo isto para receber um salário miserável, sem qualquer garantia, pago por dinheiros públicos. 

 

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI