Siga-nos

Perfil

Expresso

Por uma aliança contra o ódio

  • 333

Destruir o Daesh é uma prioridade. Não sei, suspeito que ninguém sabe, como se resolve o problema no único lugar onde ele pode ser resolvido, por ser onde encontram a desordem necessária para se reforçarem: na Síria e no Iraque. Sei que é aí, e não fazendo a vida de quem deles foge e das comunidades muçulmanas da Europa num inferno, que temos de descobrir a solução. Este atentado, no coração político de uma Europa desnorteada e cada vez mais dominada pelo discurso xenófobo, serve todos os militantes do ódio e todos eles são inimigos dos valores democráticos e da convivência tolerante entre culturas. Que a aliança que temos de fazer para vencer o Daesh seja em torno destes valores e não aquela para a qual nos quer empurrar esta campanha de terror

A primeira coisa que não podemos fazer é simbólica: não podemos chamar ao Daesh de "Estado Islâmico". Não são nem nunca o mundo permitirá que sejam um Estado, não representam nem nunca representarão o Islão. Pelo contrário: ofendem todas as convicções fundamentais que unem as três religiões do livro, incluindo aquela que que é seguida por mais de um quinto da população mundial.

Claro que há uma componente cultural no crescimento do fundamentalismo islâmico. Ela talvez se explique pela decadência política e moral do poder laico no mundo árabe e em alguns países asiáticos, onde, apesar de quem apoia este tipo de ação violenta ser uma pequena minoria, há uma hostilidade generalizada a um ocidente que que sempre foi visto como representante ou aliado de interesses corruptos. E porque, no mundo muçulmano, como em todo o lado, a religião parece estar a conquistar o que a política não conseguiu: a vontade que o ser humano tem de ser mais do que produtor e consumidor numa vida com um sentido que o transcenda. E nada melhor de leituras primárias e literais de crenças religiosas e a promessa do martírio para conquistar almas perdidas. Dar sentido à vida dando sentido à morte é o que oferecem estes sinistros manipuladores aos desesperados.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI