Siga-nos

Perfil

Expresso

A democracia na América

O maior engano em que se laborou nas últimas décadas foi a ideia de que os pesos e contrapesos do sistema americano o tornavam imune ao poder despótico de um qualquer eleito. Parece que havia quem acreditasse que se tinha inventado um sistema imune aos humanos. Erro perigoso e que será, aliás, testado nos próximos anos. Mas há uma qualidade na democracia americana que será indispensável: a extraordinária dinâmica da sociedade civil. O movimento de resistência ao neofascismo, que começou com as feministas e continuou com os funcionários de organismos públicos e defensores dos imigrantes, reagindo com o mesma agressividade com que o ataque aos direitos cívicos está a acontecer, é a mais eficaz forma de defender a democracia na América. Mais uma lição que a vitória de Trump nos dá: quando uma sociedade se contenta em votar de quatro em quatro anos nenhuma democracia está segura. Só quando os cidadãos estão dispostos a defendê-la na rua é que ela é mesmo de todos

Ordem executiva de Donald Trump, que suspende o programa de acolhimento de refugiados nos próximos quatro meses e proíbe a entrada no país de cidadãos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iémen provocou uma onda de revolta provavelmente inesperada. A medida é discriminatória e a todos os níveis inaceitável. Mas parece-me que todos esperavam a primeira confirmação de que Trump é mesmo Trump para iniciar um movimento de resistência que ou será longo ou deixará que os EUA se transformem numa coisa muito diferente da imagem que deles temos.

No Aeroporto de Nova Iorque, dezenas de advogados ofereceram-se para ajudar os imigrantes e refugiados que, apesar de terem vistos para entrar e estarem totalmente legais, estão a ser barrados por uma ordem executiva de Donald Trump, o candidato a ditador que acredita que a vitória eleitoral lhe dá o direito supremo de governar acima das regras. Mais de quatro mil académicos a trabalhar nos EUA, entre os quais estão 28 prémios Nobel, lançaram uma petição de resistência à negação do que são os Estados Unidos: terra de todo o mundo onde todo o mundo se encontra. Várias manifetsações com milhares de pessoas foram-se multiplicando em vários aeroportos do país.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)