Siga-nos

Perfil

Expresso

Corbyn: a esquerda recupera quando deixa de contrariar a sua natureza

A solução não é arrojada: basta a esquerda deixar de contrariar a sua natureza e recupera aqueles que é suposto representar. Deixem que sejam os mais jovens a responder aos que repetem que o regresso às raízes é anacrónico

Escrevi, há uns tempos, que Jeremy Corbyn era o homem errado com a agenda e a estratégia certa. Parece que me enganei. A sua surpreendente e notada prestação no Channel 4, perante o excitado Jeremy Paxman, revelou que ele era o homem certo com a agenda e a estratégia certa. O homem certo porque não se deixou cercar e intimidar pela caricatura que os media tentam fazer dele. À pergunta porque não estava no programa eleitoral o fim da monarquia, sendo ele um republicano, respondeu com simplicidade: porque não o vamos fazer. Mas não teve medo de apresentar um programa que os seus opositores declararam que iria matar os trabalhistas e que afinal o fez renascer.

A agenda de Corbyn concentra-se na desigualdade social. É, de longe, o maior problema do Reino Unido. Esta prioridade corresponde a um programa verdadeiramente reformista, apesar da expressão “reformista” ter sido reservada para medidas que correspondem a uma contrarreforma perante grande parte do que foi feito no pós-guerra, forçando a retrocessos que nada têm de inovador. O Labour de Corbyn, que sempre contou com a oposição do acomodado aparelho do partido, propõe reversão de privatizações dos correios e caminhos de ferro, defesa e reforço do Estado Social (em especial do Serviço Nacional de Saúde e da Escola Pública, universidades incluídas), maior progressividade fiscal, alterações laborais mais favoráveis aos trabalhadores, uma política de habitação mais inclusiva. Grande parte das medidas, bastante concretas, parecem contar, segundo as sondagens mais pormenorizadas, com apoio maioritário. Esta agenda corresponde, no essencial, ao que faz de um partido trabalhista um partido trabalhista. É o núcleo duro da social-democracia abandonado pela chamada “terceira via”.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)