Siga-nos

Perfil

Expresso

Apesar de tudo, ainda é primeiro-ministro

  • 333

Na cabeça de Pedro Passos Coelho a sua intervenção pessoal substitui a sua intervenção política. Perante desempregados que protestam, Passos Coelho ainda lhes vai oferecer emprego lá em casa. Apesar de tudo Pedro Passos Coelho ainda é primeiro-ministro. Se o problema é judicial não lhe cabe patrocinar e envolver-se num processo judicial. Se o problema é falta de dinheiro para aceder à justiça, está perante um problema político geral que exige uma resposta política geral. Até porque outras vítimas de outros crimes, também sem recursos, não têm menos direitos do que os lesados do BES. O que Passos Coelho deve pensar, antes de tudo o resto, é como combater a desigualdade no acesso à justiça. Problema que ele agravou com o aumento das custas judiciais

Sentindo-se apertadinho numa ação de campanha e não podendo continuar, como fez nos últimos quatro anos, evitar ter qualquer contato direto com as pessoas, Pedro Passos Coelho lá arranjou a solução para os lesados do BES. Perante a afirmação de uma das vítimas do senhor Ricardo Salgado, que se queixava das pessoas não terem dinheiro para ir a tribunal, respondeu: “Que não seja por isso. Organiza-se a defesa. E olhe, eu sou o primeiro a abaixo-assinar para angariar dinheiro para os senhores puderem ir para tribunal.”

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI