Siga-nos

Perfil

Expresso

O gigante trôpego

  • 333

A crise dos refugiados é, para a Europa, a segunda parte da crise financeira. A União é um monumento à inépcia política. O problema é sempre o mesmo: não é carne nem é peixe. Quer assumir poderes sem procurar a soberania democrática que esses poderes exigem. Claro que eu queria mais Europa. Mais Europa para um sistema fiscal comum, para títulos da dívida europeus que nos protegessem, para preservar direitos sociais, para defender os Estados de ataques especulativos, para proteger o ambiente. E para ser exemplar no respeito pelos direitos humanos, assumindo as suas responsabilidades para com os refugiados.. O meu problema com a União Europeia é, na realidade, o seu atual programa. Nele cabe Orbán e não cabia Tsipras. Desde que se paguem as dívidas, cada um sabe como estica o bracinho e atira sobre o refugiado. A União é hoje um gigante trôpego em andas. Mas quando se desequilibra cai sempre em cima dos mesmos

Enquanto as fronteiras rebentam perante a pressão de refugiados que fogem da guerra e da morte e vagueiam por países em situações bem mais complicadas do que a da Europa – o Líbano, a Jordânia, a Turquia –; enquanto o governo protofascista da Hungria manda disparar sobre os mais frágeis entre os mais frágeis; enquanto a extrema-direita vai espalhando o medo e apelando ao mais rasteiro dos egoísmos; enquanto as ilhas gregas e as fronteiras nos Balcãs rebentam de gente e falta de meios... Enquanto tudo isto se passa, nos mornos corredores de Bruxelas discutiu-se, adiou-se, recuou-se, discutiu-se de novo e chegou-se à recepção simbólica de 120 mil refugiados. Uma gota num oceano de tragédia. Só no último fim de semana chegaram 20 mil à Áustria.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI