Siga-nos

Perfil

Expresso

UBER é subdesenvolvimento

  • 333

Pouco me interessa se se chama UBER ou Rádio Táxis. Quero apenas que quem transporta passageiros e recebe por isso tenha alvará, que os motoristas tenham formação própria, que os preços estejam predefinidos, que paguem todos as mesmas taxas e seguros e que a todos se imponham as mesmas regras laborais e fiscais. Quem queira entrar no mesmo jogo com regras diferentes está a fazer batota. Ainda mais num sector que, mal ou bem, é fortemente regulado. Não é por simpatia para com os taxistas ou os empresários de táxi que dou razão aos que se manifestaram hoje. É porque defendo uma sociedade e uma economia com regras, onde a concorrência é leal, há leis de mercado e de trabalho. Defendo, no fundo, a civilização que construímos. Não é por uma coisa ser nova que é um avanço. A UBER é, como todas as novas formas de economia informal que contornam a regulação, um recuo civilizacional que os países economicamente mais subdesenvolvidos conhecem, sem precisarem das novas tecnologias, muitíssimo bem. Com tudo mais limpinho, é para aí que estamos a caminhar

Um ponto prévio: acredito na regulação da economia. A concorrência e o mercado não chegam para garantir a nossa qualidade de vida, a segurança, os direitos dos trabalhadores e dos consumidores ou a preservação do planeta. Não chega sequer para garantir a sobrevivência do capitalismo. Esta convicção não resulta de uma tara ideológica minha. Resulta da experiência do próprio capitalismo que, ao contrário do que se pensa, caminhou, durante muitas décadas e através de um consenso alargado e negociado, da desregulação para a regulação. Não por acaso, as economias mais subdesenvolvidas tendem a ser as menos regulada.

A UBER, que nos vendem como um serviço muitíssimo moderno, pode ser encontrada, nos aspetos que a tornam mais concorrencial, na generalidade dos países do terceiro mundo: trabalhadores sem formação, horários ou direitos que usam as suas viaturas (ou de outros) para transportar passageiros de uma forma mais ou menos informal, sem deveres específicos diferentes de qualquer outra pessoa que resolva dar boleias. Apenas se lhe acrescentaram as novas tecnologias.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)