Siga-nos

Perfil

Expresso

Se hoje um homem lhe oferecer flores...

O 8 de março nasceu da confluência dos movimentos socialista e sufragista, de uma enorme radicalidade para a época, tendo chegado a ser violento. Vê-lo transformado no elogio à sensibilidade feminina, com entrega de flores, promoções de roupa e atividades dirigidas às mulheres, é um insulto ao feminismo que ele celebra

O Dia Internacional da Mulher nasceu da confluência dos movimentos socialista e sufragista do início do século passado. O 8 de março, que foi antecedido por outras datas, celebra duas exigências: condições de trabalho dignas e direito ao voto. Nasce como um movimento laboral e cívico de uma enorme radicalidade para a época, tendo chegado a ser violento. Vê-lo transformado no elogio à sensibilidade feminina, com entrega de flores, promoções de roupa, descontos em ginásios e cursos gratuitos de maquilhagem não é apenas uma perversão da data. É um insulto ao feminismo que ela celebra.

Um dos mais claros sinais da derrota de vários movimentos emancipatórios é a sua captura pelo mercado. Em Nova Iorque, a marcha do orgulho gay é hoje mais um evento social com forte investimento de marcas em busca de nichos de mercado do que uma manifestação cívica e política pelos direitos LGBT. Em Portugal, o 1º maio já serve para grandes superfícies, sobretudo as que mais exploram os seus próprios trabalhadores, organizarem grandes campanhas de descontos para fidelizar clientes. E há países onde a coisa está muito mais avançada e a data perdeu já o seu sentido político. E o 8 de março passou a ser mais um dia em que a mulher é reduzida ao seu papel ornamental.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Mulheres portuguesas trabalham em média 79 dias por ano sem serem remuneradas

    Para cada emoji laboral feliz há um número desigual no mercado de trabalho: entre os portugueses que mais ganham há pelo menos uma diferença de €320 nos salários de homens e mulheres, com prejuízo para estas últimas; entre os portugueses que menos ganham, dois em cada três são mulheres; a gravidez continua a ser um obstáculo na progressão na carreira das mulheres; os lugares de chefia continuam a ser maioritariamente masculinos - e quando as mulheres lá chegam recebem tendencialmente menos que os homens; a Comissão Europeia diz que Portugal foi o país onde o fosso dos salários entre homens e mulheres mais aumentou entre 2011 e 2016. Esta quinta-feira é Dia Internacional da Mulher e há que falar sobre igualdade - ou a falta dela

  • Mulheres que trabalham em hospitais e grandes superfícies são das que têm mais dificuldades em conciliar a vida profissional e familiar

    Enfermeiras, funcionárias das grandes superfícies comerciais e trabalhadoras das misericórdias: estas são sobretudo as classes onde a mão de obra feminina é grande e há maior dificuldade em conciliar a vida profissional com a familiar. As mulheres continuam a ganhar menos, são secundarizadas no acesso ao emprego e penalizadas por serem mães. Em entrevista ao Expresso, Fátima Messias, coordenadora para a igualdade entre homens e mulheres e dirigente da CGTP (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses ), explica porque “não podemos estar no século XXI e achar que o Dia Internacional da Mulher deixou de ter razão de ser”. “O desaproveitamento das qualificações das mulheres é uma realidade”

  • “Quanto mais mulheres trabalham, maior é o fosso salarial”

    A diferença salarial entre homens e mulheres mantêm-se há anos nos 16% e voltou hoje a ser confirmado pelo Eurostat. A Comissária para a Justiça e Igualdade de Género diz-se frustrada com esse facto e pede mais ação aos Governos. Portugal é o país onde o fosso mais aumentou entre 2011 e 2016. Vera Jourová pede ao Executivo português que procure as causa do problema

  • Quando o silêncio fala mais alto. Jornalistas espanholas em greve no Dia da Mulher

    Quando os espanhóis ligaram, esta manhã, o seu rádio ou a sua televisão, não ouviram as habituais vozes femininas que apresentam os noticiários matutinos: as jornalistas espanholas trocaram os seus relatos informativos por palavras de ordem contra a desigualdade de género e juntaram-se àquela que é a primeira greve feminista da história em Espanha