Siga-nos

Perfil

Expresso

E o perdão do passado que não serve o futuro

  • 333

Não tinha qualquer hipótese de ser aprovada. Maria Luísa iria verificar cada centímetro quadrado do seu corpo, o rosto pesado, as rugas, os cabelos brancos a despontar selvagens, as mãos com unhas rentes e Laura seria de novo uma menina apanhada em falso. À memória delas a rir, a partilhar brincos e sapatos, imagens devolvidas no espelho de corpo inteiro, no conforto do quarto menineiro de Maria Luísa, tinha-se substituído a outra: Laura deitada, a chorar, o menino nos seus braços e Carlos a dizer

“Perdoa-me, perdoa-me...”