Siga-nos

Perfil

Expresso

Antes pelo contrário

Ninguém confia na banca. Confiam que o Estado pagará a fatura

  • 333

O Estado é como o pai de um jogador que, perante os azares do filho, continua a pagar-lhe as dívidas, garantindo que, por mais asneiras que o filho faça, todos podem estar descansados. Continuará a ser recebido em todos os casinos para gastar o dinheiro do pai. Sabemos, através da Lehman Brothers, o preço de deixar falir. E no caso do Banif até sabemos que é tarde demais para isso. Mas não podemos aceitar que isto continue. Não podíamos depois do BPN, não podíamos depois do BES, não podemos depois do Banif. Das duas uma: ou a banca é privada e é sustentada pelos privados, ou é sustentada pelos contribuintes e é pública. Se não pode falir tem de ser do Estado, se é privada tem de poder falir. Temos de defender a confiança no sistema financeiro. Mas isso não se faz continuando a substituir a desconfiança que os bancos merecem pela confiança que o Estado garante através da socialização do risco. Estamos a alimentar uma mentira. Estamos a dar garantias à irresponsabilidade geral. A curto prazo, faz todo o sentido. A longo prazo é um suicídio

Sei que, sendo o Estado o principal acionista do Banif, uma solução sem perdas para o contribuinte era já uma impossibilidade. Sei que a decisão de deixar falir um banco ou de repercutir as suas perdas em parte dos depositantes - injusto, mas menos do que dividir essa fatura por todos os contribuintes - seria uma catástrofe para a Madeira e os Açores (onde o Banif tem um terço do mercado) e teria um efeito perigoso na confiança dos emigrantes na banca portuguesa. Sei que repetir números como o BPN ou BES só nos poderia guardar más surpresas para o futuro. Sei que a solução menos má – a absorção do Banif pela CGD – foi proibida pela Comissão Europeia que, em todo este dossier, teve um papel lamentável pelo qual, sendo uma estrutura que não depende do voto, nunca terá de responder. Mas mesmo assim não consigo aceitar sem revolta que, mais uma vez, o meu dinheiro sirva para pagar os riscos de um negócio que já se adaptou a esta perversidade: os lucros são deles, os prejuízos são nossos.

Concordo que é fundamental para a economia que haja confiança no sistema financeiro. Mas, na realidade, não há qualquer razão para essa confiança. A banca não é hoje merecedora de tal coisa. Com a dimensão e complexidade que ganhou, essa confiança, a existir, só pode ser cega. E não é apenas um problema dos reguladores. Com cada vez mais opacos e complexos serviços e produtos, a banca que hoje temos é incontrolável e impossível de regular. O problema não é deste ou daquele gestor. O problema não é dos "malandros dos banqueiros". O problema é de um capitalismo financeiro insustentável e disfuncional, que foi deliberadamente desregulado e que está a sugar recursos à economia e ao Estado. E que só se consegue manter assim porque mantem os povos sob chantagem.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI