Siga-nos

Perfil

Expresso

Despovoamento: não é o regresso ao campo, é a economia

Temos de parar de falar de mundo rural sempre que falamos de repovoamento. Parar de falar de tradição e produtos locais cada vez que pensamos no desenvolvimento destas regiões. O interior não pode ser um restaurante nostálgico onde lembramos os bons velhos tempos. Se assim for, será um museu. Morto

Antes do debate em torno dos incêndios de Pedrógão Grande se ter transformado num macabro jogo político, tentámos debater a política florestal e a política de desenvolvimento deste País. E todos repetiram o que já todos sabem há anos: o despovoamento daquilo a que chamamos interior (mas que não é nem todo o interior nem apenas o interior) é um dos problemas estruturais deste país. Ele tem efeitos económicos, culturais, sociais, ambientais, de segurança, de coesão territorial e até de soberania nacional. Arrisco-me a dizer que, depois da desigualdade social, é o problema mais profundo deste país.

Este diagnóstico feito e refeito não chega para encontrar a solução. O discurso contra Lisboa pode chegar para quem não se queira esforçar, mas serve para nada. E a ideia que chegaria o Estado construir infraestruturas levou, como todos sabemos, a uma enorme frustração e desperdício. Não que as infraestruturas sejam dispensáveis ou que seja certo que tenham sido feitos os investimentos nas infraestruturas certas – o desprezo pelo ferroviário é um crime nacional. Mas porque o problema é muito mais profundo do que isso.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)