Siga-nos

Perfil

Expresso

Fátima, Futebol e Festival

Quem julga que Fátima, Futebol e Fado são sinal de atraso acreditou na propaganda salazarista, que os queria como instrumentos seus. Temos acesso a muito mais e já ninguém tenta resumir este povo aos três F . Mas continuamos a precisar de momentos coletivos em que nos sentimos, na nossa diversidade, uma comunidade

Não há conversa mais previsível que o enjoo moralista com quase tudo o que sejam manifestações populares que não correspondam às recolhas etnográficas ou aos cânones neorrealistas. Mas dos três F que o Estado Novo usou para reduzir os portugueses a uma simplicidade mais maleável e menos subversiva, dois já foram absolvidos e absorvidos pela intelectualidade nacional. Antes de tudo, o futebol. Hoje, até fica mal a um intelectual não saber de bola. E o fado, a que chegaram novas vozes. Hoje, até fica mal a um poeta não ter escrevinhado nada para ser fadistado. Só mesmo Fátima continua, por razões evidentes, fora da lista do consensual.

Quando era novo o fado era música de fascistas e o futebol alienação para mentes embrutecidas. Porque era suposto o povo passar o dia a fazer a revolução. Isto quando não estava a trabalhar, obviamente. Este espírito desapareceu ao ritmo que desapareceram as esperanças na dita revolução. Mas sobreviveu um discurso que me faz trepar pelas paredes: sempre que o povo se diverte quer dizer que está alienado e desinteressado daquilo que é relevante. O paternalismo, que retira aos outros o direito que nos damos a nós próprios – o do divertimento ou da fruição de cultura e da religião – é comparável a uma proposta que um dia ouvi num partido onde militei e que felizmente não passou pelo crivo do bom-senso: o de não haver televisão à quinta-feira, como acontecia na Islândia. A mesma esquerda que se bateu durante décadas pelo direito dos trabalhadores a serem donos do seu tempo fora do trabalho tem a tentação de decidir o que os trabalhadores podem e não podem fazer com esse tempo que é só seu.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Coluna fidelíssima e sem dúvidas que não advenham de hesitações, que por sua vez são provocadas por insegurança – coisa que se trata com comprimidos – viveu e vive na esperança do milagre. Pensou que seria possível o Santo Padre ganhar o Festival da Canção, o Benfica presidir às Cerimónias do Centenário de Fátima e Salvador Sobral ganhar o campeonato nacional. Isso sim seria um milagre. De qualquer modo, as coisas correrem muito bem, embora se sinta uma certa desilusão por o céu não se ter rasgado e Marcelo Rebelo de Sousa descer para cima de uma azinheira, mostrando que os seus afetos não são inferiores aos da Mãe de Deus

  • O melhor resultado do PIB em 10 anos

    Economia nacional cresceu 2,8% nos primeiros três meses do ano. É o melhor resultado dos últimos 10 anos e deve-se sobretudo ao aumento das exportações e do investimento