Siga-nos

Perfil

Expresso

Que o PCP não contrarie a sua história

  • 333

Os sinais dados pelo PCP têm sido contraditórios. Não se trata do PCP, no processo negocial, expor as suas divergências e pedir cedências. São sinais de inconsequência e inconsistência na forma como se está neste processo. E isso é o pior de tudo. Transmite aos portugueses insegurança e fragiliza muito esta solução. Dá desculpas a Cavaco Silva para manter Passos em gestão. Jerónimo de Sousa ouviu nas ruas o mesmo que Catarina Martins e António Costa. Pensar que, depois do brutal embate político a que assistimos nas últimas semanas, o PCP não seria fortemente penalizado pelos seus próprios eleitores se de alguma forma fosse responsável pela frustração das esperanças criadas e pela continuação da direita no governo é passar um atestado de menoridade ao eleitorado comunista. O comportamento do Bloco de Esquerda neste processo, negando a imagem de ser, ao contrário do PCP, pouco confiável, criou um novo problema aos comunistas: o do BE se tornar mais atrativo para quem procure sinais sólidos de maturidade política. Seria demasiado absurdo que, na hora da verdade, os comunistas fugissem a uma história que foi marcada pela fiabilidade e consequência nos seus atos.

O PCP tem fama de ser um parceiro de confiança. Gosto pouco do debate político baseado em características essenciais das organizações políticas. Os partidos mudam e é no processo de mudança que vão forjando a sua identidade. Mas uma coisa é certa: o PCP costuma ponderar as decisões que toma e, quando tomadas, ser consequente com elas.

Os sinais dados pelo PCP, em várias intervenções de Jerónimo de Sousa e outros dirigentes políticos sobre o acordo que está a ser negociado com o PS têm sido contraditórios. Não se trata de serem demasiado tímidos ou demasiado definitivos. Nem se trata do PCP, no processo negocial, expor as suas divergências e pedir cedências. São sinais de inconsequência e inconsistência na forma como se está neste processo. E isso é o pior de tudo. Transmite aos portugueses insegurança e fragiliza muito esta solução.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI