Siga-nos

Perfil

Expresso

Brexit (1): Ser europeísta já não é o que era

  • 333

O projeto europeu é o inverso do que foi: em vez de convergência económica, a divergência; em vez do modelo social europeu, o seu desmantelamento; em vez de solidariedade, ameaças, sanções e ingerência; em vez do reforço da democracia europeia, a arbitrariedade. E, no entanto, a qualificação de “europeísta”, “eurocético” e “antieuropeísta” continua a usar-se como se nada tivesse acontecido. Um conjunto de sondagens recentes mostra que, nos países do norte da Europa (Reino Unido ou Holanda), a direita é mais antieuropeísta do que a esquerda. No sul (Grécia ou Espanha), acontece exatamente o oposto. No eixo central do poder europeu (Alemanha ou França) há quase empate, com a direita a mostrar-se um pouco mais eurocética. Na Escandinávia (Suécia), semelhante, mas com vantagem para a esquerda. Sejam sinal de indisponibilidade para ajudar outros quando a crise também bateu à porta, reação aos efeitos sociais da crise e a essa indisponibilidade ou a defesa de um Estado Social com fortes tradições, os euroceticismos de sentidos opostos resultam do mesmo: os povos perceberam que a Europa que temos, com as regras que tem, apela ao egoísmo. Foram os próprios opositores ao Brexit a deixar claro que o Reino Unido tem direito, como outros, a regras apenas feitas para si, que negociaram para evitar a saída. Até eles perceberam que isto já não é uma casa comum. Os que querem sair são apenas mais coerentes

Depois da sua fase embrionária, o projeto europeu construiu-se em torno de três principais objetivos: garantir a paz na Europa, apenas possível com paz social nos países, travar a expansão da influência soviética e garantir a prosperidade económica no continente. Separar o projeto europeu daquilo a que chamamos de modelo social europeu é não compreender as razões mais profundas para meio século de prosperidade e paz. Durante as primeiras décadas a integração europeia foi, entre outras coisas, sinónimo de mais direitos sociais, apenas possíveis graças a um processo de convergência económica entre os Estados membros. A solidariedade entre estados permitiu a países como Portugal aproximarem-se de outros. E a todos, uma entrada partilhada e mais segura no processo de globalização económica.

Ser europeísta significava, em meados dos anos 80, a defesa de uma Europa solidária, economicamente convergente e baseada no seu próprio modelo social, bem diferente do norte-americano.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)