Siga-nos

Perfil

Expresso

Gazeta das Caldas

Emigrante cria associação para acolher crianças desfavorecidas no Cadaval

A vida dura que viveu na sua juventude, fez de Rosinda Justino uma pessoa solidária. Natural da Sobrena (Cadaval) partiu jovem para França onde casou e sempre trabalhou com crianças. Reformada, passa agora a maior parte do tempo em Portugal e foi no concelho natal que comprou um terreno que ofereceu para criação de um centro de acolhimento temporário de crianças e jovens em situação de perigo.  

Gazeta das Caldas - Fátima Ferreira

A semana passada foi feita mais uma noite de fados para angariar donativos para a construção do edifício que deverá arrancar ainda este ano.

"Gostei sempre muito de crianças, era eu que me ocupava dos meus irmãos mais pequenos e dos filhos dos vizinhos", recorda Rosinda Justino sobre os tempos em que vivia no concelho do Cadaval, antes de partir para França, com os pais, à procura de uma vida melhor. Foi naquele país que casou, teve os seus filhos e começou a trabalhar com crianças desfavorecidas, através da Segurança Social.

Foi também em França que começou a ganhar forma o seu sonho de criar uma associação que ajudasse crianças desfavorecidas, mas do seu país natal. Como tinha comprado um terreno no Peral (Cadaval), ofereceu-o, assim como um donativo para a associação que criou, juntamente com algumas pessoas amigas, em Junho de 2006, e que apelidou de Paraíso das Crianças.

Desde então nunca mais pararam. O objectivo último é a construção de um edifício (um centro de acolhimento temporário) com capacidade para 16 crianças até aos 12 anos, que ali terão as condições para "permanecer o tempo que necessitarem", conta a presidente da associação. O imóvel terá uma área de 800 metros quadrados e um custo aproximado de 600 mil euros, estando candidatado a apoios públicos.

Para angariar fundos têm realizado almoços, encontros, passagens de modelos e noites de fado na região e também no estrangeiro. "O presidente da Câmara [do Cadaval] deu conhecimento da associação aos emigrantes e já se realizaram dois jantares no Canadá e nos Estados Unidos", contou Rosinda Justino, adiantando que está já previsto um terceiro.

Actualmente a associação possui 220 sócios, que pagam uma quota de 24 euros anuais e participam nos eventos que realizam periodicamente. Na semana passada teve lugar mais uma noite de fados que juntou vários artistas na colectividade de Lamas (Cadaval).

"É uma instituição que faz falta e eu ficava descansada com a sua concretização", conta Rosinda Justino, prevendo que se conseguirem o financiamento necessário, o centro poderá estar em funcionamento dentro de dois anos.

Para que o seu sonho seja uma realidade o mais depressa possível, e que as crianças desfavorecidas de todo o país tenham um local onde possam ser reintegradas familiar e socialmente, Rosinda Justino pede a colaboração de todos. A associação dispõe de um site na Internet (www.associacaoparaisodascriancas.com), onde é possível obter toda a informação sobre a associação, saber como tornar-se sócio ou como efectuar donativos.

Os interessados poderão ainda contactar a associação através do e-mail aapc.geral@sapo.pt ou pelos telm. 918769102 (Rosinda) ou 961516446 (Elisabete).