Siga-nos

Perfil

Expresso

Feliciano, o barão da República dos Bimbos

Para além de denunciar como os títulos académicos se parecem ter transformado nos títulos nobiliárquicos da República, a bimba obsessão pelo embelezamento do currículo académica coincide com o triunfo da tecnocracia na política. Olhando para as notícias deste mês tenho mesmo a sensação de que a carreira política só tem validade para ser académico e a carreira de académica é o que mais conta para ser político

Não me vou perder nas minudências da novela de Feliciano Barreiras Duarte. Não acompanho o entusiasmo fútil que estes assuntos provocam em tanta gente. Tenho sempre a sensação que eles ocupam mais tempo de debate político do que o conteúdo da democracia. Tomo apenas como certo o que o próprio secretário-geral do PSD assumiu: que se apresentou no seu currículo como investigador visitante da Universidade da Califórnia, em Berkley, coisa que não é exata. Parece que, para ser merecedor do estatuto que é menos extraordinário do que a expressão em inglês insinua, julgava que bastava trocar uns “papers” e propor um trabalho de investigação. O antigo secretário de Estado reconheceu o erro e corrigiu a nota biográfica.

Especialmente rápida e proactiva com a nova direção do PSD, lá veio o Ministério Público dizer que vai investigar tudo. Até porque no meio apareceu uma acusação de falsificação de documentos. Não sei se esta parte é verdadeira, o que tornaria a coisa mais grave, mas o Tribunal Plenário João Miguel Tavares lavrou sentença. Deviam contratar este especialistas em casos políticos que não envolvam essa coisa complicada que é a política para o Supremo. Teriam finalmente um Simplex da justiça, com condenações ao minuto. Só que Deolinda Adão, a tal senhora que assina o documento suspeito, já está a recuar na acusação de falsificação que fez. O que antes era “esse documento é forjado” passou a ser um “documento apresentado pelo Dr. Feliciano Duarte com a minha assinatura” que “certifica apenas e somente a sua inscrição”. É o mal de ter o dedo demasiado ligeiro no gatilho.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)