Siga-nos

Perfil

Expresso

A vida de saltos altos

Namoros de circo na TV...

Indecente, grosseira, anti-natura. A televisão tem cada vez mais lixo e os reality-shows estão no topo do caixote. Namoros encenados, sangue e lágrimas...Tudo vale pelas audiências.(Com vídeo)

Liliana Coelho (sapato nº 37) (www.expresso.pt)

Como diz o ditado: Mais vale cair em graça, que ser engraçado. Lembram-se de Geisy Arruda? A estudante brasileira que causou polémica por usar mini-saia e que foi expulsa da Faculdade Uniban, em São Paulo. Pois é... num estalar de dedos parece que virou estrela. Depois deste episódio que fez correr tinta nos jornais brasileiros e internacionais, a estudante de turismo ganhou fama e participa agora no espaço Vai dar Namoro, do programa "O Melhor do Brasil", da TV Record.

Durante um mês, a protagonista terá que eleger entre os concorrentes aquele que deseja que a leve ao altar. Em cada programa há conversas de ocasião e brinca-se aos namorados. Simples e divertido? Ridículo e indecente, diria eu. Quando falo neste programa, lembro-me de outros do género como a "Ilha da Tentação", "A Bela e o Mestre"- que foram transmitidos na TVI - ou o "Date my Mom" que é emitido na MTV. Namoros encenados, sangue e lágrimas...vale tudo pelas audiências. Mas será que ninguém percebe? Transformar a televisão num teatro de relações é simplesmente grotesco. Os participantes não devem muito à inteligência, mas pior ainda é quem vê.

Confesso que no boom dos reality-shows cheguei a assistir a alguns episódios, mas só por curiosidade. Não entendo que estes programas sejam bons laboratórios sociológicos, porque a amostra é viciada, com concorrentes escolhidos a dedo para o escândalo mediático. Mas vale a pena ver uma só vez com os próprios olhos o lixo a que chegámos. A televisão de hoje é junk-food pronta a consumir pelos espectadores amorfos - que se querem distrair com a vida alheia e simplesmente não pensar.Do outro lado, a lógica é "Se é lixo que o povo gosta, é isso que damos para ganhar audiências". E assim se cultiva a estupidez e a alienação. Palavras para quê?