Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Antes pelo contrário

A encruzilhada síria

  • 333

Daniel Oliveira (www.expresso.pt)

Estive na Síria. Foi, aliás, dos vários países árabes que conheço, aquele onde mais gostei de estar. Por causa do incrível património histórico. Pelo mosaico cultural e religioso que ali se mantém. A laicidade do Estado sente-se. Sente-se na tolerância religiosa, cada vez mais rara nos países muçulmanos. Trata-se de uma ditadura laica que, da mesma forma que prende e mata os opositores políticos, mantém controlados os movimentos de qualquer tipo de fundamentalismo religioso que nunca quereriam nada com a dinastia Assad. A ligação ao Irão é táctica. A ligação religiosa faz-se pela minoria alauíta (10%), que se considera xiita e que domina o poder político. Ainda assim, a maioria é sunita e o Estado é laico. Uma realidade bem distante da iraniana.

Na segunda cidade síria, Alepo, que se diz o mais antigo local habitado do Mundo, assisti a uma missa dos maronitas e os símbolos cristãos eram tão visíveis como os islâmicos. Nos anos sessenta houve tensões com os cristãos (arménios, ortodoxos gregos, maronitas e católicos latinos - cerca de 10% dos sírios) mas os problemas não são visíveis para um visitante. Há ainda drusos, xiitas e alauítas, para além da maioria sunita. A diversidade é apenas manchada pelos bairros judeus sem judeus. A outrora numerosa comunidade judaica (eram 30 mil, quase todos a viver em Damasco e Alepo) há muito abandonou o país. Ou seja, um governo islamista neste país seria uma tragédia sem nome.

O cosmopolitismo sente-se também por via dos refugiados. Cerca de um milhão de iraquianos, meio milhão de palestinianos, duzentos mil libaneses. Isto em 2006, quando lá estive, durante o ataque israelita ao Líbano. Não digo que os refugiados sejam exemplarmente recebidos. Mas, comparando com o que vi no Egito, na Jordânia ou no Líbano, é, de longe, o Estado árabe que melhor recebe os palestinianos. Ou seja: o mais coerente entre o que diz e o que faz. O pan-arabismo é aqui um pouco (só mesmo um pouquinho) mais do que retórica. E a resistência a Israel também. E é também isso, muito mais do que a repressão, que explica os sentimentos do Ocidente em relação à dinastia Assad.

Estive na Síria. Foi, aliás, dos países árabes que conheço, aquele onde menos gostei de estar. Por causa da ditadura. Ela sente-se em cada esquina. A Síria é, como a Coreia do Norte, uma república monárquica. Ao pai Hafez al-Assad sucedeu o filho, Bashar al-Assad. Os dois têm o carisma de uma anémona. Mas, mesmo assim, não hesitam em levar o culto da personalidade até ao enjoo. As fotografias de pai e filho são omnipresentes. Todos os cafés, lojas, restaurantes e bares, queiram ou não queiram, são obrigados a ostentar as carinhas dos dois senhores. Nas fotos de propaganda do regime ao pai e ao filho junta-se o Espírito Santo. O filho predileto de Hafez, Basil al-Assad, era o candidato ao trono, mas morreu prematuramente num acidente de viação. Ficou o filho Bashar, o mais ocidentalizado, que chegou a dar sinais de abertura nunca concretizados. Por todo o lado se veem imagens de Basil, retratado como herói nacional, montado em cavalos. Ao que parece praticava hipismo e conseguiu um segundo prémio para a Síria. Sendo da dinastia Assad, isso chega para ser um novo Saladino.

A Síria é, como praticamente todos os regimes árabes, uma ditadura repressiva. Esta calhou ter estado do lado de lá do Muro - ou seja, do lado dos derrotados. Mas falar de socialismo aqui seria no mínimo exagerado. O país é pobre e o governo, para além de repressivo, é visivelmente incompetente. A intervenção do Estado na economia não muito é maior do que nos países vizinhos. A repressão política sim. Não me espantei, por isso, com o comportamento criminoso deste governo, perante a contestação política.

Este é o retrato da Síria que conheci. Muito antes da Primavera Árabe. Num momento em que o País olhava para fora e se unia por causa disso. Acontecia a guerra do Líbano e as bandeiras do Hezbollah surgiam, até com algum desconforto inicial do regime, por todo o lado. Apesar da ditadura, apesar da repressão, estava longe de imaginar uma contestação à dinastia Assad seria tão acirrada. Mas se a tivesse imaginado teria pressentido esta mortandade.

Perante o que vi, divide-se a minha consciência. Os milhares de mortos e o ignóbil aparelho repressivo do regime não dão espaço a qualquer tipo de cinismo. Bashar al-Assad tem de cair e não vejo como pode este regime dirigir qualquer tipo de transição pacífica para a democracia. A longa história de crimes não permite qualquer tipo de benefício da dúvida.

Mas a rara diversidade e tolerância religiosa que ali se vive faz-me temer por um futuro em que os islamistas tenham mais poder. Com um pormaior: a oposição na Síria é bem menos estruturada e sólida do que no Egito e facilmente manipulável por todos os interesses, incluindo os mais sinistros. E terá, até por não ser vista como alternativa, muito menos apoio popular.

Não ignoro também os interesses muito pouco altruístas do ocidente. Controlar a Síria é controlar o conflito israelo-palestiniano, a política interna do Líbano, parte do conflito curdo com a Turquia e ter uma porta aberta para o Irão. Não me parece que os EUA e a Europa, com a sua longa história de cumplicidade com as ditaduras árabes, estejam muito preocupados com os direitos humanos. A companhia, entre os "amigos" de uma Síria democrática e livre, da Arábia Saudita, do Bahrein (que lidaram com mão de ferro com a sua "Primavera Árabe) e da Turquia (que tem interesses naquela fronteira por causa dos independentistas curdos), diz tudo dos interesses que ali se movem. Que não são nem melhores nem piores do que o oportunismo chinês e russo.

Neste caso, não tenho uma posição fechada. Desejo, claro que desejo, o fim da ditadura síria. O seu derrube é uma peça fundamental para a democratização do mundo árabe. Travar a loucura assassina do regime sírio é um imperativo ético. Mas nem o dia seguinte, nas atuais circunstâncias, me parece nada animador, nem as motivações externas me parecem merecedoras de qualquer respeito. Pode a Síria conquistar a sua liberdade sem se entregar a uma ainda mais sangrenta guerra civil, onde os interesses dos vizinhos árabes, de Israel, da Turquia e dos EUA sejam o que realmente vai determinar o seu futuro? Não sei. Sei que a mortandade e a repressão têm de acabar. Sei que falta aos intervenientes externos, entre eles várias ditaduras árabes, autoridade para ali meterem a pata.