Siga-nos

Perfil

Expresso

A vida de saltos altos

Citibank despede funcionária por ser demasiado sexy

Debrahlee Lorenzana vestia-se totalmente de acordo com as regras da profissão que tinha e da empresa

Ser sexy, com curvas bem evidentes, pode prejudicar a carreira. Que o diga Debrahlee Lorenzana, funcionária do Citibank de Manhattan que foi despedida por ser demasiado sensual. (Veja o vídeo)

Ana Areal (sapato nº37) (www. expresso.pt)

Foi na passada semana que a imprensa americana noticiou  que Debrahlee Lorenzana, gestora de negócios do citibank de Manhattan, terá sido despedida por ser demasiado atraente e por ser foco de distracção para os colegas e chefes.

Debrahlee foi admitida em setembro de 2008 e desde dessa altura que, alegadamente, tem sido alvo de comentários impróprios e ousados por alguns colegas de trabalho.

A empresa diz que os motivos do despedimento se prendem com o facto de Debrahlee usar roupas de executiva muito justas, tornando as suas curvas, já de si evidentes, ainda mais notadas.

O advogado de Debrahlee Lorenzana afirma que a ex-funcionária não tem culpa de ter um corpo atraente e mesmo que vestisse uma burca, não deixaria de ser vistosa e sensual.

É verdade. A vida de Saltos Altos por vezes tem destas coisas: tanto podemos ser acusadas por não estarmos cuidadas, como mais depressa somos despedidas por nos cuidarmos em demasia. Neste caso concreto, a avaliar pelas notícias, Debrahlee Lorenzana foi realmente vítima de uma injustiça, pois vestia-se totalmente de acordo com as regras da profissão que tinha e da empresa. O único "pecado" parece ter sido o facto de ser realmente "demasiado" sexy. Se não estão convencidos, percam uns minutos a visitar os links no final do texto e vejam mais entrevistas em vídeo e fotos da ex-gestora de negócios e tirem as vossas conclusões.

Pelo sim, pelo não, certo é que a melhor forma de tentar evitar alguma situação do género é mesmo saber escolher a roupa certa para trabalhar, já que nunca ninguém sofreu consequências por ter bom senso. Aqui vai uma mãozinha:

Comece por avaliar se a empresa onde trabalha é formal ou informal;

Tenha em conta o cargo que ocupa dentro da empresa;

Perceba se trabalha maioritariamente com homens;

Tenha atenção à necessidade de mobilidade durante o dia de trabalho: está muito tempo sentada? Ou, pelo contrário, trabalha de pé e/ou anda de um lado para o outro?

Pense se faz algum esforço físico dentro da empresa, como, por exemplo, carregar ao mesmo tempo o computador portátil, livros, pastas, etc, ou ainda ter de levar a sua cadeira até à sala de reuniões;

Pense também no tipo de meio de transporte que utiliza para chegar até à empresa;

Não deixe de ponderar os horários de entrada e saída;

O certo:

Tendo em conta todos estes aspectos pode começar por avaliar se a roupa que veste no emprego é a mais apropriada ou não.

Deve procurar transmitir uma boa impressão dentro da empresa com uma imagem cuidada e segura. Essa boa impressão consegue-se sobretudo se estiver com uma imagem respeitável para não se tornar vulgar. Tenha atenção se a roupa é confortáve e lhe permite flexibilidade suficiente para o que faz.

O errado:

O que não deve fazer em caso nenhum é usar roupas transparentes, demasiado justas ou blusas muito curtas com a barriga à mostra. Também deve evitar ter o sutiã à vista ou calças de cintura descaída que deixem visível parte da sua roupa íntima, por mais pequena que seja.

Os acessórios devem ser discretos. A maquilhagem pouco carregada e o perfume não muito intenso, para não desagradar ninguém que trabalhe consigo.

A regra de ouro:

O importante é que as pessoas com quem interage profissionalmente se foquem na sua capacidade de trabalho e não na sua silheuta. O apresentar-se bem é uma consequência de ser competente e não uma causa.